Cardiff, com vocação renovada

.

Carla Miranda, O Estado de S.Paulo

10 Novembro 2009 | 01h52

Nova revolução. A ânsia de Cardiff por mudanças é visível. Uma das metas: a capital do País de Gales quer estar cada vez mais perto dos turistas e longe dos tempos da Revolução Industrial, quando era conhecida apenas por causa de seu movimentado porto.

Pedalando. A mais recente novidade é o sistema público de aluguel de bicicletas, instalado há poucas semanas. Inspirado no modelo parisiense - aquele que não cobra nem um centavo pela primeira meia hora de uso -, o Smart Bike já se mostrou muito útil para rodar pela cidade. A inscrição semanal custa não mais que 5 libras.

Roteiro. Se for encarar as pedaladas, comece justamente pela região que é o símbolo do renascimento da capital, a Baía de Cardiff. A antiga área de docas, que virava um grande lamaçal quando a maré subia, nos últimos dez anos se converteu em atração turística por excelência. O sucesso teve início quando a cidade construiu uma barragem, evitando cheias e abrindo espaços para prédios novos em folha - caso do Parlamento galês, do museu interativo Techniquest (as crianças ficam loucas por lá) e do Millennium Centre, que abriga shows, musicais, exposições e tudo mais. E também para o Mermaid Quay, complexo com bares, restaurantes e lojinhas.

Na televisão. E se por acaso você achar que a região da baía parece familiar, relaxe, ela é mesmo. Tudo ali faz parte do cenário de Doctor Who (Cardiff montou um roteirinho para os fãs da série; confira no www.visitcardiff.com), que por aqui passava no People and Arts.

Castelo. Deixe a bike para visitar o Castelo de Cardiff, intacto. Há alguns cômodos ainda decorados pelos últimos moradores da família Bute, que doaram o castelo ao município na década de 1940. E estique para o Museu de Cardiff, com excelente coleção de impressionistas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.