Natália Zonta/AE
Natália Zonta/AE

Cartagena de praias e histórias

Cidade portuária é o recanto mais turístico da Costa Cálida

Natália Zonta, O Estado de S.Paulo

23 Junho 2009 | 02h18

Os espanhóis garantem que lá faz sol 315 dias por ano. E os britânicos fazem questão de aproveitar a cada verão as temperaturas escaldantes da Costa Cálida: eles ocupam boa parte das casas de veraneio da região. Para descobrir onde está o burburinho, basta segui-los.

A Costa Cálida tem 250 quilômetros de praias entre Carolina, em Águila, e El Mojón, na divisa com Alicante. Um percurso repleto de cidadezinhas ajeitadas - é difícil escolher onde parar. Mas se a ideia é mesclar banhos de mar com visitas a museus e sítios históricos, Cartagena é o lugar.

A bela cidade portuária tem cenários familiares para os brasileiros, como o Paseo de Alfonso XII, espécie de calçadão repleto de bares e restaurantes. Na marina, barcos fazem passeios pela costa e levam a praias quase desertas, verdadeiros recantos do Mediterrâneo. 

 

Veja também:

linkOnde dois mundos se encontram

linkPoder relaxante dos sais

linkFortaleza que virou cartão-postal

linkCorrida de cavalos em ruas medievais

linkLa Manga, um capricho natural

Em terra, muito mais para ver. O centro histórico tem prédios modernistas e praças pontuadas por palmeiras gigantes e rosas bojudas. Pela Calle Mayor, a via principal, um comércio vibrante. É nessa região que está a grande atração da cidade, o Museo Teatro Romano.

 

Foi durante uma reforma num casarão histórico que um arquiteto encontrou os primeiros indícios da existência desse local, em 1988. Com as escavações surgiram as rochas do que um dia foi um teatro romano.

Depois de muito estudo - e da desocupação dos imóveis ao redor -, a arena gigante voltou a ver o sol de Cartagena. Com ela, apareceu também uma igreja bizantina, cuja torre resistiu ao tempo.

Para preservar as ruínas, o espaço virou museu. A estrutura local é fascinante e explica bem como funcionava a cidade romana erguida ali no século 1.º d.C.. Há vestígios de residências nobres e até de um mercado.

DO FUNDO DO MAR

Uma caminhada pelo Paseo de Alfonso XII leva a outro museu interessante, o Nacional de Arqueología Subacuática. O tema pode parecer específico, mas vale a pena. A começar pelo prédio de estrutura moderníssima, feita de aço e vidro, obra do premiado Guillermo Vázquez-Consuegra. O projeto foi tão elogiado que ganhou exposição no MoMa de Nova York.

No acervo, vestígios de antigas civilizações encontrados no mar. Aliás, é possível ver como funciona o processo de restauração e réplicas de peças seculares. Atente também para os espaços interativos, perfeitos para as crianças.

Teatro Romano: www.teatroromanocartagena.org.  

Ingresso a 5 euros (R$ 14)

Museo Nacional de Arqueología Subacuática: www.museoarqua.mcu.es. Por 3 euros (R$ 8)

Mais conteúdo sobre:
Viagem Espanha Múrcia

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.