Laís Katassini/AE
Laís Katassini/AE

Cataratas e ruínas na lista de atrações indispensáveis

A área do Hwange National Park se estende até a divisa com a Zâmbia, onde um patrimônio da humanidade aguarda os visitantes. Victoria Falls, localizada no Rio Zambezi, é considerada a cachoeira mais larga do mundo e pode ser visitada dos dois lados da fronteira.

GWERU, O Estado de S.Paulo

28 Agosto 2012 | 03h09

De agosto a novembro, época das chuvas, a principal atração de Victoria Falls é Devil's Pool, piscina natural que se forma a poucos centímetros da beira da cachoeira. O espetáculo das quedas d'água, contudo, ocorre o ano todo. É possível observá-las do chão, em meio a uma floresta tropical onde não é difícil se deparar com macacos, babuínos e, ocasionalmente, elefantes, ou do alto, em um passeio de helicóptero. Na cidade, não faltam agências especializadas, que oferecem passeios de barco, rafting, canoagem, bungee jumping, tirolesa...

Pedra sobre pedra. De volta a Gweru, uma viagem de pouco mais de 100 quilômetros leva a cidade de Masvingo, a mais próxima das Grandes Ruínas do Zimbábue. Patrimônio da Unesco, o sítio arqueológico que deu nome ao país (cujo significado é "casa de pedra") é o que restou de uma cidade erguida a partir do século 11, que em seu auge teria abrigado até 10 mil pessoas.

Para visitar as ruínas não é preciso pagar. Mas por US$ 3 é possível fazer uma visita guiada que explica cada aspecto do espaço de quase 800 hectares. O passeio começa com uma subida à principal construção do terreno, onde vivia o imperador. Andar por ali não é fácil. A subida é cansativa e a caminhada completa dura cerca de duas horas. A vista do topo, entretanto, compensa o esforço.

O palácio foi construído de modo a dar total controle ao imperador, que podia avistar a chegada de inimigos e se comunicar com a comunidade por uma espécie de caverna localizada no topo das ruínas. Basta gritar ali para que o som seja propagado por todo o espaço. Surpreendente.

Ao final, uma visita ao Museu de História do Zimbábue. Apesar de pequena, a instituição guarda alguns importantes artefatos encontrados durante a escavação das ruínas. O principal deles é a escultura de um pássaro, símbolo usado na bandeira do país. / L.K.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.