Bárbara Ferreira Santos
Bárbara Ferreira Santos

Chá em clima de ritual sagrado no Japão

Preparado com folhas de matcha descobertas há 800 anos, chá de matcha deve ser apreciado com típicos doces japoneses

Bárbara Ferreira Santos, O Estado de S. Paulo

10 Março 2015 | 03h00

Cerimônia do chá que se preze tem de ter matcha, o mais icônico chá no Japão. Descobertas há cerca de 800 anos por monges, as folhas da planta são moídas até que se forme um pó verde. Para ser preparado, o tal pó é batido na água quente com uma espécie de vassourinha bem pequena. E a bebida deve ser apreciada com doces japoneses como acompanhamento, em geral feitos de feijão. 

Para participar um ritual de chá tradicional você terá de se purificar antes de entrar na sala de degustação. A lavagem das mãos começa no tukubai, onde se deve lavar primeiro a mão esquerda, depois a direita. Por fim, a boca. Uma cumbuca ajuda a pegar água da fonte. 

O próximo passo é entrar quase rastejando na sala de chá, um cubículo feito de bambu com janelas cobertas por papel de seda e chão com tatames. No fundo do espaço, os utensílios, e ainda quadros e poemas para apreciação dos visitantes ficam expostos no tokonoma.

Os preparadores de matcha primeiro fazem movimentos com um lenço, como se estivessem limpando o copo. Depois, adicionam pó e água quente, e então entra em ação a tal vassourinha. 

LEIA MAIS: Tóquio, cheia de tradição e charme

Também não é qualquer um que pode preparar matcha. Uma rígida etiqueta pede que as mulheres vistam quimono e prendam os cabelos em coques. Toda as vezes que abrem a porta da sala para um novo grupo, elas se curvam diante dos convidados em cumprimento. Também fazem o movimento de dobrar o corpo a cada vez que entregam um doce ou copo de chá a alguém. 

Fumiko Miyake, de 73 anos, não é a primeira de sua família a seguir a tradição de fazer apresentações de cerimônia de chá, um ritual sagrado no Japão. A arte de preparar uma boa bebida foi aprendida em casa e praticada nos últimos 65 anos. Desde pequena ela estudou movimentos delicados e aprendeu a realizá-los de forma graciosa, para que a cerimônia se complete como um ritual bonito. E pretende manter a tradição viva na família. “Quero passar a arte para os outros. O chá faz bem para a saúde.”

Antes de servir o chá forte e quase amargo, oferece aos convidados um doce de feijão com bastante açúcar – nada que se compare a doces brasileiros como o brigadeiro, mas adoçado acima da média a que está habituado o paladar japonês. 

LEIA MAIS: Hotel-cápsula japonês: uma noite dentro de uma 'gaveta'

Para beber, os convidados devem segurar os copos com as duas mãos, a forma que os japoneses consideram como mais bonita de se tomar chá. Pode fazer barulho com a boca ao sugar as últimas gotas da bebida. É permitido e incentivado como sinal de satisfação. 

Os principais hotéis de Tóquio realizam a cerimônia do chá. No Chinzanso, o ritual é feito em casas de chá no jardim consideradas patrimônio da cidade, tem duração de uma hora e custa desde 8 mil ienes (R$ 197) por pessoa. Só às quartas-feiras, entre 10 e 17 horas, com agendamento: 00-81-3-3943- 1111; concierge@hotel-chinzanso.com. 

Mais conteúdo sobre:
JapãoÁsia

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.