Chalés à moda alemã

Nada define melhor Visconde de Mauá que os chalés espalhados pelos íngremes terrenos verdes das pousadas. Em estilo alemão, com madeira no chão e nas paredes e telhado triangular, são as acomodações clássicas da região. Sim, os habitués costumam ser os casais. Mas há quartos para famílias e grupos.

O Estado de S.Paulo

20 Março 2012 | 03h08

Após uma longa ladeira, o visitante chega à Pousada Tijupá (tijupa.com.br), uma casa vistosa com terraço envidraçado para uma deslumbrante vista do Vale do Pavão. Ali é servido o café da manhã para os hóspedes das nove acomodações - quatro apartamentos (diárias a R$ 250 para casal) e cinco chalés com jacuzzi (R$ 400 o casal). A sauna fica ao lado de um córrego com piscina natural. À noite vale desfrutar dos pratos preparados pelo chef residente Felipe Coimbra, como o confit de pato com batata gratinada (R$ 40).

A maior vantagem da Pousada Olho d'Água (olhodaguamaua.com.br) é a localização, bem no meio do centrinho - ênfase no diminutivo - da vila de Maringá, o que permite que o turista dispense o carro. Chalés (foto) custam a partir de R$ 210, diária para casal.

Por outro lado, muitos preferem ficar longe do já modesto agito e ainda mais perto da natureza. Na Casa Bonita (www.pousadacasabonita.com.br) o convívio com o verde é o destaque. Num dos mais belos trechos do Rio Preto, a pousada tem espreguiçadeiras na margem, ao lado de um belíssimo bosque. Outra razão para não sair de lá é o regime de pensão completa (desde R$ 360 por casal), com refeições preparadas e servidas num charmoso fogão a lenha. Como o café da manhã não tem prazo para ser servido, o hóspede pode acordar a hora que quiser.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.