Chegando a Buenos Aires: Ezeiza x Aeroparque

Ezeiza

O Estado de S.Paulo

04 Maio 2010 | 03h48

É o equivalente portenho de Cumbica: o grande aeroporto internacional, fica a 50 minutos do centro (uma hora nos horários de pico).

Aeroparque

O "Congonhas" portenho está a 25 minutos do centro - e desde março controla os voos da Aerolíneas Argentinas para o Brasil. Em breve o privilégio será estendido a todas as companhias da rota. Ótimo para executivos em viagens bate-volta e para quem pega conexão para o interior: os voos domésticos saem dali.

Câmbio

A única vantagem de quem desembarca em Ezeiza é contar com a comodidade de uma agência do Banco Nación aberta 24 horas por dia, 365 dias do ano. Vale a pena entrar na fila: o Banco Nación sempre tem uma cotação justa tanto para dólares como (sobretudo) para reais.

Chegando pelo Aeroparque você só encontrará um quiosque de casa de câmbio com cotações bastante baixas; só troque o mínimo necessário.

Nos dois aeroportos há caixas automáticos, excelente opção para saque direto em pesos. Habilite essa função no seu cartão de banco antes de viajar.

Táxi

Em Ezeiza a melhor tarifa é a do Taxi Ezeiza, que tem um quiosque depois do portão de saída, já quase na calçada. A corrida a Buenos Aires está saindo 118 pesos (R$ 58); a volta, se comprada na hora, sai 88 pesos (R$ 44). Mas a companhia só aceita pagamento em espécie. Querendo pagar com cartão, vá aos guichês das empresas de remis (carros particulares com motoristas), que cobram desde 140 pesos (70 reais) - mesmo valor da corrida para o Aeroparque.

Os táxis do Aeroparque cobram pelo taxímetro. Uma corrida ao centro custará menos de 30 pesos (R$ 15).

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.