Cinco achados preciosos

Sagrada, cercada por orla, caótica: escolha sua cidade

Adriana Moreira, O Estado de S.Paulo

31 Março 2009 | 02h43

Em área, a Tunísia é menor que o Estado de São Paulo. Mas suas riquezas culturais deixam no visitante a justificável sensação de que o país é bem maior. Conheça algumas delas:

    

KAIROUAN

Kairouan está na lista de cidades sagradas dos muçulmanos, depois de Meca, Medina e Jerusalém. Apesar disso, à primeira vista parece apenas mais uma localidade tunisiana dotada de uma bela medina - uma das melhores, aliás, para fazer compras e boas fotos.

Você vai descobrir da pior forma que ela é realmente especial: às 5 horas, o alto-falante que chama os fiéis para a primeira reza da manhã (o Alcorão ordena aos muçulmanos cinco orações diárias) vai sacudir seu sono. Pode não ser a coisa mais divertida do mundo, mas acredite: graças ao ritual você perceberá que está, de fato, em um lugar sagrado.

A Grande Mesquita Sidi Okba, a principal da cidade, é tão importante que, para os muçulmanos, sete peregrinações a ela equivalem a uma a Meca. Centro de ensinamentos do islã, foi erguida na época da fundação de Kairouan, por volta de 670 d.C., e reconstruída e ampliada ao longo dos anos. Apenas muçulmanos podem entrar no recinto de orações, mas é possível observar as salas do amplo pátio central.

 

Veja também:

linkEntre medinas, ruínas e o deserto, um cinema ao vivo

linkA grande potência do Mediterrâneo

linkNo caminho, traços da Antiguidade

linkUma casa troglodita, com certeza

linkMiragens, não. São oásis de verdade

SOUSSE

Um dos principais balneários da Tunísia, Sousse conta com resorts all inclusive à beira-mar. Moderna e turística, tem até casas noturnas, frequentadas mais por europeus que pelos locais. Para quem não aguenta mais regatear com os vendedores, há muitas lojas de preço fixo. Reserve ao menos um jantar na marina (Port El Kantaoui), repleta de lojas charmosas e ótimos restaurantes.

MONASTIR

Uma bonita orla circunda Monastir, cidade-natal do presidente Habib Bourguiba, o responsável pelo processo de abertura política do país. Adorado até hoje, o presidente está sepultado em um suntuoso mausoléu construído sob seu próprio comando. As famílias levam as crianças para conhecer o legado do presidente, numa demonstração de afeto semelhante à dedicada aos monarcas.

Como boa parte das cidades tunisianas, Monastir também tem seu legado histórico. O Ribat de Harthouma, local onde o grupo Monty Python filmou A Vida de Bryan (1979), é um dos destaques. Da fortaleza, construída no ano 796, tem-se uma bela vista da costa e do centro da cidade.

MAHDIA

Esqueça a atmosfera turística que você viu em outras localidades litorâneas. Mahdia é autêntica e, por isso, apaixonante. É possível visitá-la de trem a partir de Sousse - outra experiência interessante para os mais aventureiros -, mas fique atento aos horários de chegada e de partida das composições.

O que mais intriga em Mahdia é como a especulação imobiliária não a atingiu. A melhor vista da cidade, à beira-mar, é a do cemitério muçulmano, de tumbas brancas, que descem a colina até quase encostar no Mediterrâneo. Pode parecer tétrico, mas acredite: o cenário é incrível. O toque final fica por conta do campinho de futebol, ao fundo, emoldurado pelo resquício de um porto púnico.

SFAX

A segunda maior cidade da Tunísia tem uma das mais preservadas medinas do país, cujas muralhas começaram a ser erguidas no século 9º. Dentro, um emaranhado de ruas e comerciantes, que vendem de peixes, carnes e especiarias a jeans e óculos escuros, cuidadosamente falsificados com a marca Dolce & Gabbana.

Uma espécie de feira livre, por assim dizer. Cuidado com as canelas: vez ou outra, os feirantes passam apressados com seus carrinhos. Eles gritam, avisam que vão passar, mas se você se distrair a trombada é certa.

Mais conteúdo sobre:
ViagemTunísia

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.