Divulgação/Armazém do Thiago
Divulgação/Armazém do Thiago

Cinco bares e restaurantes históricos para visitar no Rio de Janeiro

Estabelecimentos centenários contam parte da história da cidade e traduzem alma carioca

Rodrigo Sampaio, Especial para O Estado de S. Paulo

14 de novembro de 2019 | 18h25

Poucos lugares traduzem a alma do Rio de Janeiro com tanto êxito como os bares. Desde quando a cidade ainda era capital do Brasil, os botequins se firmaram como espaços mais democráticos, abrigando Fla-Flus políticos e cenas dignas de um samba de Noel Rosa.

Com o passar do tempo, porém, alguns bares clássicos foram perdendo clientela e força, fechando as portas em algum momento. Outros, contudo, conseguiram superar adversidades, enfrentaram a concorrência com os bares modernos, e tornaram-se verdadeiros patrimônios culturais da cidade. Selecionamos cinco destes bares centenários, tombados pela prefeitura da capital fluminense e que seguem como pontos de referência do estilo de vida boêmio da Cidade Maravilhosa. 

1. Café Lamas (Flamengo)

Na zona sul, o bairro do Flamengo é o reduto do Café Lamas, um dos estabelecimentos gastronômicos mais famosos do Rio de Janeiro, que completou 145 anos em 2019 e acompanhou de perto as mudanças históricas na cidade.

Notabilizado pelo clima informal, o local ganhou notoriedade pelas visitas ilustres que recebeu ao longo do tempo, como Getúlio Vargas, Carlos Lacerda, Juscelino Kubitschek, Dercy Gonçalves, Chacrinha, João Nogueira e Paulinho da Viola. 

Antes de funcionar no atual endereço, o Lamas funcionava a poucos metros de distância, no Largo do Machado, no bairro do Catete. Naquela época, fechou somente durante a Revolta da Vacina (1904) e após o suicídio de Vargas, em agosto de 1954. O local também serviu de palco para a criação do Clube de Regatas do Flamengo e do Fluminense Football Club.

Em seu amplo salão, a clientela pede clássicos como o filé à Oswaldo Aranha, acompanhado de arroz, batata frita e farofa (R$ 119, para duas pessoas).

Serviço

Rua Marquês de Abrantes, 18, Flamengo; (21) 2556-0799.

Horário de funcionamento: segunda a sexta, das 9h30 às 2h. Sábado e domingo, das 9h30 às 3h. 

2. Nova Capela (Lapa)

Um dos principais berços da boemia carioca, o bairro da Lapa, na região central do Rio, abriga o Nova Capela, inaugurado em 1903 e que em pouco tempo se firmou como ponto de encontro de artistas, políticos, jornalistas e escritores, que tinham como hábito virar a noite do local.

Cercado por boates e casas de show, como o Circo Voador, o estabelecimento ficou famoso por ter sido frequentado assiduamente pelo transformista Madame Satã, icônica figura da cultura marginal carioca que, reza a lenda, teria matado o compositor Geraldo Pereira no antigo endereço do Capela, no Largo da Lapa. 

A flexibilidade no horário de serviço do restaurante, que atualmente funciona até 1h (em outros tempos a casa fechava às 4h), sempre foi um trunfo do Nova Capela, acostumado a receber clientes famintos pelo famoso arroz com polvo, uma boa maneira de iniciar o tratamento contra a ressaca. 

Com muita influência portuguesa, o cardápio tem pratos como bolinho de bacalhau e o tradicional cabrito assado, presente no cardápio há mais de 50 anos e tido como o melhor da cidade. Ele é servido com arroz de brócolis, batata corada e alho frito (R$ 139, para duas pessoas).

Serviço

Avenida mem de Sá, 98, Lapa; (21) 2252-6228.

Horário de funcionamento: segunda a quinta e domingo, das 11h à meia-noite. Sextas e sábados, das 11h às 2h. 

LEIA MAIS - 5 eventos pelo mundo em novembro

3. Armazém São Thiago (Santa Teresa)

Quem passa por Santa Teresa, famosa pelo passeio de bondinho sob os Arcos da Lapa, tem a oportunidade de conhecer o Armazém São Thiago, parada obrigatória de foliões durante o Bloco das Carmelitas, tradicional no bairro.

Popularmente conhecido como Bar do Gomes, a casa ganhou este apelido em meados de 2003, em referência ao neto do dono do estabelecimento, que veio de Portugal para trabalhar no local. Em setembro deste ano, o bar completou 100 anos de existência. 

Com parte da arquitetura original preservada, o Armazém chama atenção pela variedade de vinhos e cervejas, que servem de decoração para o local. O custo-benefício também é um dos chamarizes. A porção de croquete alemão custa R$ 26, enquanto a caipirinha, um dos sucessos do bar, sai por R$ 13. 

Serviço

Rua Áurea, 26, Santa Teresa; (21) 2232-0822.

Horário de funcionamento: segunda a quinta, de 12h à meia-noite. Sextas e sábados, de 12h à 1h. Domingo, de 12h às 22h. 

4. Bar Luiz (Centro)

A Rua da Carioca é onde está o Bar Luiz, um dos botequins mais antigos do centro do Rio. Funcionando desde 1927 no atual endereço, que fica nos arredores do parque Campo de Santana e do Teatro João Caetano, o bar foi inaugurado ainda no final do século 19, com o nome de Zum Schlauch, na Rua da Assembleia, e é facilmente identificado pelo chamativo ‘39’ sobre a entrada.

Tendo o chope como carro-chefe da casa, o bar se diferencia pelo cardápio com pratos alemães, que inclui salsichas, chucrutes e a famosa salada de batatas. 

Com clientela em baixa e dívidas, o bar quase fechou as portas em setembro deste ano. Contudo, uma mobilização de amigos e frequentadores fez os donos mudarem de ideia, mantendo o negócio aberto.

A sugestão da casa é o filé à milanesa com salada e batata (R$ 45, para uma pessoa).

Serviço

Rua da Carioca, 39; (21) 2262-6900.

Horário de funcionamento: segunda a sábado, 11h30 às 18h. 

LEIA MAIS - Réveillon em Salvador tem 5 dias de festa; confira a programação

5. Casa Paladino (Centro)

Coração do centro histórico da capital fluminense, Rua Uruguaiana é, desde 1906, o endereço da Casa Paladina, com pratos de influência portuguesa. O estabelecimento alterna entre botequim, armazém e mercearia, possuindo uma vasta variedade de vinhos e cervejas, expostas em altas estantes de madeira que servem de decoração para o local.

Entre os pratos mais pedidos da casa está o omelete de bacalhau (R$ 26, porção individual). O sanduíche triplo também é campeão de vendas e pode ser generosamente recheado com ovo, presunto e queijo (R$ 12). Além dos petiscos e bebidas, os clientes também podem comprar frios, pães, e azeites.

Serviço 

Rua Uruguaiana, 224; (21) 2263-2094

Horário de funcionamento: segunda a sexta, das 7h às 20h30.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.