Felipe Mortara/Estadão
Felipe Mortara/Estadão

Cinco bate-voltas imperdíveis em Quito, no Equador

De táxi, Uber ou com agências locais vale a pena sair do centro da capital e explorar os arredores

Felipe Mortara, Especial para O Estado

09 de abril de 2019 | 04h30

Embora o centro de Quito seja fascinante, vá alem e use táxi, Uber ou agências locais para fazer bate-voltas, como os cinco sugeridos a seguir:

Linha do Equador

O ponto turístico mais famoso do país não existe. Ou melhor, existe, mas é imaginário. A Linha do Equador exerce fascínio e desperta orgulho na população. Existem alguns marcos oficiais, mas o mais visitado é a Ciudad Mitad del Mundo (US$ 3,50), monumento de 30 metros de altura, com a linha demarcada em amarelo no chão e uma miniatura do centro de Quito. Bem ao lado fica o Museu Intiñan, com experiências científicas interativas sobre a influência das forças magnéticas naquele lugar. Alguns questionam sua autenticidade, mas ninguém vai discordar que é divertido. 

Virgen del Panecillo

virgendelpanecillo.com​

De qualquer canto de Quito que se olhe, lá está ela. A imensa estátua da Virgem Alada tem 41 metros de altura e parece se jogar sobre o vale onde está a capital. Concluída em 1975, é tida como a estátua de alumínio mais alta do mundo, a 3.016 metros de altitude. Paga-se US$ 1 para subir até o terraço na base do pedestal. De lá, uma baita visão da cidade, quase em miniatura. 

Capilla Del Hombre

guayasamin.org

Demora pouco tempo para o turista entender o tamanho da importância de Oswaldo Guayasamín (1919-1999) na arte equatoriana. Suas esculturas e pinturas são de imensa relevância no patrimônio cultural contemporâneo do país. Algumas de suas principais obras estão na Capilla del Hombre, memorial e museu idealizado pelo artista. Uma baita estrutura logo ao lado da casa onde viveu por décadas. Julgue por si próprio as comparações com Pablo Picasso. A entrada custa US$ 8. 

 

TelefériQo 

teleferico.com.ec

Ao longo de 10 minutos você sobe pelos 2,5 quilômetros de cabos pela encosta do Vulcão Pichincha até o topo de Cruz Loma. Ali, a 4.100 metros do nível do mar, fica claro porque a chamada Avenida dos Vulcões recebeu esse nome do explorador Alexander Von Humboldt. Num mesmo panorama capture o Cayambe (5.790 m) e o Cotopaxi (5.897 m), o mais alto – e fotogênico – vulcão do Equador. Uma curta caminhada de 20 minutos leva até um balanço que parece se debruçar no abismo. Tente escolher um dia com previsão de tempo aberto. Ingresso: US$ 8,50.

Mercado de Otavalo 

A 90 quilômetros ao norte de Quito fica um dos mercados mais autênticos do mundo. Ainda que durante a semana a praça central de Otavalo seja ocupada por dezenas de barracas, é aos sábados que a mágica ocorre. Mais de 4 mil bancas se espalham por dez ruas adjacentes à praça e vendem os mais variados itens. Passe o dia vivenciando o espírito andino em meio a frutas, temperos, louças, roupas e artesanatos delicados. É o lugar onde você terá contato com o Equador mais real, com gente da terra mesmo. Ambiente altamente propício às boas compras e aos melhores retratos da viagem. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.