Thiago Lasco/Estadão
Thiago Lasco/Estadão

Cinco experiências para viver na Expoflora, a festa das flores de Holambra

Evento começa hoje (30) e vai até 29 de setembro, com opções para quem quer comprar arranjos, decorar a casa ou curtir as comidas e danças típicas trazidas pelos imigrantes holandeses

Thiago Lasco, O Estado de S.Paulo

30 de agosto de 2019 | 05h00

A Expoflora, que começa hoje em Holambra (a 127 km de São Paulo) é velha conhecida do público admirador das flores. Afinal, ela ocorre todos os anos desde 1981, sempre no mês de setembro, mobilizando toda a região de Campinas e atraindo milhares de pessoas. 

Mas o evento - que vai até 29 de setembro, sempre de sexta a domingo - pode ser um programão até para quem não tem interesse específico no assunto. Afinal, passar um dia de sol percorrendo seus caminhos floridos, com pausas para comer e beber em agradáveis áreas ao ar livre, já justifica uma escapada da capital. Aqui vão algumas experiências que é possível viver na Expoflora.   

1 - Mergulhar de cabeça no universo das flores

Tudo na Expoflora gira em torno das flores. Produtores usam a feira como vitrine para mostrar novas variedades e testar sua aceitação pelo consumidor, antes de lançar no mercado. Por isso, o evento se autointitula “a Fashion Week das flores”. Algumas dessas novidades podem ser compradas pelos visitantes. 

Andar pela feira é como estar em um grande parque temático dedicado ao assunto. O paisagismo do parque é caprichado, com uma profusão de jardins, praças e cantinhos floridos - tudo  acolhedor e instagramável. Além disso, há uma mostra de decoração e paisagismo com 19 ambientes cheios de boas ideias para inspirar o público.

Perto dali, uma escolinha oferece cursos rápidos, de 30 minutos (R$ 30 por aula) sobre temas como cactos e suculentas, minijardins, arranjos para mesas e flores de corte - aulas que podem ser úteis para ajudar a conservar por mais tempo as flores compradas no evento.

Uma opção para ir ainda mais fundo no assunto é fazer um passeio turístico pela cidade de Holambra (pago à parte, R$ 25 por pessoa; saídas a cada 15 minutos). O tour inclui a visita a uma fazenda produtora de flores, em que é possível percorrer estufas e tirar fotos com canteiros de girassóis, crisântemos e tulipas holandesas. 

2 - Aprender mais sobre os costumes e tradições da Holanda

A cidade de Holambra (nome formado a partir das palavras Holanda, América e Brasil) carrega com orgulho as lembranças do tempo em que cerca de 500 imigrantes holandeses se instalaram ali, logo após a Segunda Guerra. Essa influência, presente na arquitetura e na cultura da cidade (que tem até um moinho), aparece de forma marcante na Expoflora

Além dos comes e bebes e dos tamancos que não poderiam faltar, a cultura holandesa está presente em apresentações de danças típicas - sempre às 14h30, na Praça das Tulipas - em que grupos de diferentes idades fazem coreografias de várias regiões da Holanda.

A cereja do bolo, porém, está no Espaço de Exposições. Em uma área de 750 m², 12 cenários  feitos com caprichados arranjos florais retratam aspectos marcantes da cultura holandesa, da culinária à família real, passando pelo apreço ao futebol e pelas onipresentes bicicletas, num mosaico que resume os costumes daquele país. É uma colorida salada de referências que merece ser vista com calma - e rende ótimos cliques.

3 - Comer (e beber) muito bem

Não faltam boas opções gastronômicas na Expoflora: são sete restaurantes e 16 lanchonetes. Grandes mesas de madeira enfileiradas ao ar livre, sob sombrinhas coloridas, remetem a parques da Holanda e da Alemanha e criam um clima perfeito para comer e beber sem pressa, vendo o movimento da feira. 

A maior influência dos quitutes é, obviamente, holandesa, desde os petiscos com salsichas, croquetes e iscas de peixe (que pedem uma cervejinha) até pratos mais elaborados e sobremesas típicas. As receitas criadas para esta edição da feira incluem o “Kipsatê”, um frango ao molho de amendoim, pimenta, leite de coco e shoyu, com arroz e batatas fritas e o “schium gebak”, um merengue de suspiro recheado com creme de baunilha, servido com frutas, geléia e chantilly.

Quem aprendeu em Amsterdã a acompanhar seu café ou chá da tarde com um bom stroopwafel sobre a xícara vai poder ter esse gostinho aqui. A guloseima, formada por dois discos de biscoito que lembram um wafer, é vendida na Expoflora com o recheio clássico (de caramelo) e em variantes criativas, como café ou abacaxi com gengibre. Tem até pavê de stroopwafel (feito com o brasileiríssimo leite condensado, é claro).

4 - Tomar um banho de chuva… de pétalas de rosa

O ponto alto do dia tem lugar e hora marcados para ocorrer: pontualmente às 16h30, em um gramado no centro do parque. Tulipo, o mascote da feira, desponta do alto de uma grua e usa uma espécie de canhão de ar para lançar uma chuva de pétalas de rosas sobre o público. A trilha sonora é escolhida a dedo para criar um clima emotivo, com direito a Amigos para Siempre e Viva la vida

Cada apresentação, que dura três minutos, consome 150 quilos de pétalas de rosas. São 18 mil botões de rosa por dia de evento - despetalados manualmente um a um, dentro de uma câmara fria, onde as flores são conservadas para que não murchem. 

Dá até para fazer uma fezinha: diz a superstição que quem conseguir agarrar uma pétala ainda no ar (não pode recolher do chão!) tem todos os seus desejos realizados.

5 - Fazer boas compras

Além de passar um dia divertido, dá para levar bons presentes para casa. O carro-chefe, é claro, são as flores e plantas. Logo na entrada do evento, o Shopping das Flores, um galpão de mais de 3 mil m², tem quase 400 espécies à venda, entre flores e plantas ornamentais. Tudo com explicações claras sobre cuidados, necessidade de luz e regas.

Mas não é só. Estandes em uma área exclusiva e lojinhas salpicadas por todo o parque vendem tamancos de inspiração holandesa, canecas, artigos de decoração, artesanato, utensílios domésticos e presentes em geral. 

Dica: como lidar com a muvuca

A Expoflora causa uma pequena revolução em Holambra. O lugar pacato de apenas 15 mil habitantes recebe uma população de visitantes que deve passar de 300 mil pessoas nesta edição, segundo os organizadores. No horário de pico, entre 11h e 14h, os acessos à feira costumam ficar congestionados e é preciso encarar filas nos espaços de alimentação. 

Uma sugestão de alguns frequentadores veteranos para driblar as multidões é chegar ao parque por volta das 14h. Na chegada ao parque, eles fazem uma boquinha com alguns petiscos, visitam as atrações da feira e deixam para fazer uma refeição mais substancial no fim da tarde, quando os restaurantes já estão mais vazios. O movimento no parque diminui sensivelmente após a chuva de pétalas, quando muitos visitantes vão embora (todos ao mesmo tempo, o que produz novo congestionamento). 

Serviço - 38ª Expoflora

Quando: de 30 de agosto a 29 de setembro de 2019, de sexta a domingo.

Horário: das 9h às 19h.

Endereço: Rua Girassóis, 2, Holambra (SP) - acesso a partir de São Paulo pelas rodovias Anhanguera e SP-340.

Ingressos: R$ 52, à venda na bilheteria ou no site Ingresso Rápido

Estacionamento: R$ 43, pagamento apenas em dinheiro.

Informações: (19) 3802-1421 ou pelo e-mail expoflora@expoflora.com.br

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.