Cinco lugares para descobrir em Lisboa

Portugal emerge da crise de 2008 mais interessante do que entrou: os tempos difíceis aguçaram o talento português para encontrar sofisticação no despojamento. Veja cinco lugares que não podem ficar de fora de sua próxima passagem por Lisboa.

Ricardo Freire, O Estado de S.Paulo

31 Março 2015 | 02h07

Pensão Amor. Já há alguns anos, a melhor noite de Lisboa desceu do Bairro Alto (onde os bares não podem mais funcionar depois das duas da manhã) para a região do Cais do Sodré, antiga zona do meretrício. O movimento foi capitaneado pela Pensão Amor, que serve como o mais didático exemplo da transformação da área: um antigo prostíbulo virou um condomínio de lojas e ateliês instalados nos andares superiores, com um bar-café-cabaré no térreo (Rua do Alecrim, 19, tel. 213-143-399). O fervo se espalha pela transversal, a Rua Nova do Carvalho, que teve o asfalto pintado de pink e virou a Rua Cor de Rosa, pontilhada de bares e restaurantes.

Mercado da Ribeira. Em meados do ano passado, o tradicional mercado (que também fica na região do Cais do Sodré) foi transformado numa praça de alimentação moderninha, com curadoria da sucursal lisboeta da revista Time Out. Dos 30 espaços, muitos são ocupados por chefs que são celebridades locais, como Alexandre Silva (da Bica do Sapato) e Henrique Sá Pessoa (do Alma). Na Avenida 24 de Julho, 50; aberto até a meia-noite.

LX Factory. Uma antiga vila fabril em Alcântara, no caminho de Belém, foi convertida num polo de criatividade e diversão: lojinhas, cafés, restaurantes, galerias, escritórios e até uma balada dão vida a uma área anteriormente abandonada. A estrela é a livraria Ler Devagar, que funciona no lugar de uma antiga gráfica (e manteve a prensa). Almoce ou jante na 1300 Taberna (tel. 213-649-170). Na Rua Rodrigues Faria, 103; lxfactory.com.

Embaixada. Entre o Bairro Alto, a avenida da Liberdade e o Campo de Ourique, o bairro do Príncipe Real sempre foi elegante e discreto. Mas agora, para além dos antiquários, desponta um comércio cheio de bossa. A Embaixada transformou o Palácio Ribeiro da Cunha numa galeria de lojas personalíssimas. Design, móveis, presentes, moda - e um lindo restaurante funcionando no pátio. Na Praça do Príncipe Real, 26; tel. 965-309-154.

The Decadente. No térreo de um hostel-butique na fronteira do Bairro Alto com o Príncipe Real, o The Decadente rejuvenesce pratos e petiscos de tasca (o botequim português). No bar, peça uma ginjinha royale - espumante com o tradicional licor lisboeta. Na Rua São Pedro de Alcântara, 81, tel. 213-461-381.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.