Ricardo Freire|Estadão
Ricardo Freire|Estadão

Cinco programas obrigatórios em Manaus

Escreva para viagem.estado@estadao.com

Ricardo Freire, O Estado de S. Paulo

12 Abril 2016 | 03h00

Vai a Manaus e quer fazer os melhores passeios? Alugue um carro. As atrações ficam distantes umas das outras, e o táxi é caro – sobretudo para quem se hospeda no Hotel Tropical, onde os táxis não funcionam pelo taxímetro, mas usam a mesma tabela do aeroporto (até o Centro, são R$ 75). Aliás, vale mais ficar no Centro – por enquanto, em hotéis básicos como o Go Inn e o Casa Teatro. Ainda este ano deve ser inaugurado o Villa Amazônia, do grupo do Anavilhanas Lodge, a meia quadra do Teatro Amazonas.

Encontro das Águas. O passeio mais rápido e em conta sai a qualquer momento do Porto da Ceasa, a 12 km do Centro (e 25 km do Tropical). Um barco fretado na hora na coooperativa dos barqueiros Solinegro custa R$ 80 para o tour de meia hora até o ponto em que o Negro corre paralelo ao Solimões. Querendo estender o programa até o igarapé do Parque Janauary (onde, na temporada, há vitórias-régias), paga-se R$ 200 no passeio de duas horas. Preços para grupos de até 4 pessoas.

Seringal Vila Paraíso. Este museu de deslumbrante cenografia recria a sede de uma fazenda de extração de borracha do século 19, quando Manaus era a Paris dos trópicos e mandava lavar a roupa na Europa, de navio. Para chegar, pegue um barco de linha na Marina do David, 5 minutos adiante do Hotel Tropical (R$ 10). Na época da vazante, entre julho e fevereiro, vale a pena pedir para descer na volta na Praia da Lua, uma das praias fluviais do Negro. De terça a domingo, das 9 às 18 horas; R$ 10.

Abaré SUP. A Praia Dourada, a 10 km do hotel Tropical e 20 km do Centro, é um ponto do igarapé Tarumã-Açu ocupado por “flutuantes”, bares que funcionam como clubes de praia. O mais descolado é o Abaré SUP & Food (de quinta a domingo). Paga-se R$ 10 pelo traslado de lancha; consumo à parte. Fervidíssimo nas tardes de sábado e domingo.

MUSA. A 22 km do Centro e 28 km do Hotel Tropical, o Museu da Amazônia ocupa um naco preservado da floresta no limite da cidade. Sua maior atração é a torre de observação, acima da copa das árvores (R$ 20). Dá para conjugar o passeio com uma caminhada guiada pela mata (mais R$ 10). Observadores de pássaros devem agendar visitas para o amanhecer ou o entardecer (agendamento@museudamazonia.org.br; R$ 50). Abre de terça a domingo, das 9 às 17 horas.

Teatro Amazonas. As visitas guiadas ocorrem diariamente, das 9 às 17 horas, mas não existe melhor visita do que assistir a um espetáculo. É muito fácil conseguir ingresso – a programação é intensa, com apresentações praticamente todas as noites, e está afixada nos elevadores dos principais hotéis.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.