Stringer/ Reuters
Natureza. Navegação no Parque Torres del Paine Stringer/ Reuters

Cinco programas para curtir o verão na Patagônia

No extremo sul do país, temperaturas entre 4 e 14 graus marcam a estação mais quente do ano – época perfeita para explorar as trilhas e parques nacionais, como o cobiçado Torres del Paine

Jéssica Otoboni, O Estado de S. Paulo

06 de março de 2018 | 05h00

De Puerto Natales

O vento forte e gelado me recebeu de forma arrebatadora em Punta Arenas. Localizada no extremo sul do Chile, a capital da região de Magalhães me apresentou um verão com temperaturas máximas de 15 graus (as mínimas ficam próximas a zero). Meu destino, no entanto, estava a quase três horas dali: Puerto Natales, porta de entrada para o cobiçado Parque Nacional Torres del Paine.

O sol não parecia ter muita vontade de dar as caras, disputando espaço entre as nuvens cinzas e pesadas e a garoa fina que insistia em cair. Mas, já na estrada em direção a Puerto Natales – conhecida como Rota do Fim do Mundo –, a paisagem já dava uma amostra do que nos seria apresentado nos próximos dias: montanhas cobertas de neve e extensos rios cercados por geleiras e imensos icebergs, além de pampas cobertos de rebanhos de ovelhas. 

Apesar do vento gelado e das temperaturas sempre próximas aos 10 graus, observar o dia claro (mesmo quando o relógio marcava 21h30) era bem agradável. Nesta época do ano, o dia chega a ter até 17 horas de luz solar. No inverno, contudo, a lógica se inverte: o sol nasce por volta das 9 da manhã, e às 16h30 já é noite. 

Leia mais: Santiago de metrô

Sossego. Puerto Natales é uma cidadezinha tranquila, sem trânsito nem semáforos, com muitas casinhas de madeira. São apenas 19 mil habitantes e poucas atrações turísticas, mas simpatia é o que não falta – é comum ser cumprimentado pelos moradores ao caminhar pelas ruas pacatas.

Uma tarde é suficiente para conhecer a cidade. Na orla, o monumento La Mano é bem parecido à versão da uruguaia Punta del Este, mas em tamanho menor. Ali pertinho, o Muelle Historico tem apenas os resquícios de uma antiga doca, mas oferece uma boa vista para o mar. Para as inevitáveis comprinhas, o Mercado de Artesanato Ether Aike é simpático por fora e por dentro, com pequenos chalezinhos que vendem artigos de vestuário, bijuterias e decoração feitos de madeira, couro ou lã. Se você esqueceu suas luvas em casa, eis uma boa oportunidade de comprar um par extra.

A cidade é segura e você pode caminhar com tranquilidade, mas não perca a hora: o comércio funciona das 10h às 13h e das 15h às 20h. E isso inclui restaurantes: melhor almoçar ao meio-dia para não correr risco de não achar um restaurante aberto.

Saiba mais

Como ir: apesar de Puerto Natales ter um pequeno aeroporto, normalmente os voos de São Paulo para a região chegam a Punta Arenas, que tem mais opções de rotas. Até Puerto Natales são cerca de 3 horas de viagem. Para viajantes independentes, a Bus Sur (bussur.com) tem ônibus entre Punta Arenas e Puerto Natales (cerca de R$ 40) e para outros destinos patagônicos (como Ushuaia e El Calafate), caso você queira estender a viagem. A mesma empresa também leva de Puerto Natales ao Parque Torres del Paine (cerca de R$ 40). 

Moeda: 1.000 pesos chilenos equivalem a R$ 5,45.

Leia mais: Todas as dicas do Viagem para o Chile

O essencial

Na mala. Gorro, luva e cachecol são itens fundamentais. Se for fazer trilhas, leve uma bota de caminhada impermeável (e já amaciada). Bastões para caminhada ajudam, especialmente nas trilhas longas. Mochila pequena, óculos escuros e protetor solar serão seus companheiros diários. Vista-se em camadas e não esqueça um bom casaco por cima de tudo. 

Dinheiro. Dentro do parque, leve pesos chilenos. Na cidade, pode usar seu cartão de crédito. 

Internet. O acesso à internet nos parques é restrito. No Torres del Paine, há Wi-Fi em alguns refúgios, mas não conte com ele em todos os dias. Aproveite para curtir a paisagem – e acesse as redes do seu hotel. 

VIAGEM A CONVITE DO SERVIÇO NACIONAL DE TURISMO DO CHILE.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

1. Parque Torres del Paine

Criado em 1959 e declarado Reserva da Biosfera pela Unesco, o parque é quase um sinônimo de Patagônia chilena

Jéssica Otoboni, O Estado de S. Paulo

06 de março de 2018 | 04h50

A neblina da manhã adiou o esperado encontro com as famosas Torres del Paine. Mas não saí de lá sem esse “troféu”: durante a tarde, com o horizonte mais limpo, foi possível ver os três picos de granito de até 2.850 metros de altura. 

O Parque Torres del Paine é quase um sinônimo de Patagônia chilena. Criado em 1959 e declarado Reserva da Biosfera pela Unesco em 1978, tem cerca de 230 mil hectares e vem experimentando um aumento contínuo no número de visitantes – atualmente, são cerca de 150 mil pessoas por ano. 

Tanto que a administração do parque vem atuando para organizar a visitação turística. Desde outubro de 2016, exige-se reserva antecipada para pernoitar nos seus dez acampamentos e refúgios – dois deles, Paso e Italiano, são administrados pela Corporação Nacional Florestal (Conaf) e gratuitos. Outros oito são administrados por duas concessionárias e cobram. Reserve em bit.ly/reservecamping.

Dois circuitos de trilhas são os principais: o W, mais curto, com cerca de 70 km de extensão (leva em média 5 dias), e o O, com cerca de 120 km de trilhas (8 a 10 dias). 

E há várias outras opções de passeios. Rios e lagos que se formam a partir do degelo dos cumes do maciço rochoso mudam de cor de acordo com a luminosidade e o ponto do parque onde se está. De encher os olhos. Visitas aos lagos Pehoe e Nordenskjöld e ao lago e glaciar Grey não dependem necessariamente de trilhas longas: de Puerto Natales partem ônibus de linha até o centro de visitantes, e também é possível alugar carro. 

A administração pede que você se registre na chegada e informe seus planos de visita, por segurança. Outras regras incluem não fazer fogueira, levar o lixo embora e preservar flora e fauna. Uma placa me chamou a atenção: a que ensina a se portar em caso de encontro com um puma – há vários. Não se deve correr, nem encarar o animal. Feliz ou infelizmente, não encontrei nenhum. Mas os guanacos, um tipo de lhama, estes estavam por toda a parte. A entrada no parque custa de 11 a 21 mil pesos (R$ 60 a R$ 115). Site: parquetorresdelpaine.cl.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

2. Navegação entre icebergs

A paisagem de formações de gelo, as montanhas cobertas por neve e lagos de águas esverdeadas e azuladas torna impossível não ficar boquiaberto diante da grandiosidade da natureza local

Jéssica Otoboni, O Estado de S. Paulo

06 de março de 2018 | 04h45

A navegação pelo Lago Grey, que fica dentro do Parque Torres del Paine, é imperdível. Conforme a embarcação se deslocava, passei um longo tempo contemplando os icebergs que se desprendem das geleiras. Em um certo momento, passamos tão perto de um deles que parecia que iríamos tocá-lo.

A paisagem de formações de gelo, montanhas cobertas por neve eterna (nem tudo derrete no verão) e lagos de águas esverdeadas e azuladas torna impossível não ficar boquiaberto diante da grandiosidade da natureza local. 

A navegação é feita em um catamarã que abriga os visitantes em um ambiente aquecido e onde se serve de cortesia uma dose da bebida típica do país, o pisco sour, com gelo glacial recolhido das próprias geleiras. 

Leia mais: Bebidas com sotaque —os drinques típicos do mundo afora

Para admirar melhor a paisagem, subi até o segundo andar da embarcação, onde há um deque ao ar livre. Ver aquele cenário deslumbrante, formado pelas Cordilheiras dos Andes e do Paine, sem a barreira dos vidros das janelas, é uma experiência bem mais intensa e imersiva. A única preocupação é se proteger do vento cortante acentuado pela velocidade do barco.

A navegação custa entre 65 mil e 75 mil pesos (R$ 355 a R$ 410) e dura cerca de três horas. O ponto de partida é o Hotel Lago Grey, onde fiquei hospedada. O hotel tem 60 quartos e seu principal diferencial são as janelas com vista para o próprio Maciço do Paine

O restaurante é outro ponto alto. Delicioso, tanto pelos pratos que serve, baseados em ingredientes locais como pescados, quanto pela vista do lago que se tem de suas janelas. Para os passeios, a própria recepção faz as reservas. Diárias partem de 110 mil pesos (R$ 600) – também há pacotes all inclusive, com passeios incluídos, a preços que começam em 935 mil pesos (R$ 5.100) por pessoa, duas noites, em quarto duplo. Reserve: lagogrey.com.

Pernoites. O Explora Patagônia é outro hotel com a proposta de imersão total dentro dos limites do parque. Fica na margem do Lago Pehoe e seus pacotes, com duração de três noites, refeições e passeios, começam em US$ 4.900 para duas pessoas dividindo um quarto. Site: explora.com

Ficando nos hotéis dentro do parque você evita deslocamentos e aproveita as paisagens durante todos os períodos do dia – as noites são lindas. Se prefere uma hospedagem um pouco mais urbana, perto das opções de restaurantes de Puerto Natales, o Hotel Costaustralis está a cerca de duas horas do parque. Os 112 quartos são confortáveis – parte deles têm vista para o Fiorde da Última Esperança. Diárias começam em 130 mil pesos (R$ 711).

Para quem se hospeda na cidade, agências vendem tours de um dia inteiro ao Parque Torres del Paine, com cerca de nove horas de duração, por 40 mil pesos (R$ 220).

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

3. Pelo Rio Serrano até o Parque Nacional Bernardo O’Higgins

Passeio tem trila tranquila e almoço patagônico de cordeio com batatas

Jéssica Otobani, O Estado de S. Paulo

06 de março de 2018 | 04h40

O segundo passeio de barco do meu roteiro pela Patagônia chilena me levou ao Rio Serrano, que recebe a carga de diversos lagos e rios da região e deságua no Oceano Pacífico. Dali pude admirar o Campo de Gelo Sul, a terceira maior extensão de gelo continental do mundo. 

Depois de uns 45 minutos a bordo de um bote inflável em alta velocidade, exposta a um vento forte e gelado que dificulta a observação da paisagem e congela até o último fio de cabelo (prepare-se!), desembarquei na entrada do Parque Nacional Bernardo O’Higgins.

Fundado em 1969, o parque abriga mais de 60 espécies de pássaros. Há uma trilha tranquila – mas que ainda exige atenção em razão da presença de pedras e poças d’água – de cerca de 1 quilômetro. Ela leva aos pés do Glaciar Serrano, onde uma geleira “escorre” entre duas montanhas até chegar ao lago de mesmo nome, formando uma paisagem magnífica.

A bordo de um catamarã, seguimos de volta, mas não sem antes parar na Estância Puerto Consuelo (puertoconsuelo.com) para um almoço patagônico. À mesa, um dos pratos principais da gastronomia chilena: um delicioso cordeiro com batatas, servido após uma salada de folhas e uma sopa tradicional feita com verduras, carne de vaca e arroz, a carbonada. 

A refeição, claro, foi acompanhada por um saboroso vinho tinto chileno. Para os que não quiserem provar o cordeiro, também é servido frango assado. O passeio completo, incluindo a refeição, sai por 89.500 pesos chilenos (R$ 490).

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

4. Caverna do Milodonte

Não se pode conhecer a cidade do milodonte, uma espécie de preguiça gigante, e não ir à sua gruta

Jéssica Otoboni, O Estado de S. Paulo

06 de março de 2018 | 04h35

Na entrada de Puerto Natales, uma estátua da figura símbolo do local dá as boas-vindas aos visitantes: o milodonte, uma espécie de preguiça gigante que habitou a região há cerca de 10 mil anos.  

Não se pode conhecer a cidade do milodonte e não ir à sua gruta. Restos dessa criatura, como ossos e pelos, foram encontrados na caverna que, em 1968, foi declarada Patrimônio Histórico pelo Ministério da Educação do Chile. Escavadores ainda trabalham no local em busca de mais informações sobre a história da Patagônia. É um passeio que agrada a todas as idades, incluindo as crianças, que ficam boquiabertas diante da estátua do milodonte na gruta – vi acontecer com um grupo de pequenos estudantes que visitavam o local. 

O parque é composto por três cavernas e uma formação rochosa gigante apelidada de “cadeira do Diabo”. A visita à área custa 5 mil pesos (R$ 28) – e também costuma estar incluída nos tours de dia inteiro ao parque Torres del Paine.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

5. Sabores patagônicos

Em uma cidade cercada por ´água, é claro que os pescados e frutos do mar são destaque, mas churrasco de cordeiro também é uma boa pedida

Jéssica Otoboni, O Estado de S. Paulo

06 de março de 2018 | 04h30

Em uma cidade cercada por tanta água, é claro que os pescados e frutos do mar estão entre os principais ingredientes da gastronomia. Além do salmão, prepare-se para ver nomes como congrio e mexilhões em vários cardápios – e ainda o cordeiro e as batatas que acompanham quase tudo. 

No restaurante do Hotel Lago Grey há menus com preço fixo compostos por entrada, salada ou sopa, prato principal e sobremesa, a 28.300 pesos (R$ 154). Inclui ainda pisco, água ou refrigerante, e café ou chá no fim da refeição. O congrio com ervilhas e polenta ao estragão é excelente. 

No centro de Puerto Natales, o Espacio Ñandu (facebook.com/espacionandu) fica em uma das esquinas da Praça de Armas, a principal da cidade. A especialidade da casa é o salmão, servido com batatas “duquesa” feitas à moda chilena. O local vende também souvenirs e o ambiente todo é embalado por trilha sonora de música britânica e americana, como Michael Jackson, Beatles e Madonna

Uma das casas mais recomendadas para provar comida tipicamente patagônica é Los Ganaderos (losganaderos.cl) A especialidade é o churrasco chileno, e a estrela, o chamado cordeiro magalhânico (17.900 pesos chilenos ou R$ 97). A seleção de peixes também é muito saborosa, com destaque para o salmão na manteiga (9.900 pesos, R$ 54).

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Outras Patagônias

Mais passeios na Argentina e Chile para apreciar ainda mais a região

O Estado de S.Paulo

06 de março de 2018 | 04h25

Puerto Chacabuco, Chile 

As belas Capillas de Mármol são um monumento natural deslumbrante no norte da Patagônia chilena. A navegação até a geleira San Rafael é linda e também inclui o brinde com bebida finalizada com pedras de gelo de glaciar. Para ver tudo isso, a base é Puerto Chacabuco. Chega-se lá pelo aeroporto de Balmaceda; desde o Brasil, o voo tem conexão em Santiago. Leia mais: bit.ly/nortepchile

Ushuaia, Argentina

É possível ir de Puerto Natales a Punta Arenas, e daí a Ushuaia, em ônibus da Bus Sur (bussur.com). Punta Arenas também é ligada a Ushuaia por pequenos aviões da DAP (dapairline.com); e navios Australis (4 noites; bit.ly/australi), que incluem Avenida dos Glaciares, Cabo Horn e Baía Wulaia. Em Ushuaia, visite o Parque Nacional Tierra del Fuego e navegue pelo Canal de Beagle. 

El Calafate, Argentina

É a cidade-base para visitar o majestoso glaciar Perito Moreno. Está a cerca de 7 horas de ônibus de Puerto Natales, também com a Bus Sur (bussur.com), e há voos desde Buenos Aires (e também de e para Ushuaia). Visite também a geleira Upsala e faça o bate-volta a El Chaltén com a Caltur (caltur.plataforma10.com.ar); são 215 km de distância e a cidade é perfeita para quem gosta de trekking.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.