Mark Blinch/Reuters
Mark Blinch/Reuters

Clássicos: os reis do city tour

Da onipresente CN Tower ao burburinho do Distillery District

Karla Spotorno, O Estado de S.Paulo

30 de julho de 2019 | 04h50

CN Tower

A CN Tower é daqueles pontos turísticos que fazem o viajante analisar se vale o tempo e ingresso. Pois vale sim. A torre foi construída com o objetivo de mostrar a grandeza da indústria do país no início dos anos 1970, e se transformou em um marco da cidade. 

São ao todo 553 metros de altura, mas os dois andares destinados ao observatório ficam a pouco mais de 340 metros do chão. O LookOut é um andar todo envidraçado, de onde se tem uma visão panorâmica da cidade. Como me disse uma amiga, é do alto que dá para ver que tem uma cidade no meio de uma floresta verde. Descendo as escadas, o observatório é aberto, protegido por uma grade, mas não do vento (não menospreze esse detalhe). 

Almoçar no restaurante acima do LookOut, que gira 360 graus em 72 minutos, é uma opção a se considerar. O ingresso que inclui visita à torre e almoço com entrada e prato principal custa 60 dólares canadenses (R$ 166,50) – o ingresso básico custa 38 dólares canadenses (R$ 105,50). 

Eu já senti vertigem no elevador (que sobe a 22 km/h), mas se não for seu caso dá para encarar o EdgeWalk. Os corajosos pagam 135 dólares canadenses (R$ 375) para caminhar na beiradinha do teto do restaurante – mas com equipamento de segurança, roupa especial e na companhia de monitores. O máximo de risco que encarei na CN Tower foi deitar para fazer uma foto sobre o chão de vidro no observatório. Segundo o cartaz colocado ali, o piso suporta o peso de três orcas e meia. Ufa. 

Ônibus hop on-hop off

Um clássico das grandes cidades que vale para quem tem pouco tempo e não quer ficar consultando mapas para conhecer os pontos principais. O trajeto passa por lugares como Distillery District e Casa Loma, e permite que o turista suba e desça quantas vezes quiser ao longo de 48 horas. 

O percurso leva aproximadamente 2h, então aproveite o passeio para ter uma boa noção da área central da cidade, incluindo a região de teatros (onde é possível ver musicais à la Broadway como O Rei Leão). Um guia acompanha o grupo contando curiosidades – o tour custa 38,05 dólares canadenses (R$ 105,60) para adulto. Com esse ingresso, o turista também pode fazer um passeio de barco.

Distillery District

 

No início do século 19, funcionava ali uma destilaria de uísque, que chegou a ser a maior do mundo e maior pagadora de impostos do Canadá. Quando a fábrica de bebidas deixou de funcionar há algumas décadas, um grupo de empresários decidiu transformar o lugar de arquitetura vitoriana em um centro de artes, cultura e gastronomia. São cerca de 100 estabelecimentos, entre oficinas de artes, fábrica de chocolate, de cerveja, lojas de cosméticos, roupas, padaria, restaurantes. É o tipo de lugar que agrada a todas as idades. 

Uma visita à Soma Chocolate e seus bombons, sorvetes e chocolate quente é imprescindível depois de um almoço na cervejaria quase em frente, a Mill Street Brewpub. Se curte cervejas diferentonas, experimente a Hopped & Confused: é bem refrescante. Aos feriados e fins de semana, eles servem brunch e oferecem tours “cervejísticos”, que duram cerca de 40 minutos – com quatro degustações, custam 10 dólares canadenses (R$ 27,75).

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.