Comida, diversão e arte nas feiras de Natal

VIENA - Cerca de 2,5 milhões de lâmpadas dão as boas-vindas a quem chega a Viena em dezembro, iluminando as ruas e aquecendo a alma. Em frente à sede da prefeitura, o principal mercado de Natal da cidade conta com 150 barracas que traduzem um pouco das tradições locais.

O Estado de S.Paulo

23 Dezembro 2014 | 02h05

Peças de madeira, velas, enfeites, artigos religiosos, presépios. Bonecos quebra-nozes estão por toda a parte e podem ser encontrados em diversos tamanhos - os maiores, de até 30 centímetros de altura, chegam a custar 100. Mas há pechinchas também: versões pequeninas de Papai Noel saem por 2 e enfeites talhados de madeira custam, em média, 10.

Entre uma barraca e outra, aromas diferentes são uma agradável surpresa. Comidas e bebidas típicas do período natalino contribuem para fazer do passeio pelos mercados uma verdadeira rota gastronômica.

Por causa do frio, as barracas de bebidas quentes são as mais concorridas - e cheirosas. O punsch, tipo de vinho quente que pode ser feito com frutas vermelhas e laranja, em versões com ou sem álcool, é servido em canecas de cerâmica que você pode levar como lembrança (custam de 2 a 3). O valor costuma ser cobrado na compra da bebida - se não quiser a caneca, basta levá-la de volta à barraca e o dinheiro será devolvido.

As tendas de comida podem ser tão atraentes para os olhos quanto as de artesanato. Bolos de chocolate e pães de mel são cuidadosamente organizados. As barracas com embutidos têm uma variedade incrível de salsichas e salames, e as de mel prendem pelo aroma e pela criatividade: a iguaria é usada também para fazer velas e réplicas de árvores de Natal.

Outras paradas. Nesta época, dá para aliar a visita aos mercados aos principais pontos turísticos da cidade - caso do Palácio de Schönbrunn (schoenbrunn.at). A antiga residência de verão dos Habsburgos, a família imperial austríaca, é um imponente prédio de arquitetura barroca, com 1.441 quartos e um jardim de 120 hectares. O mercado de Natal fica bem em frente ao palácio, facilmente acessível de metrô. Além das 80 barracas, há apresentações musicais.

Atmosfera parecida tem o instalado em frente ao Belvedere (belvedere.at), museu que abriga coleções de arte da Idade Média aos dias atuais, incluindo o famoso quadro O Beijo, de Gustav Klimt. Entre os destaques estão pratos típicos, como o schinkenfleckerln (massa com presunto) - há ainda carrossel e um trenzinho para as crianças.

Moderninhos. Para quem não é muito ligado à tradição natalina, há versões mais, digamos, contemporâneas dos mercados. Um deles fica em uma das principais áreas culturais de Viena, o MuseumsQuartier (mqw.at)- o quarteirão dos museus. O espaço reúne alguns dos principais museus da capital, além de cafés e lojas. A área aberta é ponto de encontro do público jovem no verão - no inverno, ali são montadas as tendas. Há projeções nas paredes dos museus e algumas barracas têm música. Nada de Jingle Bells: a pedida é algo mais com cara de pré-balada.

Já que está no local, aproveite para esticar até o mercado de Spittelberg (spittelberg.at), no bairro de mesmo nome, conhecido por reunir ateliês e galerias de arte. As barracas, cerca de 100, se espalham por três de suas charmosas ruas - a maior parte, com artesanato sofisticado e autoral, além de telas e artigos de decoração.

Mais conteúdo sobre:
Viena mercados de Natal

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.