Bruna Toni/Estadão
Bruna Toni/Estadão

Conheça os principais pontos turísticos da Praça Vermelha

Além do Kremlin e da Catedral de São Basílio, Museu Histórico do Estado, Mausoléu do Lenin e Jardim de Alexandre são boas atrações

Bruna Toni, O Estado de S. Paulo

08 Maio 2018 | 00h20

Kremlin

A fortaleza moscovita foi construída pela primeira vez em 1390, mas ganhou a forma que tem hoje, com milhares de tijolos vermelhos e 20 torres, a partir de 1485. São 28 hectares de uma cidadela protegida às margens do Rio Moscou, por onde se espalham quatro catedrais e cinco palácios, incluindo o do governo russo.

O ingresso mais barato (250 rublos; R$ 14) permite apenas a entrada no pátio interno para apreciar a arquitetura e ver peças como o Canhão do Czar (do século 16) e o Sino do Czar (o maior do mundo). Gastando um pouco mais, veja as catedrais e o campanário de Ivan III (500 rublos; R$ 28).

A igreja da Dormição de Maria é principal templo do Estado russo, onde foram coroados czares como Ivan, o Terrível. Repare nas obras de arte como a imagem de São Jorge (protetor dos czares russos) do século 11.

Percorrer as catedrais e a área externa do Kremlin leva de 2 a 3 horas para ler tudo e seguir o mapa (em inglês ou espanhol). Reserve ao menos meio dia.

Ainda é possível comprar um terceiro ingresso para entrar no Palácio do Arsenal do Kremlin e arregalar os olhos diante da exposição permanente Fundo dos Diamantes, onde estão expostas joias confiscadas das famílias imperiais russas na Revolução (700 rublos; R$ 39, com hora marcada). Site: kreml.ru/en.

Mausoléu de Lenin 

Uma discreta construção de mármore e granito, vermelha e preta, guarda há 94 anos o corpo embalsamado do principal líder da Revolução de Outubro, Vladimir Ilyich Ulyanov, a quem a história eternizou como Lenin. Apesar de tentativas recentes de grupos políticos de retirá-lo dali, ele segue no sarcófago para quem quiser vê-lo. A entrada é gratuita e há fila, mas nada demorado, até porque a passagem pela pirâmide onde está exposto o corpo não permite paradas (nem para fotos). Site: lenin.ru/index_e.htm.

Ao lado fica a Necrópole do Kremlin, onde estão enterrados líderes políticos e personalidades como Yuri Gagarin, Joseph Stalin, Máximo Gorki e a alemã Clara Zetkin, uma das criadoras do Dia Internacional da Mulher. 

Jardim de Alexandre

Perto da Praça Vermelha, o Jardim de Alexandre é um amplo espaço verde onde fica o Túmulo do Soldado Desconhecido – homenagem aos que lutaram na 2ª Guerra Mundial, chamada no país de Guerra Patriótica. Estima-se que 24 milhões de russos morreram no conflito. Aberto 24 horas, seu nome é uma homenagem a Alexandre I, imperador da Rússia de 1801 a 1825. A cada hora, na entrada do parque, é possível assistir à troca da Guarda de Honra do Regimento do Kremlin no Túmulo do Soldado Desconhecido.

Catedral de São Basílio

Em menos de três minutos de caminhada a partir da Praça do Manege surge um pináculo. Que logo se transforma numa torre com a cúpula em formato de cebola. Num piscar de olhos, aparecem as outras oito torres que dão à Catedral de São Basílio seu contorno singular. 

A obra é de Postinik Yakovlev, que a construiu no século 16, a mando de Ivan, o Terrível. O arquiteto queria que a igreja lembrasse a guerra contra os tártaros e fosse, ao mesmo tempo, a representação de Nova Jerusalém. A construção ocorreu de 1555 a 1561 e, conta a lenda, Ivan ficou tão encantado com o resultado que teria mandado cegar o arquiteto para que nunca mais fizesse obra de semelhante beleza. 

Cada uma das nove cúpulas é uma capela, e cada capela possui um conjunto de detalhes tão ricos que será difícil captá-los por completo em uma única visita. Há audioguias e descrições em inglês em todas elas.  A entrada custa 500 rublos (R$ 28) e, com áudio, 1.000 rublos (R$ 56). Site: saintbasil.ru.

Leia mais: Confira todas as dicas do Viagem para visitar a Rússia, país-sede da Copa do Mundo 2018

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.