Contra o frio de Nova York, chocolate

Elegemos os cinco melhores 'hot drinks' da Big Apple para aquecer quem enfrenta as nevascas da metrópole

Natália Zonta, O Estado de S.Paulo

10 Março 2009 | 01h49

Na última semana, a neve cobriu cada centímetro da Big Apple. A pior nevasca do ano atingiu Manhattan deixando todos os cartões-postais branquinhos. Está de viagem marcada para a cidade? Então não se preocupe com a temperatura. Para aliviar o frio - os termômetros já marcaram 10 graus negativos - encontramos uma doce solução: chocolate quente e cremoso. Experimentamos vários e elegemos os cinco melhores da megalópole americana. Corra para provar o seu!

 

Willy Wonka: proprietário da Mar Brenner idealizou o cardápio completo, todo feito com cacau

Max Brenner

O primeiro colocado na disputa é muito mais que um simples chocolate quente. Para começar, o local é superagradável e o atendimento, ótimo. O cardápio é de enlouquecer, com pratos e drinques feitos de cacau - tem até o famoso cosmopolitan na versão açucarada -, tudo idealizado pelo dono da rede, uma espécie de Willy Wonka da vida real. As bebidas quentes são servidas em lindas "mughugs" (canecas do abraço, em tradução livre) e, como o nome sugere, você tem de "abraçar" o recipiente com as duas mãos para levá-lo à boca. Escolha o chocolate ao leite com marshmallow. Serão os US$ 5,50 (R$ 13) mais bem gastos da sua vida. Ele vem fervendo e coberto por pedacinhos do doce.

Para ir: 841 Broadway, perto da 13th Street e da 141 Second Avenue; www.maxbrenner.com.

City Bakery

Não ouse pensar nas calorias que você está prestes a ingerir. Isso diminuiria o prazer de provar o chocolate de uma das mais tradicionais padarias - no estilo americano, vamos deixar claro - de Nova York. Ali, a bebida quente é tão famosa que ganha festival no inverno. Vários tipos são lançados na estação. O tradicional, bem grosso e escuro, sai por US$ 4,28 (R$ 10). Se decidir reforçar a bebida com marshmallow, pague US$ 5,50 (R$ 13). Para acompanhar, o muffin da casa, feito com uma massa que lembra a do croissant, a US$ 4,75 (R$ 10).

Para ir: West 18th Street, a alguns metros da 5th Avenue; www.thecitybakery.com.

Le Pain Quotidien

A rede de origem belga tem uma legião de fãs em Nova York. O local é cheio de conceitos politicamente corretos, a começar pelas mesas coletivas e pelos pratos orgânicos. Mas como o assunto é chocolate, vamos à parte doce do cardápio. Entre os vários tipos, o mais gostoso é o belga, servido de forma bem diferente. O chocolate derretido e o leite chegam à mesa separados. Cabe a você resistir e não comer o cacau puro. A delícia sai a US$ 3,95 (R$ 9).

Para ir: uma das melhores lojas da rede fica na 70 West 40 th Street, entre a 5th e a 6th Avenues, bem em frente ao belo Bryant Park. Informações: www.lepainquotidien.com.

Jacques Torres

Tem o melhor custo-benefício da cidade. O único ponto negativo é o ambiente pouco acolhedor nas três lojas de Nova York. Na loja da Hudson Street, quem passa na rua pode ver parte da linha de produção, já que as paredes são de vidro. A bebida sai por US$ 3,25 (R$ 7), mas, para alguns, o chocolate pode ser um pouco doce demais. O lugar vende também barras bem servidas por a partir de US$ 3 (R$ 7), uma barganha se você considerar que estamos falando da inflacionada Nova York.

Para ir: 350 Hudson Street; www.jacquestorres.com.  

 

Grife: Godiva tem 13 lojas e uma versão bem adocicada da bebida

Godiva

Mesmo sem querer, você vai acabar encontrando uma das butiques de chocolate da Godiva. Só em Nova York há 13 lojas da marca de doces finos. Os bombons não são nada baratos, assim como as barras. Já o chocolate quente é mais acessível e pode ser combinado com essências, como a de baunilha e a de framboesa - peça só se gostar muito desses sabores. O copo pequeno custa US$ 5 (R$ 11). A bebida é bem doce e mais clara que nas outras lojas.

Para ir: visite a loja da 21 Fulton Street, na parte turística do píer da cidade e perto da Ponte do Brooklyn. Informações: www.godiva.com.

Mais conteúdo sobre:
Viagem Nova York chocolate hot drinks

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.