Coqueiros, falésias e boa comida

Prado combina praias belas e tranquilas com os sabores caprichados da gastronomia local

Adriana Moreira, O Estado de S.Paulo

10 Novembro 2009 | 01h52

Do alto das falésias que circundam Prado, a vista revela que a exploração turística naquela região é pequena, bem pequena. Distante cerca de duas horas de Porto Seguro, a cidade tem um roteiro discreto. E permite que extensas faixas de areia, como na bela Ponta do Moreira, exibam sua beleza sem interferência. Nada de guarda-sóis, cangas estendidas, vendedores, barraquinhas. Ali, há apenas você e a natureza.

Sensação de exclusividade na Ponta do Moreira

É claro que nem todas as praias da cidade ficam assim tão tranquilas nos feriadões, quando capixabas e mineiros rumam ao sul da Bahia. Mas, de maneira geral, Prado consegue manter aquele clima bucólico de cidade pequena. E, ao mesmo tempo, oferecer restaurantes de comida primorosa e pousadas bem charmosas.

 

Você pode se hospedar na tranquilidade de uma ilha fluvial e ser recepcionado por artistas em pernas de pau e uma refrescante água de coco, como no resort La Isla. Ou ficar na cidade, perto do Beco das Garrafas, onde se concentra a cena gastronômica local.

E que cena. Os pratos típicos são à base do budião, um peixe azul, simpático e, para o próprio infortúnio, muito saboroso. A carne tenra, quase sem espinhos, combina perfeitamente com o molho de pitanga criado pelo restaurante Jubiabá. Acompanha arroz branco e custa R$ 55, para duas pessoas.

 

Veja também:

linkArte colorida e cheia de humor

linkEspetáculo das gigantes em alto-mar

Ali pertinho, a mistura perfeita dos sabores regionais com alta gastronomia está no Banana da Terra, conduzido por Márcia Marques. Comece devagar, com o incrível bolinho de banana-da-terra com carne seca (R$ 8 a porção com seis). A escolha do prato principal será difícil. O tradicional da casa é o Budião da Rainha, grelhado com molho bechamel, cubos de abacaxi, camarão rosa, castanha-do-pará e arroz tailandês. Para duas pessoas, custa R$ 60.

A opção mais recente, criada para o Festival Gastronômico deste ano, é o Trio de Beatriz, com filé de budião, lagosta e camarão VG e medalhão de banana-da-terra com gengibre, também por R$ 60. Você ainda terá de guardar espaço para a sobremesa. O pudim de anjo, bolinho de tapioca e coco envolto em canela e açúcar (R$ 5 cada) é verdadeiramente celestial.

 

Delicioso Trio da Beatriz, criação do restaurante Banana da Terra

Fora do Beco das Garrafas, onde algumas casas coloniais resistem, há pouco para ver no centro. Nada de lojas de lembrancinhas. Se quiser levar algo realmente autêntico, visite a dona Rita. "Vem cá ver", convida a doceira. E você a segue, entre o imenso pomar cultivado caprichosamente nos fundos do quintal. "Conhece fruta-pão?", mostra, enquanto caminha rapidamente, exibindo também pés de jabuticaba, goiaba, caju, sapoti, seriguela...

São essas frutas que dão origem aos deliciosos doces e geleias preparados com muita disposição aos 71 anos de Rita Maria Mascarenhas. O preço médio do pote é de R$ 5 - experimente o de mamão com tangerina. Se estiver na época, é claro.

 

Piscinas naturais do Torrão

ESTENDA A CANGA

A essa altura do texto, você deve estar se perguntando: mas e as praias, afinal? Se quiser relaxar em espreguiçadeiras ou se dividir entre o mar e bons quiosques como o Bistrô Ponta de Areia, fique na Praia do Coqueiral, perto do centro. As falésias estão mais ao norte, em praias como Tororão, que exibe, além de piscinas naturais, uma refrescante queda d"água (artificial) de água doce. E um único e solitário quiosque.

A parada seguinte pode ser já em Cumuruxatiba, praia que exibe uma boa infraestrutura, repleta de pousadas. Dali para frente, o domínio é mesmo da natureza. Como na Praia de Japara Grande, onde para chegar ao mar é preciso cruzar o rio - a pé. Se tiver disposição, a Ponta do Corumbau estará a menos de 50 quilômetros dali, com suas pousadas luxuosas.

Talvez o mesmo cenário ocupe, em alguns anos, a Ponta do Moreira, que fica no caminho para Corumbau. Poderá até ser interessante se hospedar em um quarto no alto das falésias. Mas, hoje, ver a praia praticamente intocada dá uma sensação de exclusividade e bem-estar. Por enquanto, a natureza reina soberana. Aproveite.

SERVIÇO

PASSAGEM AÉREA

São Paulo-Porto Seguro-São Paulo: a partir de R$ 338 na Gol (0300-789-7778; http://www.voegol.com.br/) e de R$ 414 na TAM (4002-5700; http://www.tam.com.br/). De lá, são mais duas horas até Prado pela BA-001

ONDE IR

linkAteliê Agadman: (0--73) 9994-0253

linkSávio Renan (trabalhos com coco) : (0--73) 8812-0393

linkRestaurante Banana da Terra: (0--73) 3021-1721

linkRestaurante Jubiabá: (0--73) 3298-2180

linkGeleias e doces da Dona Rita: (0--73) 3298-1186

linkBistrô Ponta de Areia: (0--73) 3298-2513

linkTour para observação de baleias - Guia Bila: (0--73) 9966-8126

Mais conteúdo sobre:
Viagem & Aventura Bahia Prado

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.