Sergio Neves/Estadão
Sergio Neves/Estadão

Corpus Christi - 16/6 - 4 dias

Cuzco e Machu Picchu e Nordeste Junino

O Estado de S.Paulo

03 Janeiro 2017 | 04h30

CUZCO E MACHU PICCHU

Principais atrações

Quatro dias vai ser um pouco corrido para esta viagem, mas ela é viável. Vá direto para Cuzco, sem parar na capital Lima – se puder, embarque na quarta-feira para ganhar um dia a mais. 

Cuzco é a cidade para se habituar à altitude e à cultura inca. A infraestrutura turística é excelente, com hotéis e hostels, bares, restaurantes, agências de viagem e muitas baladas. Vá devagar no pisco sauer, o drinque típico: o álcool atrapalha na aclimatação (Cuzco está 3.400 metros acima do nível do mar). Melhor investir nas comidas leves e líquidos quentes, inclusive o chá de coca – que não tem nada de alucinógeno. 

No primeiro dia, visite o centro histórico, com heranças da colonização espanhola e as da época em que Cuzco era o centro do império inca. Não à toa, a cidade é hoje patrimônio da humanidade.

Para chegar a Machu Picchu, é preciso ir de trem a Aguas Calientes e, de lá, subir de ônibus para a cidadela. Compre os ingressos em incarail.com ou perurail.com. Dá para ir e voltar no mesmo dia, mas será preciso paciência para entrar em Machu Picchu quando todo mundo desembarcar ao mesmo tempo. Compre antecipadamente o ingresso para o sítio histórico em machupicchu.gob.pe.

Não perca

O clássico tour pelo Vale Sagrado. Compre o boleto turístico (há dois tipos, de 70 e de 130 soles, R$ 67 a R$ 125, de acordo com as atrações visitadas; cosituc.gob. pe). As ruínas históricas mostram a importância de Cuzco na ascensão e queda do império inca.

Se tiver tempo, durma uma noite em Aguas Calientes para subir a Machu Picchu nos primeiros ônibus, antes do amanhecer, e ver o sol nascer na montanha sagrada.

Evite

Ir de dezembro a março; chove muito e há casos de deslizamento na linha férrea.

Dica de economia

Leve cartão de crédito e dólares para trocar por soles em território peruano; o real é muito desvalorizado e a perda será maior do que fazendo dois câmbios.

Site: peru.travel. / ADRIANA MOREIRA

 

NORDESTE JUNINO

Principais atrações

Como este ano o feriado de Corpus Christi cai em junho, fica perfeito para curtir uma festa junina à moda nordestina. Além dos festejos famosos de Campina Grande (PB) e Caruaru (PE), cidades como Aracaju (SE) e Mossoró (RN) também realizam eventos. 

Campina Grande e Caruaru disputam os principais shows – Elba Ramalho e Alceu Valença são figurinhas carimbadas em ambas –, além de nomes do momento do sertanejo. Mossoró, que há alguns anos tenta entrar na briga pelo título de Maior São João do Mundo, também tem shows de peso. Em Aracaju, a festa é menor, mas também bastante concorrida, e o ponto forte são as quadrilhas.

As festas de Campina Grande e Caruaru têm vários polos: para dançar um forrozinho gostoso sem tanta muvuca; ver apresentações de quadrilhas; comprar artesanato típico. As barracas de comida se destacam com quitutes como pé de moleque e pamonha. Em Caruaru, há a tradição de se preparar comidas gigantes: o maior cuscuz do mundo, o maior bolo de milho e por aí vai.

Dá para esticar até a praia. De Caruaru a Recife são duas horas de carro, e 2h30 a Porto de Galinhas. De Campina Grande a João Pessoa, menos de duas horas.

Não perca

A Feira de Caruaru, que virou patrimônio imaterial pelo Iphan. É possível encontrar comidas, artesanato, curiosidades...

Evite

Se estressar. As festas são lotadas e não adianta reclamar das filas ou do trânsito intenso.

Dicas de economia

Se hospedar em Caruaru e Campina Grande é mais barato durante a semana. Aracaju é uma cidade mais barata para uma noção básica de festa junina nordestina. 

Sites: saojoaodecampina.com.br; saojoao.caruaru.pe.gov.br; mossorocidadejunina.com.br. / ADRIANA MOREIRA

Mais conteúdo sobre:
Aracaju Paraíba Peru

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.