Daniel Teixeira/Estadão
Daniel Teixeira/Estadão

Cristianismo: no epicentro da religião

Seguindo os últimos passos de Cristo pela Via Dolorosa

O Estado de S.Paulo

07 Novembro 2017 | 04h30

Grupos de peregrinos de inúmeras nações cristãs seguem seus guias cantando pela Via Dolorosa. Só mesmo num lugar onde a crença vive tão forte seria possível ouvir orações em russo, filipino e hindi num intervalo de poucos metros. A cada parada pelo circuito de 14 estações por onde, acredita-se, Jesus Cristo percorreu seu calvário, uma série de fotos, perguntas e mais cânticos. Ironicamente (ou simbolizando a mistura e coexistência das crenças em Jerusalém), a rota mais emblemática para os cristãos fica toda no Bairro Árabe. 

O caminho começa perto do arco de Ecce Homo e termina na Igreja do Santo Sepulcro, marcando os pontos onde Jesus foi condenado por Pôncio Pilatos, caiu pela primeira e segunda vez, entre outros eventos, segundo os evangelhos e livros apócrifos. Dentro da Igreja Armeno-Católica, a quarta estação lembra o lugar onde Maria sofreu ao ver seu filho carregando a cruz a caminho da morte. 

A quinta estação, pela qual desavisados podem passar batido, é uma pedra engordurada onde o Filho de Deus teria se apoiado. A fila para encostar e tirar uma selfie ali pode demorar alguns minutos. Importante ressaltar que, caso vá próximo à Páscoa ou ao Natal, as multidões podem ser ainda mais intensas do que em dias normais. Todas as sextas-feiras, às 15 horas, padres franciscanos organizam uma procissão pelo caminho sagrado

Túmulo de Jesus

 As últimas cinco estações ficam dentro da Igreja do Santo Sepulcro. O local engloba o Calvário (Gólgota), onde Jesus foi crucificado, e também a tumba para onde seu corpo foi conduzido. A construção da igreja começou em 326 d.C., a mando do Imperador Constantino, sobre os restos de um templo romano do século 2. 

Queimada e saqueada pelos persas em 614, a igreja foi reconstruída anos depois pelo patriarca Modesto de Jerusalém, e danificada por um terremoto em 808. Embora uma parte tenha sido reerguida pelo imperador bizantino Constantino IX em 1048, a maior parte do prédio atual é resultado de uma reconstrução das Cruzadas do século 12. A renovação mais recente começou em 1959, e a igreja atual abrange metade da área do templo e da basílica bizantinos originais. 

Contudo, isso não diminui a fé que pulsa dentro do amplo complexo. Você logo identificará a fila para entrar e ver o Túmulo de Cristo, que pode facilmente passar de 1h30. O local fica sob a Rotunda, parte mais majestosa da igreja e avistável de longe, reconstruída depois do incêndio de 1808. A tumba passou por dez meses de restauração recentemente, e foi reinaugurada em março deste ano. A Pedra da Unção teria sido usada para lavar o corpo antes do sepultamento, e é normal os fiéis levarem itens para serem benzidos ali. 

No Gólgota, o local da crucificação, um delicado altar grego-ortodoxo cheio de velas traz ainda mais emoção e intensidade à visitação. Talvez você passe batido pelo Monastério Etíope, habitado por monges daquele país. 

A entrada é franca e o movimento é intenso o dia todo (prefira as primeiras horas da manhã). Mas a qualquer hora você notará que cada cantinho revela o poder da fé cristã mundo afora. 

Mais conteúdo sobre:
Jerusalém

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.