Curvas femininas na delicada Nancy

Capital histórica da região, com seus rococós dourados e finuras de art nouveau, é um perfeito complemento para Metz

Carla Miranda, O Estado de S.Paulo

27 Julho 2010 | 02h29

Detalhes. Adornos da Praça Stanislas em Nancy, perto do Museu de Belas Artes e do Arco do Triunfo.

 

 

Se Metz tem algo de rígido, concreto, Nancy se mostra em curvas femininas - seja nos rococós revestidos de dourado da Praça Stanislas ou nas flores delgadas do art nouveau. A atual capital de Lorraine e a capital histórica da região, apesar de próximas, não poderiam ser mais diferentes, de um diferente que se completa à perfeição.

Imagem mais conhecida de Nancy fora da França, a Stanislas é de uma beleza irreal, ressaltada pela reforma feita em 2005. Desde aquela época, nada mais de veículos na praça ou ao redor dela. Agora, o espaço é inteiro dos moradores e visitantes, que se sentam nas mesinhas dos restaurantes instalados no térreo dos prédios do século 18.

E dali observam cada detalhe. Da enorme fonte com detalhes dourados, escantilhada e dividida em três partes, ao Arco do Triunfo, que leva até a Praça de la Carrière, também Patrimônio da Humanidade da Unesco. Formando o quadrado da Stanislas, a prefeitura e o Museu de Belas Artes.

E é justamente pelo acervo do museu que se inicia a rota em busca do art nouveau. No andar inferior do prédio - onde ainda se vê resquícios da fortificação medieval de Nancy -, está a Coleção Daum, com mais de 700 peças decorativas de vidro, a maioria no estilo que tornou a cidade famosa no mundo todo.

Inspirados nas formas da natureza e dispostos a encarar todos os objetos como obras de arte, artistas como Emile Gallé e Louis Majorelle deixaram sua marca em lindos itens de vidro, cristal e madeira. Peças reunidas no Museu École de Nancy, o próximo na sua lista de visitas. A casa de três andares, cercada pelas cores de um grande jardim, exibe cômodos inteiramente decorados no estilo.

De lá para o coração do centro comercial, com o objetivo definido de ver as sutilezas do art nouveau na arquitetura da cidade. Nos arredores da Rua Saint-Jean, prédios ganham toque de arte: peças de aço foram retorcidas até formar sacadas e balcões adornados com folhas, flores, frutas, conchas.

Feche a jornada bem ao lado, na Praça Thiers. Você pode até dizer que se trata de mais uma continuação do roteiro artístico. Só que quem conhece Nancy sabe que, sim, o Excelsior é todo em nouveau, com vitrais e arabescos. Mas é, antes de tudo, um dos restaurantes mais clássicos da cidade (1911) - e detentor de uma receita de quiche lorraine de lamber os beiços.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.