Reneé Pereira/Estadão
Reneé Pereira/Estadão

Da beleza incorrigível do Sancho ao aquário natural da Atalaia

Você pode estender a canga e curtir o visual. Vencer a arrebentação e surfar belas ondas. Acelerar o buggy, cortar estradas de terra e chegar a praias isoladas, algumas das mais lindas do Brasil, quiçá do mundo. Percorrer trilhas enquanto observa fauna e flora. Mergulhar como e quando quiser. Noronha é mais ou menos assim: paraíso e aventura, natureza e euforia. E o bom é que dá para experimentar tudo isso.

FERNANDO DE NORONHA, O Estado de S.Paulo

02 Abril 2013 | 02h12

No quesito praia, a Baía do Sancho é a queridinha da ilha por sua beleza incorrigível. Uma estreita faixa de areia separa o mar verde-azul cristalino das falésias recobertas de vegetação. Perfeita para banho e mergulho livre. Se você já passou por aqui no passeio de barco ou no Ilhatur, volte.

O acesso à praia é feito por barco ou trilha, mas o impacto da chegada é igualmente estarrecedor. Por terra, o turista passa pelo Mirante dos Golfinhos, de onde observa os mamíferos brincalhões, até ver os primeiros sinais de praia lá embaixo, por entre galhos e folhas. Mais um momento "euforonha", parada para cliques. Para descer, é preciso encarar uma escadinha de 230 degraus esculpida na falésia, por entre uma fenda estreita. Pode confiar, essa é uma das praias mais maravilhosas que você já viu.

Da praia do Sancho, ande mais alguns metros para encontrar outro símbolo de Noronha: o Morro Dois Irmãos, na Baía dos Porcos. Charmosa, a praia tem apenas 100 metros de areia, que somem na maré alta e formam piscinas naturais em tons de verde quando baixa. Vá até o mirante para tirar a clássica foto das pedras gêmeas.

Adiante, Cacimba do Padre, o pico do surfe. Ainda no Mar de Dentro, as Praias da Conceição, do Meio e do Cachorro são ideais para quem quer relaxar e passar o dia sob o sol, já que contam com restaurantes.

Selvagens. As praias do outro lado da ilha, voltadas para o Mar de Fora, são mais selvagens e têm águas agitadas. A do Leão, local de desova de tartarugas, só pode ser visitada de janeiro a junho. O lugar recebeu esse nome por causa da ilhota em frente, que lembra um leão-marinho deitado.

Para visitar a Praia da Atalaia, é preciso fazer uma trilha de 4,5 quilômetros. A atividade é bastante popular, e o turista tem de marcar a visita com antecedência, pois o acesso é controlado - só entram 106 pessoas por dia.

Aquário natural protegido por recifes, a Atalaia é um dos principais berçários marinhos de Noronha. Com máscara e snorkel, explore a piscina natural e encha os olhos diante de peixes, moreias, polvos e corais. Ali, em nome da preservação, está vetado o uso de protetor solar e nadadeiras.

Outra praia do Mar de Fora perfeita para o mergulho livre é a do Sueste. Em uma simples imersão com snorkel dá para nadar com tartarugas, arraias e uma infinidade de cardumes coloridos. Dá até para ficar lado a lado com filhotes de tubarão! É também na praia do Sueste que ocorre o monitoramento das tartarugas-marinhas pelo Projeto Tamar.

Mundo subaquático. Para os mais corajosos, Fernando de Noronha é um dos melhores points de mergulho do mundo. Os ilhéus até costumam dizer que ir ao arquipélago e não mergulhar é como ir a Roma e não ver o papa. A ilha é rica na diversidade de vida marinha e tem ótimas condições de visibilidade e temperatura. São 230 espécies de peixes e 15 de corais, além de esponjas, moluscos e crustáceos. Os mais experientes não abrem mão do mergulho autônomo para admirar espécies raras.

Essa modalidade de mergulho normalmente ocorre nas ilhas secundárias, onde há dois naufrágios: uma corveta a 52 metros de profundidade e um barco, a 7 metros. Antes de planejar a atividade, é bom ficar ligado no swell - fenômeno natural que deixa o mar mexido e a água turva.

Para o turista que for encarar pela primeira vez o fundo do mar, há inúmeras opções de batismo. O começo parece desafiador, mas basta chegar lá embaixo para esquecer qualquer dificuldade. É outro mundo. Diante de tartarugas, moreias, arraias e peixes, o tempo parece parar, o barulho do mar tranquiliza, o olhar fica hipnotizado. Uma experiência típica da série "euforonha". / RENÉE PEREIRA E CAMILA ANAUATE, ESPECIAL PARA O ESTADO

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.