Mônica Nobrega/Estadão
Mônica Nobrega/Estadão

Da Table Mountain ao calçadão, um destino para cair de amores

Brincadeira aquela Table Mountain. Tão comentada, divulgada, incensada na escolha das Sete Novas Maravilhas do Mundo que a gente acaba achando que pode prever o que vai encontrar lá. Nada. Ninguém nunca me contou que aquele baita monumento cor de pedra, plano feito mesa mesmo, é visto de quase qualquer ponto da Cidade do Cabo. E que, por causa dele e de alguns outros encantos, eu cairia de amores pela cidade.

Mônica Nobrega/CIDADE DO CABO, O Estado de S.Paulo

04 Junho 2013 | 02h11

É só dentro da gôndola para 65 pessoas que se compreende de fato o significado dos 1.085 metros de altitude da montanha. Imagina subir isso tudo (ou melhor, quase, já que o desembarque do teleférico é a 1.067 metros) em alguns poucos minutos, num cubículo de vidro giratório junto ao paredão rochoso, sendo que lá embaixo está o nível do mar. Faz disparar o coração.

Do alto é puro deslumbre. A trilha percorre a parte plana do topo. Tem bons banheiros e lanchonete. Para as fotos, opções a perder de vista, com perdão do trocadilho. De lá se vê a cadeia montanhosa que vai até o Cabo da Boa Esperança, o ponto de encontro entre os oceanos Atlântico e Índico, 60 quilômetros ao sul. Também o estádio de futebol construído para a Copa, em 2010. A bem da verdade, se enxerga a Cidade do Cabo inteira e o que está ao redor.

Junto ao mar. Lá embaixo, o calçadão portuário Victoria & Alfred Waterfront junta marina, hotéis, shopping, mercado, artistas de rua, roda gigante em um único e ensolarado ambiente ao ar livre. O bairro malaio Cape Malay, com fileiras de casas pintadas em cores vivas, não fica longe.

A Long Street, uma das ruas principais, tem lojas, restaurantes, dois hostels e baladas. Cardápio semelhante ao do bairro Cape Bay, à beira-mar, onde os bares recebem frequentadores para a happy hour, que se estende noite adentro. Não tive tempo para um mergulho na praia em frente. Ótima desculpa para voltar à Cidade do Cabo. Como se fosse preciso ter uma. / M.N.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.