Darth Vader, Luke Skywalker e o lado tunisiano da força

O planeta Tatooine é mais real do que os cinéfilos imaginam. Basta um giro pelo sul da Tunísia para encontrar a fonte de inspiração de George Lucas, criador da saga Star Wars, ou Guerra nas Estrelas. Para os fãs, o nirvana é o cenário de Mos Espa (foto), o porto espacial onde a jogatina corria solta. Terminadas as filmagens, a cidade cenográfica não foi desmontada e ainda está lá, perdida no deserto.

O Estado de S.Paulo

17 Abril 2012 | 03h08

O complexo tem cerca de 20 casas arredondadas e vários "aparelhos umedecedores", que aliviavam o calor de Tatooine. De perto, as torres são estruturas de madeira pintadas de cinza, dando uma impressão metálica. À essa altura, mesmo quem nunca ouviu falar da princesa Leia estará arrependido de não ter levado um sabre de luz. No caminho para Mos Esta, à beira da depressão salina de Chott el-Gharsa, fica Ong Jemal, rocha em forma de pescoço de camelo - ou pelo menos com alguma imaginação. O local serviu de locação para A Ameaça Fantasma e O Ataque dos Clones. Perto dali, solta na imensidão de outra depressão salina, Chott el-Jerid, está o iglu onde vivia a família Lars, que adotou o menino Skywalker.

A base para as operações de reconhecimento é Tozeur, com ótimos hotéis, restaurantes e um bom aeroporto. Entre uma lembrança e outra dos droides robóticos, uma pausa para caminhar pelo gigantesco palmeiral da cidade e pelas vielas de Ouled el-Hadef, bairro do século 14 famoso pelas figuras geométricas formadas pelos tijolos das paredes.

Para completar a expedição, é preciso trocar de cidade e cruzar o sul do país até Matmata, onde os berberes ainda vivem nas casas trogloditas - cavadas nas rochas -, as mesmas da infância de Skywalker. Outro local de peregrinação é Ksar Haddada. O hotel, hoje abandonado, apareceu em A Ameaça Fantasma.

A cidade de Tataouine, que batizou o famoso planeta, é outra boa base para os que visitam esse "império galáctico" tunisiano. Não existe nenhuma memorabilia do filme em um raio de 15 quilômetros, mas não há lugar melhor para enviar dúzias de postais para casa. / CRISTIANO DIAS

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.