Das alamedas floridas da 'Pequena Kyoto' às gueixas e casas de chá

O apelido "Pequena Kyoto" vem do grande número de templos e do bairro das gueixas. Mas não dá para dizer que Kanazawa, na província de Ishikawa, não tem personalidade própria.

KANAZAWA , O Estado de S.Paulo

10 Setembro 2013 | 02h19

Ali está o Kenrokuen, considerado um dos três parques mais bonitos do Japão. Suas alamedas de árvores floridas são tão belas que não é exagero reservar um dia para caminhar sem pressa por elas. São mais de 20 tipos de flores enfeitando cerca de duzentas árvores, que costumam florescer um pouco antes das cerejeiras.

 Impressiona observar como os japoneses exercem com maestria a arte da jardinagem. Majestosos pinheiros em frente ao lago, construído em 1632, são protegidos, no inverno, por cordas paralelas. Além de formar uma capa para proteger a vegetação, elas ainda criam um belo efeito visual.

No passado, o Kenrokuen era o jardim de outra atração da cidade, o castelo de Kanazawa. Eles estão ligados pelo portal Ishikawa-mon, de 1788. Com seu inglês cheio de sotaque, a guia Nobuko Nishimoto conta que o castelo foi erguido em 1583 pela família Maeda. Esses senhores feudais privilegiavam as artes em vez da guerra, por isso eram admirados pelo xogum, o comandante do exército.

A construção sofreu incêndios e foi refeita várias vezes ao longo dos séculos - a última delas foi em 1881. É possível visitar o castelo, todo em madeira, também por dentro.

Higashi Chayagai é o principal entre os três bairros das gueixas de Kanazawa. As chayas são um tipo de casa de chá, onde essas mulheres, vestidas de quimono e com a maquiagem característica, se apresentam cantando e dançando.

Uma dessas casas, a Shima, foi transformada em museu. Por lá, há conservados shamisens - delicados e coloridos instrumentos de cordas -, além de presilhas de cabelo, pentes e bules dos mais variados tipos e formatos. Interessante observar o tamanho diminuto de todos os objetos e mesmo da residência. No final da visita, há um espaço para degustar... chá, é claro. /T.Q.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.