De museus a prédios históricos, cinco atrações imperdíveis

Em meio à moderna silhueta do skyline, os muitos símbolos que revelam a alma vibrante e a riqueza arquitetônica

10 Novembro 2010 | 10h00

Paris e sua torre, Nova York e sua estátua, Roma e sua arena... cada cidade tem um símbolo. Chicago tem vários. A começar pelos arranha-céus e parques à beira do Lago Michigan, que fazem do seu skyline um dos mais conhecidos do mundo. Mas a cidade ainda apresenta museus de primeira categoria e edifícios históricos que mostram sua premiada arquitetura e revelam seu espírito moderno e vibrante. Comece a descoberta por cinco atrações imperdíveis.

 

Museu de Ciência e Indústria

Parece que a história de Chicago é dividida entre antes e depois da Exposição Mundial de 1893, chamada informalmente de A Cidade Branca. De todas as estruturas construídas para o evento, a única que continua de pé é a do antigo Palácio de Belas Artes, um edifício construído à prova de fogo para guardar algumas das mais inestimáveis obras de arte do planeta. Hoje, o local é a casa do Museu de Ciência e Indústria, onde os visitantes podem fazer tudo. De pilotar virtualmente um avião a transmitir pulsações a um coração de 4 metros de altura.

 

Museu Field de História Natural

Sue é um tiranossauro rex de 67 milhões de anos e 13 metros de altura. Fóssil de renome. É ele que dá as boas-vindas no museu. E também é uma das grandes atrações - neste ano, Sue ganhou um filme 3D que conta sua história e uma cópia robô que fala com os visitantes. Nos outros andares do museu, a aventura continua pelo mundo selvagem. Vá à exibição de insetos gigantes e veja as apresentações multimídias de diferentes hábitats africanos. As múmias egípcias também fazem barulho.

  

The Chicago Water Tower

Diz a lenda que a Water Tower foi a única sobrevivente do incêndio de 1871. Como muitas lendas, é falsa. Alguns poucos edifícios também ficaram de pé, mas a torre se tornou um ícone. A estrutura de calcário amarelo e um torreão digno de castelo tinha um hidrante de 42 metros usado para guardar água. Hoje, ali funciona a City Gallery, que apresenta exposições de fotógrafos locais sobre a cultura local.

 

Frank Lloyd Wright Home and Studio

Esse complexo no subúrbio de Oak Park reúne 130 dos 430 edifícios projetados pelo famoso arquiteto em Chicago e arredores. A antiga casa de Wright virou museu e oferece boas visitas guiadas, que mostram a genialidade e influência dele.

 

Chicago Architecture Foundation

A arquitetura de Chicago tem reconhecimento internacional. Para admirá-la - e entendê-la -, não deixe de conhecer essa fundação, que organiza exibições e eventos que mostram as marcas do concreto na cidade. Há, ainda, tours guiados e temáticos com especialistas. A pé, de bicicleta, ônibus ou barco, o turista visita pontos arquitetônicos incomparáveis.

 

 

Rota da máfia

 

Entrar no mundo de Al Capone e John Dilinger. Descobrir esconderijos, frequentar os points favoritos dos mafiosos. Reviver, enfim, a era proibida dos anos 1920 é uma experiência fascinante - e bem possível - na Chicago do século 21. Com a ajuda de guias disfarçados de mafiosos (US$ 28) ou por conta própria, percorra os sets antes intocáveis

 

 

1 Biograph Theater

O chefão John Dillinger saía do cinema em uma noite de 1934 quando foi surpreendido por agentes do FBI que estavam à sua espera. O irônico mafioso fez com as mãos o gesto de uma arma e escapou. Hoje, o infame Biograph Theater pertence ao Victory Gardens Theater Group - a fachada foi restaurada à moda antiga para a filmagem do longa biográfico de Johnny Depp, Inimigos Públicos. Para ver as performances atuais, ingressos de US$ 30 a US$ 50. Mais.

 

2 Mount Carmel Catholic Cemetery

Tem a honra de ser o local final de descanso do notório mafioso Al Capone. E de outros gângsteres, como Deany O'Banion e os terríveis irmãos Genna.

 

3 Union Station

A estação de trem e metrô ficou conhecida pelo tiroteio do filme Os Intocáveis. Embora a cena seja criação de Hollywood, o local é parada dos tours, já que, àquela época, realidade e ficção se alternavam no mundo das máfias

 

4 Valentine’s Massacre

No episódio de 14 de fevereiro de 1929, sete gângsteres foram mortos por capangas de Al Capone na garagem do número 2.122 da Clark Street. O lugar abre para visitas, mas não é mais o mesmo da época

 

5 Tommy Gun’s Garage

Num típico speakeasy dos anos 1920, mafiosos fazem show e tocam canções de George Gershwin e Cole Porter. Inclui jantar - a bebida alcoólica é liberada. Por US$ 60.

 

 

Veja também:

link Reflexo moderno

blog Blog. Dicas e bastidores das viagens da nossa equipe

blog Twitter. Notícias em tempo real do mundo turístico

Mais conteúdo sobre:
Chicago vigaem arquitetura

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.