Dedique mais de um dia à pequena Bratislava

À primeira vista, a pequenina Bratislava mostra ares provincianos. Uma cidade simples, sem mistérios. Não raro, a capital eslovaca passa quase despercebida diante das célebres potências culturais (e turísticas) da Europa Central, como Budapeste, Praga e Viena. A tranquilidade faz muitos visitantes dedicarem apenas um dia a Bratislava - uma lástima. Pois um olhar mais atento revela o quão interessante pode ser a despretensiosa cidade aos pés das cordilheiras dos Cárpatos.

BRATISLAVA, O Estado de S.Paulo

26 Junho 2012 | 03h10

No centro histórico Stára Radnica, há esculturas pitorescas espalhadas pelas esquinas apinhadas de cafés e restaurantes. Um paparazzo de bronze à espreita da porta do bar Paparazzi (Radnica Ulica). Um simpático soldado de Napoleão debruçado sobre o banco na praça principal (Hlavne Namestie) - diz a lenda que um oficial francês, ferido e apaixonado por uma enfermeira eslovaca, decidiu ficar na cidade. Outro soldado, de bronze, sai de um bueiro na esquina das ruas Panska e Rybarska (a estátua quase foi decapitada algumas vezes pela imprudência dos motoristas). E um sorridente e prateado Schoener Naci, lendário eslovaco do século 20, cumprimenta os transeuntes da rua Rybarska Brana.

Além de esculturas chistosas, a arquitetura também merece um olhar inquisidor: construções com um quê barroco se misturam a detalhes kitsch, como a prefeitura cor-de-rosa, coroada por um sombreiro mexicano, a igreja matriz e seus incoerentes ladrilhos coloridos nas janelas e a lagosta-símbolo do Museu da Farmácia, nos arredores do Portão de São Miguel, estrutura preservada das fortificações medievais. Ali no centro histórico não é difícil encontrar um bom bryndzové halusky, prato tradicional de nhoque com queijo de cabra acompanhado de cubinhos de bacon.

O horizonte do Rio Danúbio traz, de um lado, construções sem brilho da época do comunismo; de outro, o luxuoso restaurante Ufo, similar a um disco voador, instalado numa torre de 80 metros de altura na ponte Novy Most. Vista privilegiada garantida. Às margens do rio, outro lugarzinho escondido é o complexo cultural Eurovea, mix de bares, cafés, galeria, restaurantes e shopping. Do lado de fora, jovens ocupam mesinhas e até a grama perto do rio para curtir um fim de tarde de primavera.

De quase todos os pontos da cidade avista-se o Castelo de Bratislava. Outrora forte gótico, a construção renascentista, depois barroca, foi destruída e restaurada várias vezes. Hoje, prima pela simplicidade. À noite, a romântica varanda do restaurante oferece um panorama diferente da cidade iluminada, que ganha ares metropolitanos.

Sim, Bratislava surpreende. A cidade se orgulha de sua pequenez amistosa. E a melhor maneira de aproveitá-la é (tentar) conversar com os simpáticos eslovacos, que arranham o inglês com uma frase-chave que faz toda a diferença: "You are welcome in our little big city" (vocês são bem-vindos em nossa pequena grande cidade). Como resistir? /J.S.

Apure a visão e repare nos detalhes ímpares

espalhados do centro

antigo ao entorno

do Rio Danúbio

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.