Deixe o tempo correr nas lagoas

Entre mergulhos, drinques e porções de camarão, a ordem é relaxar

Lucas Frasão, O Estado de S.Paulo

03 Março 2009 | 02h19

Enquanto avança pela Praia do Riacho Doce, no caminho para o Preá, a 14 quilômetros de Jericoacoara, o bugueiro mostra uma vegetação típica de mangue que se inclinou até quase tocar o solo por causa da força dos ventos. E acabou ganhando o apelido de árvore da preguiça, nome mais do que adequado ao roteiro de buggy pelas Lagoas Azul e do Paraíso, dois oásis cearenses criados pelo acúmulo da água das chuvas. Um pedaço de Nordeste longe de qualquer indício de seca.

 

Quiosques e redes na água garantem nível zero de preocupação na Paraíso

O cardápio vai até você, para evitar preocupação

O nível da água chega a alcançar as mesas do restaurante da Lagoa Azul entre fevereiro e junho, quando chove mais. Almoçar com os pés na água pode ser uma agradável surpresa nesse período. O mais impressionante é que não há nenhuma nascente na lagoa e, mesmo com as altas temperaturas dos meses mais quentes, ela nunca seca.

 

Veja também:

linkEntre as dunas e o pôr-do-sol, um destino para voltar sempre

linkNa rota dos buggies, um parque nacional

linkDiversão nas areias

linkGuarde fôlego para a animada noite local

linkCaminho de conchas até a Pedra Furada

O segredo? ''Nosso Pai é poderoso'', diz Francisco das Chagas Pires, por detrás do balcão do restaurante, de cabelos compridos, grisalhos e pele marcada pelo sol.

Na Lagoa Azul, a ordem é relaxar e deixar o tempo correr. Entre uma caipirinha, uma porção de camarão e um mergulho revigorante na lagoa de água fresca, você não vai mais querer sair de lá. Ou talvez só faça isso para conhecer outra lagoa, com atrativos bem semelhantes.

Quase um spa

Não poderia haver melhor nome: a Lagoa do Paraíso faz o visitante se sentir em um daqueles lugares perfeitos. Maior do que a Azul, a lagoa se espalha tanto que seu fim fica em algum lugar onde a vista já não alcança, perdido no horizonte.

No entorno, bancos de areia formam praias, localizadas dentro da área de pousadas. Mas não por isso exclusividade dos hóspedes. A entrada é permitida ao público, desde que se consuma nos restaurantes.

Ali também vale a pena sentar em um dos quiosques. E, vez ou outra, dar um mergulho. A lagoa é tão rasa que os comerciante montam redes na água, para o relax total de seus fregueses.

Uma experiência interessante é sentar na beirada da lagoa e cavar fundo o solo. Bastante claro na parte superficial, ele tem suas camadas mais baixas praticamente brancas. A areia é sólida como argila e, espalhada pelo corpo, funciona como um esfoliante natural. Revestido com a areia, você vai parecer um fantasma - ou uma criança brincalhona.

Deixe a mistura secar por alguns minutos, até começar a rachar na pele. Então mergulhe com tudo, esfregue, lave e volte à superfície. A pele fica macia como um travesseiro.

Mais conteúdo sobre:
ViagemCearáJericoacoara

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.