MW Trekking/Divulgação
MW Trekking/Divulgação

Descubra 7 atrações imperdíveis no Vale Histórico

Divisa entre SP, MG e RJ surpreende com fazendas históricas, gastronomia típica e lindas paisagens

Felipe Mortara, Especial para O Estado

01 de novembro de 2019 | 09h00

Muita gente procura destinos diferentes e menos bombados que o litoral e outros destinos mais turísticos próximos da cidade de São Paulo. Se esse é seu caso, vale saber mais sobre as cidades que fazem parte do Vale Histórico, na divisa entre São Paulo, Minas Gerais e Rio de Janeiro.

Localizada entre as Serras da Mantiqueira e da Bocaina, a região teve seu auge na Era do Café, no século 19, e hoje reúne atrações como fazendas multicentenárias, culinária típica, trilhas e cachoeiras, distribuídas entre os municípios de Arapeí (SP), Areias (SP), Alagoa (MG), Bananal (SP), Cunha (SP), Engenheiro Passos (RJ), Queluz (SP), Resende (RJ), São José do Barreiro (SP) e Silveiras (SP).

A Associação Roteiros Caminhos da Corte reúne fazendas, restaurantes, produtores rurais, artesãos e agências para fomentar o turismo na região. No site, é possível encontrar uma série de rotas e detalhes sobre cada membro, município e assim montar um roteiro com bastante precisão. Agrupamos aqui 7 atividades que você pode colocar na sua lista para curtir dias incríveis numa região que tem muito a oferecer. E onde a tranquilidade reina.

Parque Nacional da Serra da Bocaina

Uma joia pouco explorada entre as áreas de preservação do Brasil. Na divisa entre Rio de Janeiro e São Paulo, conecta o Oceano Atlântico e as montanhas da região de São José do Barreiro e Cunha. É famosa por suas caminhadas de um ou vários dias, incluindo a famosa Trilha do Ouro, que pode durar de 2 a 3 dias e percorre a rota que as antigas tropas faziam para levar pedras preciosas de Minas Gerais até Paraty. Nessa rota, mas de acesso muito fácil – e rotas de apenas um dia – está a belíssima Cachoeira Santo Isidro, com um lindo poço para banho. Empresas como a MW Trekking levam os visitantes para conhecer a região com guias certificados e toda a estrutura necessária.

Escolher seu centrinho favorito

Como as cidades históricas que integram a região foram todas fundadas entre os séculos 18 e 19, muitas ainda preservam um centrinho histórico com casarios coloniais. Você pode percorrer a pé as pracinhas com coreto, as elegantes igrejas matrizes, as prefeituras e os comércios mais antigos. Bananal, Queluz e Areias estão entre as que reúnem patrimônios históricos mais charmosos. Algumas têm até pequenos museus que contam o passado da região e de alguns moradores ilustres. Esse é o caso do Museu Malba Tahan, em Queluz, que narra a trajetória do matemático e escritor Júlio César de Mello e Souza (1895-1974), que assinava como Malba Tahan suas obras mais famosas, como Maktub e O Homem que Calculava.

Fazenda Vargem Grande

Na época do Brasil Imperial, por volta de 1837, a Fazenda Vargem Grande, em Areias, era uma produtiva fazenda de café. Principal sustentáculo financeiro do Império, toda esta área era conhecida como a região dos Barões do Café e assim como ela outras fazendas ainda preservam seus casarões históricos, moendas e até senzalas. Em 1973 foi adquirida e restaurada pelos atuais proprietários, que convidaram o paisagista Roberto Burle Marx para trazer seu olhar aos jardins da fazenda. A fazenda recebe visitantes com reserva prévia e também oferece hospedagem, com diárias sob consulta no telefone (11) 99759-5351.

Rota dos Queijos

Com cerca de 2.700 habitantes, o pequeno município de Alagoa (MG) preserva a história e as características do interior de Minas Gerais a 1.100 metros de altitude. O maior tesouro dos alagoenses está no queijo curado, que se assemelha ao parmesão de Parma, na Itália. Passada de pai para filho há mais de 100 anos, a receita tem conquistado paladares mundo a fora, com premiações nacionais e internacionais. Na Fazenda Bela Vista, Dona Maria recebe os visitante com simpatia e apresenta os processos de produção do queijo com 60 dias de maturação. A degustação pode ser agendada pelo Facebook ou pelo telefone (35) 99938-5238.

Fazenda Santa Vitória

Suas origens remontam a 1851, quando foi batizada com o nome de Fazenda Prosperidade. Próxima ao centrinho de Queluz, a propriedade hoje se dedica a oferecer uma experiência diferente, mostrando os processos de uma fazenda tradicional, como a produção de leite e queijos. Além disso, organiza vários tours pela região. Diárias a partir de R$ 1.400 e reservas pelo site ou telefone (12) 3147-1563.

Cachaçaria Reserva do Nosco

“Surpreendente” é um adjetivo que pode ser atribuído à Fazenda Valparaíso, fundada em 1831, em Engenheiro Passos (RJ). Não exatamente à propriedade rural em si, mas ao que se fez com ela. Desde 1916 a família Nordskog adquiriu a fazenda, que chegou a ser uma das principais produtoras de café do Brasil. Em 2005, um dos herdeiros, Marcelo Nordskog, passou a transformar a cana produzida numa ótima cachaça. Assim nasceu a Reserva do Nosco, que foi sendo aperfeiçoada ao longo dos anos em barris de carvalho comprados da indústria do vinho e do uísque. A visita (com uma generosa degustação) revela uma produção muito artesanal e caprichosa. Reservas pelo Facebook ou e-mail.

Azeites e Aromas

Quem acha que apenas os países mediterrâneos produzem bons azeites vai quebrar a cara quando chegar no Olival da Bocaina, em Silveiras. A 1.200 metros de altitude, Aníbal Cury e Dominique Pierre Faga encontraram condições especiais de solo e clima para plantar oliveiras. Recebem visitantes para conhecer e degustar a produção. Reservas por e-mail.

Também localizada em Silveiras, a Essência da Bocaina produz deliciosos óleos, sabonetes e cosméticos orgânicos a partir de flores e plantas cultivadas por lá mesmo, como lavanda, girassol e gerânio. Outro lugar icônico na região é o já famoso Lavandário, em Cunha, que faz e ensina o cultivo e destilação de lavanda (obviamente) e outras ervas aromáticas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.