Bruna Toni/Estadão
Bruna Toni/Estadão

Deserto do Kalahari: da inóspita salina a áreas repletas de habitantes

Contradições do hábitat único garantem ao turista desde o contato com animais e tribos milenares até o um exercício de introspecção 

Bruna Toni, O Estado de S. Paulo

30 Junho 2015 | 00h01

MAKGADIKGADI - Se alguém me perguntar se há barulho no silêncio, direi com toda a certeza que sim. E contarei que a sua intensidade tem o tamanho do deserto do Kalahari.

Já era fim de tarde quando Super, um botsuano de mais de 2 metros de altura, parou o carro do Jack’s Camp no meio da salina, uma área dentro do Kalahari de tamanho equivalente à Suíça. Não havia nada ali além de nosso grupo, do chão branco-acinzentado e do céu soltando relâmpagos ao longe, prestes a nos engolir. 

Depois do cair da noite e de minutos de introspecção, tivemos uma aula de geografia in loco. Iluminado por um lampião, Super abriu o mapa e nos explicou, entre um e outro gole de vinho, os detalhes da fauna e da flora daquela região. O Kalahari em si vai muito além da salina inóspita: tem 2,5 milhões de quilômetros quadrados e cobre 84% do território de Botsuana. 

Longe de ser monótona, sua paisagem é bem diferente daquela do Delta, composta por uma vegetação mais rasteira. As zebras estão por toda parte, acompanhadas de antílopes que aproveitam a umidade da noite e o começo da manhã para se alimentarem. Também há leões, pássaros, chacais, avestruzes, hienas, gnus... Mas ninguém rouba tanto a cena quanto os suricatos, alçados à fama com o personagem Timão, de O Rei Leão.

Tradição milenar. Um dos passeios rompe o silêncio do deserto ao nos colocar em contato com os bushmen, coletores e caçadores que habitam o país há milhares de anos e, hoje, fazem parcerias com os acampamentos do Parque de Makgadikgadi para manter suas tradições e seu idioma, o afrikaans. 

Dessa vez, nossa caminhada não é em busca de animais, mas da compreensão do outro que é tão diferente de nós. O que aparenta ser um punhado de mato ganha significado nas mãos desse povo: propriedades medicinais, alimento ou uma maneira de matar a sede. Como disse Sebastião Salgado sobre sua passagem por lá, os bushmen sabem exatamente o que comer e o que envenena, fazem fogo com as próprias mãos e mantêm costumes que vão do fumo natural a uma brincadeira feita apenas com o barulho das mãos.

Voltar às origens é também a proposta do Jack’s Camp, onde não há energia elétrica. Questão de opção – seu proprietário, Ralph Boesfield, quis manter o lugar com a mesma essência da época em que seu pai o criou, na década de 1960. 

Trata-se do camp mais rústico e ligado à história local que encontramos. E o que mais se aproxima do conceito peculiar de luxo que parece ser a proposta do setor hoteleiro do país. O quarto (diárias desde US$ 1.730, por pessoa) parece uma tenda árabe, com camas altas e um banheiro cujo vaso sanitário é literalmente um trono e a pia, uma penteadeira. 

A área social, que dá acesso à piscina e onde ficamos até que a escuridão chegue e nos diga que está na hora de dormir, também funciona como museu de história natural – importante em um país que não possui muitos. Além do Jack’s, há mais quatro opções de hospedagem por lá. Mais em unchartedafrica.com.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.