Devoção e cores no Círio de Nazaré

Maior procissão do País deve reunir mais de 2 milhões de fiéis

O Estado de S.Paulo

07 Outubro 2008 | 02h49

Todos os anos, sempre no segundo fim de semana de outubro, uma multidão de cerca de 2 milhões de pessoas demonstra sua fé pelas ruas de Belém. A grande procissão do Círio de Nazaré, uma das maiores manifestações religiosas do País, ocorre no próximo domingo - e as homenagens a Nossa Senhora de Nazaré começam pouco antes, no sábado. Nesse dia, o percurso da santa rumo à Basílica Santuário terá início às 18 horas, no Colégio Gentil Bittencourt, local da vigília, que se estende até meia-noite. Em seguida, a imagem será levada para a Catedral da Sé, a menos de 500 metros de distância. Quando a relíquia chegar à igreja, será hora de acender os círios - velas que podem ter a altura de uma pessoa - e da queima de fogos. Ainda na catedral, muito cedo, às 5h30, começa a missa que antecede o momento principal - e mais disputado - do fim de semana, a procissão. Tradicionalmente, quando os sinos batem 7 horas, romeiros bem dispostos se espremem sob o sol para acompanhar a imagem ou, com sorte, chegar perto da berlinda que carrega a santa. Os motivos para tanto sacrifício são muitos, como devoção e agradecimento por alguma graça alcançada. O trajeto de 4,5 quilômetros entre a Catedral da Sé e a Basílica do Santuário leva, em média, duas horas e meia para ser percorrido - mas já chegou a demorar nove horas, em 2004, quando a procissão bateu recorde de tempo de duração. No percurso, casas enfeitadas e muitas cores em homenagem ao Círio de Nazaré. Na Basílica, a imagem de Nossa Senhora fica exposta durante 15 dias. Neste ano, os organizadores esperam superar em 100 mil o número de pessoas que seguirão pelas ruas de Belém. A programação do Círio termina no dia 27. HISTÓRIA A devoção a Nossa Senhora de Nazaré começou no Pará em 1700, quando o caboclo Plácido encontrou uma imagem da Virgem no Igarapé Murutucu - onde hoje está localizada a Travessa 14 de Março, em Belém. A história conta que Plácido levou a imagem para casa e, misteriosamente, ela retornou ao local onde foi encontrada. O fato se repetiu várias vezes e ele decidiu erguer uma pequena capela no local. Nove décadas depois da construção da igreja começou a tradição do Círio de Nazaré. A procissão foi realizada pela primeira vez em 8 de setembro de 1793, uma quarta-feira, como pagamento de uma promessa. Naquele ano, o governador Francisco Coutinho organizou uma festa pública para divulgar a devoção. Às vésperas das comemorações, o político adoeceu e prometeu à Virgem que, se melhorasse, buscaria a imagem e a levaria até o Palácio do Governo, onde celebraria uma missa. Em seguida, a traria de volta. Recuperado, ele cumpriu o acordo com a santa. Assim, teve início a maior procissão religiosa do Brasil. O evento ganhou nova data - no mês de outubro - no ano de 1900. Informações: www.ciriodenazare.com.br

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.