Dez coisas que você precisa saber

Cada item poderia virar tese em Dubai. Mas quando o texto ficasse pronto, o lugar já teria mudado

Adriana Moreira, O Estado de S.Paulo

02 Junho 2009 | 02h24

1. Transporte público não é o forte da metrópole. Dubai não é uma cidade para longas caminhadas ou pedaladas. Há trechos sem calçada, não existem ciclovias (mas há planos para isso) e o metrô só deve ser inaugurado no próximo ano. Por isso, o principal meio de transporte por lá é mesmo o carro. De táxi, uma corrida de 20 minutos custa, em média, 28 dirhans (R$ 15). Se seu destino for um dos shoppings, confira se seu hotel não é um dos agraciados pelos serviços de ônibus gratuitos, que levam e trazem os turistas em horários determinados.

 

Veja também:

linkReconstruindo a mutante Dubai

linkAtrações 'antigas' e novíssimas

Se estiver pensando em fazer um city tour nos famigerados ônibus turísticos de dois andares, pense bem se vale a pena. Há duas linhas disponíveis, com preços desde US$ 42 (R$ 85). Informações: http://www.bigbustours.com/.

2. Bares e baladas concentram-se nos hotéis. Afinal, apenas eles e alguns clubes têm licença para vender bebidas alcoólicas. Os preços são altos: uma cerveja long neck pode custar US$ 10 (R$ 20), como no belo The Roof Top, do Royal Mirage One & Only. Pode-se comprar também no Duty Free, mas jamais consumir em público. Quando sair à noite, tenha em mente que o público baladeiro de Dubai gosta de se arrumar. A paquera não é o forte: cada um acaba ficando mesmo com seu grupinho e há, no máximo, uma troca de olhares. Por falar nisso, tenha cuidado com as demonstrações de afeto em público: beijo na boca, nem pensar.

3. Visite o museu de Dubai. Ou não. A concepção é interessante, com bonecos montados em cenários que reproduzem o modo de vida dos primeiros habitantes da cidade, pescadores e nômades. Mas o senso de preservação histórica realmente não é o forte de Dubai. O museu fica em uma fortaleza de 1787, que foi reformada há alguns anos para abrigar o acervo. Além dos tais bonecos, há objetos do século 5.º a.C., encontrados em escavações em Jumeirah. Mas você vai se impressionar mesmo é com as fotos que mostram a transformação da cidade entre a década de 1970 e os dias de hoje. Entrada: 3 dirhans (R$ 1,60).

4. Quando estiverem prontas, as diversas ilhas artificiais devem aumentar o litoral de Dubai em 12 vezes - dos atuais 70 quilômetros para 820 quilômetros. As obras avançaram mais em Palm Jumeirah, que já tem infraestrutura e casas construídas. Ainda estão em andamento Waterfront, Palm Deira, Palm Jebel Ali e The World, com mais de 300 ilhas representando o mundo. O acesso a elas será feito somente de barco. Ao seu redor, planeja-se The Universe, com ilhas que lembram o cosmos. Mas esse projeto ainda não saiu do papel.

5. Não se sabe qual será o tamanho do Burj Dubai, o edifício mais alto do mundo. A medida exata só vai ser divulgada na inauguração, em 9 de setembro. Sabe-se que o prédio terá mais de 160 andares, entre um hotel, residências, escritórios e deck de observação.

6. Fuja do tour à mesquita de Jumeirah, a não ser que você queira fazer uma tese sobre o islamismo. As visitas turísticas são abertas a não-muçulmanos quatro vezes por semana e o guia explica, passo a passo, todas as nuances da religião. Você ouvirá tudo por pelo menos uma hora, sentado no chão. Além disso, a mesquita nem é tão bonita internamente: uma foto externa está de bom tamanho. Se ainda assim você quiser ir, saiba que as mulheres devem vestir calça comprida ou saia longa e cobrir os cabelos - há lenços disponíveis para as turistas.

7. Calor, só lá fora. Com temperaturas que podem chegar aos 40 graus no verão, não é de se estranhar a paixão de Dubai pela neve. A pista de esqui do Mall of The Emirates já é famosa e, para concorrer com ela, o novíssimo Dubai Mall construiu um rinque olímpico de patinação no gelo. O preço para duas horas de diversão, com aluguel de equipamento, é de 50 dirhans (R$ 27). Para esquiar na neve artificial do Mall of The Emirates você vai gastar 80 dirhans (R$ 44) a hora, com equipamento.

8. Faz menos de um ano que o Aeroporto de Dubai inaugurou o Terminal 3, exclusivo para operações da Emirates. Mas como a metrópole não pode parar, um novo aeroporto internacional, de proporções homéricas, deve iniciar as operações em junho de 2010 - a inauguração foi adiada em um ano por causa da crise. O novo aeroporto, que custou mais de US$ 33 bilhões, terá o tamanho combinado do Heathrow, de Londres, e do O?Hare, de Chicago.

9. Reserve um dia para fazer um rali no deserto. Há várias empresas que pegam os turistas nos hotéis e levam para o tour pelas areias da reserva ecológica em carros 4X4. Você pode dar sorte de encontrar algum órix, espécie de antílope da região. Mas mesmo se não vir nenhum, vai amar o passeio. Além de apreciar o pôr do sol nas dunas, terminará o dia num acampamento árabe, com jantar típico, narguilé e show de dança do ventre (esse último, dispensável). Leve um casaco: à noite faz muito frio. Custa US$ 50 (R$ 100), em média.

10. Comer faz parte da diversão. Os melhores restaurantes estão em hotéis. No Atlantis, há quatro: Ronda Locatelli (italiano), French Brasserie (francês), Ossiano (frutos do mar) e Nobu (japonês). No ano passado, o chef francês Pierre Gagnaire inaugurou o Reflets, no Intercontinental. Outra experiência fabulosa é o Al Mahara, no Burj Al Arab. Você vai gastar perto de 1.500 dirhans (R$ 822), mas sairá satisfeito como um sultão.

Mais conteúdo sobre:
ViagemDubai

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.