Dias de vertigem nos shoppings

Centros de compras se unem formando complexos gigantescos, especializados em roupas, eletrônicos...

O Estado de S.Paulo

25 Novembro 2008 | 02h43

As ruelas de Insadong, cobertas de lojas com peças típicas, estão longe de ser o único lugar para quem não consegue viajar sem voltar com a mala abarrotada de novos itens. Roupas a preços imperdíveis, lançamentos de grifes internacionais, eletrônicos. Cada tipo de produto pode ser encontrado em um lugar específico de Seul, a capital coreana do consumo. As mulheres costumam começar pelo Mercado Dondaemun, complexo que começou a ser formado em 1905 e, de lá para cá, mantém a fama de não decepcionar os mais consumistas. São nada menos que 20 shoppings em um só bairro, com preços bastante razoáveis. As roupas são os principais atrativos, com setores para varejo e atacado. Quem trabalha com quantidade, porém, não se nega a vender uma ou outra peça avulsa. Mas você terá de se adaptar: não há provadores ou chance de trocar o produto, como no paulistano Bom Retiro. Para encontrar grifes, vá aos calçadões chiques lotados de gente até a noite do bairro de Myen-dong (a Seoul Tower, principal mirante da cidade com 365 metros, fica ao lado). Lá está a Lotte World, loja de departamento gigante com hotéis e um duty-free. Outro shopping badalado é o COEX Mall, à sudoeste do Rio Han, onde está a livraria Bandi & Luni?s, com um enorme catálogo em inglês. PLUGADO Quer eletrônicos? O melhor lugar para adquirir câmeras digitais, videogames e outros tantos do gênero é o complexo Yongsan Mall. Desça na estação de metrô homônima e prepare-se para entrar em um mundo à parte. Novatos ficam perdidos mesmo. E não há como ser diferente. São shoppings e mais shoppings, alguns praticamente iguais por fora. Mas não se engane. Cada um tem lá sua própria lógica. O primeiro que você vai encontrar é o I?Park Mall, conectado à Estação Yongsan. O terceiro andar, justamente onde você vai chegar, é dedicado a itens como MP3 e câmeras digitais. O quarto e o quinto pisos vendem eletroeletrônicos e computadores. Já o oitavo andar é um formigueiro: lá estão os mais modernos tipos de celulares. Sentiu o problema? Os preços não são exatamente uma pechincha para brasileiros, mas os produtos podem sair mais em conta do que se forem comprados em São Paulo. Por isso mesmo, retome as andanças em Yongsan. Ainda falta ver o Najin Mall, o Seonin Mall, a Electronics Land... FILIPE SERRANO

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.