Dicas úteis para escolher sua hospedagem

Nosso magnífico viajante informou, em sua última correspondência à redação, que estava embarcando para Katmandu, a fim de auxiliar e testemunhar a saga dos nepaleses diante do gigantesco terremoto que assolou seu pequeno e belíssimo país. Aguardamos notícias mais frescas para breve. A seguir, a correspondência da semana:

Mr. Miles, O Estado de S.Paulo

05 Maio 2015 | 02h06

Prezado mr. Miles: o senhor nunca fala sobre hospedagem porque diz hospedar-se com amigos. E eu, como leitor, fico perdido na hora escolher onde ficar. Há tanta oferta e tão poucas dicas realmente funcionais. Hotéis de luxo, pousadas, hotéis-butique, hotéis-design... O senhor poderia me ajudar com sua experiência?

Dino Alves Machado, por e-mail

"Well, my friend: a sua pergunta é genérica e, portanto, posso respondê-la sem qualquer prurido ético, já que não mencionarei o nome de hotéis, pousadas ou residências de bons amigos em que fico. Besides, tenho curiosidade de conhecer novidades em hospedagem e costumo visitar muitos desse lugares. Vamos às minhas humildes considerações de viajante, que, espero, possam ajudá-lo.

1.

Em qualquer circunstância,

ao apresentar-se ao recepcionista, se ele lhe der as costas em silêncio, sair rumo a uma saleta anexa ou começar a remexer uma pasta de papéis sem manifestar sequer um sorriso... well, vá-se embora! O recepcionista é tão importante quanto a cama em que você vai dormir. E, se ele for rude, aposto que ela será desconfortável.

2. Se for uma pousada, faça uma escolha: entre duas do mesmo padrão, escolha, always, a que tiver mais carinho pessoal perceptível. Paredes frias com pinturas caras usually significam menos do que pequenos detalhes, como flores e frutas locais nos cantinhos da recepção, retratos de família, livros usados e outros indícios de que o lugar é mais resultado de um projeto de vida do que de um business plan. Do you know what I mean?

3. Hotéis tradicionais costumam funcionar muito bem, mas há que encará-los com o devido respeito. A longevidade pode fazer com que tenham se tornado demasiadamente soberbos, olhando para seus passageiros de cima para baixo ? como se a inspecioná-los em busca de piolhos. Nesse caso, of course, deixe-os falando sozinhos.

Se, however, você perceber que eles tiveram a modéstia de rejuvenescer com o tempo, a chance de uma ótima estada deve ser considerada. Don?t you agree?

4.

Se o estabelecimento se chamar ?hotel-butique?, tenha cuidado. A palavra, criada na cidade de St. Tropez, na França, para definir as pequenas lojinhas com o espaço de uma caixinha (butique), está muito na moda e não significa nada. Os proprietários de certos hotéis usam-na para informar que se tratam de estabelecimentos pequenos, exclusivos e luxuosos. However, I?m sorry to say, nem todos são butiques da Avenue Montaigne, em Paris. Alguns lembram, I?m afraid, certas butiques da Rua José Paulino, em São Paulo.

5. Pior do que ser um hotel-butique é ser um hotel-design. Well: todos os hotéis têm algum tipo de design, que varia entre o mais desarmonioso alcançável até, in fact, algumas belas criações.

Na prática, dear Dino, tenho percebido que essa alcunha tem sido usada para batizar certas propriedades reformadas que resultaram em apartamentos díspares, muitos dos quais, de tão esdrúxulos, acabaram tornando-se, mesmo, de design. Awful design, unfortunately. Mas para que não me julguem um velho ranzinza, admito que existem, no planeta, milhares de hotéis com design fabuloso. Quase nenhum deles, however, usa essa especificidade como destaque de seu nome.

Numa próxima edição, falo mais sobre o tema. Have a nice week, folks...

*Mr. Miles é o homem mais viajado do mundo. Ele esteve em 183 países e 16 territórios ultramarinos 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.