Laura Capelhuchnik/Estadão
Laura Capelhuchnik/Estadão

Disney renova cardápio vegano de seus parques nos EUA

Empresa endossa tendência entre empresas de turismo nos EUA de oferecer maior variedade de opções para quem não come produtos de origem animal

Hannah Sampson, The Washington Post

03 de outubro de 2019 | 06h00

Recentemente Eric Brent fez um cruzeiro para os Países Bálticos com mais de 800 pessoas e foi uma viagem que não imaginava há algumas décadas. O navio de cruzeiro era totalmente vegano.  “Há muitas companhias fazendo isto agora”, disse Brent, fundador do website e aplicativo HappyCow que lista opções de restaurante vegano em 180 países. “Está  cada vez mais popular”, acrescentou.

No ano passado a empresa de turismo australiana Intrepid Travel lançou as “aventuras de comida vegana” para Índia, Itália e Tailândia. Este ano linhas de cruzeiro como a Oceania Cruises Regent Seven Seas Cruises, anunciaram cardápios à base de vegetais com mais de 200 opções à escolha. A Royal Caribbean International acrescentou um menu vegano do seu navio Providence. Em julho, Rhode Island ganhou um novo espaço de comida vegana chamando Plant City, que se tornou um point turístico. E naturalmente o Burger King adicionou ao cardápio seus hambúrgueres veganos quando anunciou o lançamento do Impossible Whooper em todo o país no final do ano.

“Sem dúvida a moda pegou como nunca vimos antes”, disse Brent, vegano há 30 anos e que lançou seu Happy Cook há 20 anos.

Semana passada, a Disney passou a oferecer uma acolhida calorosa para as pessoas que não comem produtos animais. A gigante dos parques temáticos anunciou uma ampla expansão dos seus cardápios, prometendo que todos os seus restaurantes de mesa e de fast-food incluirão pratos veganos nos parques e hotéis nos Estados Unidos.

“Durante anos e anos sempre nos empenhamos para ter alguma coisa sem carne à disposição dos clientes”, disse Cheryl Dolven, gerente de saúde e bem-estar da divisão de bebidas e alimentos do Disney Parks. “Tivemos muitos pedidos para tirar laticínios, ovos ou mel também”.

Novidades no menu

Os parques têm alguns pratos que se ajustam nessa descrição. Mas a nova iniciativa, disse ela, “é nossa maneira de entrarmos totalmente nessa linha. Um ícone com uma folha verde indicará que pratos se encaixam na definição vegana”

A Disney não usa termos como “vegano” ou “vegetariano” porque a companhia entende que não há uma definição consistente, disse Dolven. Em vez disto, ela especifica que seus pratos à base de vegetais não incluem carne animal, laticínios, ovos ou mel. (A Sociedade Vegana define a dieta vegana do mesmo modo e acrescenta que os veganos evitam produtos derivados de animais testados em animais e de lugares que usam animais para entretenimento).

“Sabemos que o menu também atende às necessidades de um número cada vez maior de americanos que podem não ter tirado a carne da sua dieta, mas estão colocando mais vegetais no seu prato”, disse Chreyl Dolven.

Uma pesquisa Gallup de 2018 mostra que, embora o número de pessoas que se identificam como vegetarianas (5%) ou veganas (3%) tenham mudado em comparação com 2012, as vendas de alimentos à base de vegetais aumentaram mais de 8% em 2017.

As vendas de alimentos à base de vegetais sem um aumento correspondente na porcentagem de americanos que são veganos ou

vegetarianos provavelmente indica um interesse maior no geral por esses produtos”, disse a Gallup. “Baseado no crescimento do mercado e nas mais recentes pesquisas da Gallup sobre vegetarianismo e  veganismo, parece que os americanos estão predispostos a incluir alternativas aos produtos de base animal em seu cardápio, mas não abandonar esses produtos completamente”.

No Walt Disney World Resort na Flórida, que abrange quatro parques temáticos, novas opções já estão no cardápio nos restaurantes de fast-food e, no dia 3 de outubro, nos locais com serviços de mesa. Numa postagem em seu blog, a companhia informou que mais de 400 pratos à base de vegetais estarão disponíveis. Na Disneylândia, na Califórnia, as novas ofertas de pratos começarão na primavera de 2020.

Outros parques

A medida levou pelo menos dois anos para ser tomada, disse Dolven. O  longo planejamento se deveu, em parte, ao fato de a empresa desejar que os novos pratos se encaixassem nos temas dos restaurantes onde seriam servidos. “Não queríamos que fosse apenas massas e molho. Nossos chefs se envolveram totalmente com essa iniciativa”.

A Disney não é a única operadora de parques temáticos a aumentar suas ofertas para veganos e vegetarianos. No fim do ano passado, o Universal Orlando Resort anunciou novas opções veganas no seu cardápio em um punhado de restaurantes. E este mês o SeaWorld Parks & Entertainment anunciou a inclusão no menu do Impossible Burger nos seus 12 parques, incluindo o Sea World, Busch Gardens e Sesame Place.

“Posso dizer que pratos à base de vegetais são, sem dúvida, uma das maiores tendências em termos de alimentos e bebidas neste momento”, disse Cheryl Dolven.

Tradução de Terezinha Martino

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.