Diversão sem medo do frio

Não é de hoje que, quando a temperatura cai no Hemisfério Norte, alguns estabelecimentos apostam não mais no conforto dos aquecedores, mas na inusitada combinação de gelo, casacos, boas bebidas e muita diversão. Após muitos bares e hotéis de gelo conquistarem visitantes com disposição para entrar, literalmente, numa fria, os destaques desta temporada incluem parques, castelos e até igrejas.

FELIPE MORTARA, O Estado de S.Paulo

10 Janeiro 2012 | 03h08

Moradores da pequena cidade alemã de Mitterfirmiansreut (mitterfirmiansreut.de), na região da Baviera, decidiram reconstruir uma igreja de gelo no mesmo lugar onde outra derreteu há cem anos. Inaugurada no fim de dezembro, nas proximidades com a República Checa, a capela promete se transformar em point turístico na região, que recebe esquiadores e snowboarders. A construção conta com uma torre de 17 metros de altura e tem capacidade para 190 pessoas. Batizada por um jornal local como "iglu de Deus", custou quase US$ 200 mil (R$ 369 mil) e deve ficar de pé até meados de abril, quando o sol se encarregará da demolição natural.

Igualmente surpreendentes, os Castelos de Gelo de Silverthorne (icecastles.com), no Estado norte-americano do Colorado, formam uma espécie de labirinto branco. O conjunto de arcos, passarelas e túneis de gelo chegam a atingir 12 metros de altura. E o mais impressionante: sem nenhuma estrutura de sustentação.

Monumentos europeus como a Torre Eiffel ou o Coliseu também ganharam uma versão gelada desde quinta-feira, no Festival Internacional de Escultura na Neve e Gelo em Harbin, a 1.200 quilômetros de Pequim. A cidade totalmente construída com cubos de gelo - que deve ficar de pé até 28 de fevereiro - expõe pontos turísticos, castelos e as mais variadas esculturas em uma área de 65 mil metros quadrados. À noite, as dezenas de holofotes coloridos dão brilho especial ao cenário. Não há sites em português ou inglês do evento, mas no tinyurl.com/harbin5 é possível ter informações básicas sobre o festival.

Iglu particular. Também com prazo de validade, muitos hotéis de gelo dependem das baixas temperaturas da estação para começar a funcionar. Prestes a ter sua 22.ª versão, o Ice Hotel (icehotel.com), em Jukkasjärvi, na Suécia, é o pioneiro na arte de hospedar pessoas dentro de algo que poderia ser classificado como um confortável congelador. A cada ano, os cômodos são feitos sob a batuta de um decorador diferente.

Não muito distante dali, o Kirkenes Snowhotel (kirkenessnowhotel.com), na Noruega, oferece 20 quartos com a garantia de manter a temperatura a suaves 4 graus negativos. Já o preço não é tão leve assim: a diária custa a partir de 2.350 coroas norueguesas (R$ 723) por noite, o casal. Aviso aos interessados: o hotel organiza passeios para perseguir a aurora boreal. Ainda acima do Círculo Polar Ártico, em Lainio, na Finlândia, o Snow Village (snowvillage.fi) é um complexo de lazer construído com mais de mil caminhões de neve, que oferece de hospedagem a bares e restaurantes - todos congelantes.

A mais de 2 mil metros de altitude, em plena Transilvânia, na Romênia, o Hotel of Ice (hotelofice.ro) é uma opção mais econômica para desfrutar da sensação de passar a noite em um iglu duplo, disponíveis por desde € 35 (R$ 83). Também de bater o queixo, o restaurante propõe um menu especial, com creme de ovas de salmão defumado e um medalhão de bife com molho de pimentas verdes por € 60 (R$ 142) por pessoa.

Do outro lado do Atlântico, os hóspedes do Hotel de Glace (hoteldeglace-canada.com), em Quebec, no Canadá, dormem em camas de gelo, mas sobre isolantes térmicos feitos em pele de rena e com potentes sacos de dormir. Tudo para enfrentar o frio que pode chegar a 10 graus negativos no quarto. Cada noite sai por US$ 200 (R$ 369) por pessoa.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.