Diego Zanchetta/AE
Diego Zanchetta/AE

Diversidade em quatro incomparáveis escalas

Areias douradas ou vermelhas, aves raras e animais únicos se mostram em cada parada

Diego Zanchetta,

18 Outubro 2011 | 00h00

Uma praia de areias avermelhadas aqui, outra perfeitamente dourada adiante. Tartarugas gigantes e recifes de corais. Floresta ou o visual árido da lava vulcânica seca. Em Galápagos, cada ilha tem suas particularidades e oferece ao visitante um passeio sem comparações possíveis. Pode preparar as expressões de surpresa e a máquina fotográfica.

 

Ilha Bartolomé

Nada melhor que uma visita a essa ilha de formação vulcânica para começar a entender a diversidade de Galápagos. O solo seco, sem nenhuma vegetação, abriga espécies raras como lagartos-de-lava e cactos-amarelos. Do ponto mais alto, após subir uma escada de madeira de 835 degraus, é possível ter uma vista incrível do Pináculo, rocha que é um dos cartões-postais do arquipélago. Também avistam-se ao fundo a Baía Sullivan e a Ilha de Santiago. É possível notar a lava que escorreu das cavas vulcânicas e os cones de cinzas no entorno. Na praia de areia dourada e mar azul-turquesa, quem não se intimida com a água gelada do Pacífico pode mergulhar perto do Pináculo, ao lado de lobos-marinhos e pinguins.

 

Ilha Fernandina

Com falhas geológicas que criaram penhascos de vistas panorâmicas, a ilha foi encoberta pela lava de uma erupção ocorrida há 3 milhões de anos no Vulcão Wolf. Aqui começam a ser observadas as tartarugas gigantes típicas do arquipélago. Os cactos nascem de troncos retorcidos e as iguanas negras parecem ter saído de uma cava vulcânica.

 

Ilha Rabida

Com uma praia de areia avermelhada e cardumes de peixes multicoloridos e recifes, é uma das mais deslumbrantes do arquipélago. Só com o snorkel já é possível ter a sensação de estar flutuando entre tartarugas gigantes e lobos-marinhos. Há também uma floresta de pau-rosa a ser desbravada por trilha. O visual é tão incrível que a jornada parece nunca cansar. Na volta até o bote que leva o grupo ao iate, as dezenas de lobos-marinhos que descansavam na praia pareciam nem notar a presença dos turistas.

 

Ilha Espanhola

Considerada a ilha mais antiga do arquipélago, é lar dos incríveis piqueros-de-patas-azuis e dos albatrozes de Galápagos - prepare-se para ver estas espécies bem de perto. Já na chegada, leões-marinhos dão as boas-vindas em um mar de azul infinito. Você deve prestar muita atenção ao chão para não pisar em alguma iguana ou ave rara como o atobás-de-Nazca. Gaviões e serpentes também surgem por toda parte.

 

 

 

Na companhia de tubarões e pinguins

 

 

Não foram necessários nem dez minutos no fundo do mar de Galápagos. E lá estavam dois tubarões-martelo, quatro pinguins e uma fêmea de lobo-marinho ao lado de seu bebê. Atônito, me perguntei se ainda haveria algo mais espetacular nos próximos 30 minutos de mergulho que a sensação de "voar" na companhia de animais tão raros e amistosos.

 

A resposta vem mais quatro metros abaixo, no mar da Ilha de Bartolomé, quando uma arraia dourada gigante se desprende de uma cava vulcânica coberta por lava. A paisagem do mundo submerso de Galápagos é tão ou mais incrível que a terrestre. A mistura de vulcões com fauna e flora de exotismo pré-histórico flutua num mar límpido - a visibilidade ultrapassa os 20 metros.

 

As tartarugas gigantes também passam mansamente ao lado dos mergulhadores. Sem falar na profusão de roxos e amarelos dos cardumes de peixes. E tudo isso sem que você esbarre em nenhuma lata de cerveja - como costuma ocorrer em destinos de mergulho menos preservados.

 

Mesmo para quem não tem o curso de mergulho com cilindro, é possível ver muito da beleza subaquática com snorkel e pés de pato - basta nadar pelos arredores do Pináculo.

 

O mergulho na ilha espanhola permite observar tubarões-gralha. Nos meses de novembro e dezembro, tubarões-baleia e cachalotes aparecem por lá, segundo os guias.

 

Água gelada. Mesmo num país tropical como o Equador, as águas do Pacífico são frias. A temperatura varia entre 16 e 20 graus, o que exige trajes de neoprene de pelo menos 5 milímetros de espessura. Roupas e equipamentos são fornecidos pelas operadoras dos cruzeiros.

Mais conteúdo sobre:
Galápagos

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.