Marco Pomárico/AE
Marco Pomárico/AE

Do Rajastão às Ilhas Andaman, um país além do cartão-postal

Esta jornada pela Índia real passa por áreas colonizadas por portugueses com igrejas que lembram Minas Gerais

Rachel Verano e Marco Pomárico, O Estado de S.Paulo

28 Abril 2009 | 02h53

O trem 2016 partiu da estação de Nova Délhi às 6h10 em ponto e, mal o sol venceu a espessa névoa das manhãs de inverno indianas, já estávamos rompendo as intermináveis planícies do norte. Enquanto a plataforma entre os vagões sacolejava fortemente com as portas abertas, o calor do lado de fora entrava. O maior Estado indiano começava a se revelar pouco a pouco.  

 

O trem vencia com longos apitos a secura do Rajastão e de suas paisagens monótonas, só quebradas vez ou outra pelos vultos coloridos dos sáris vagando no meio do nada. Começava o dia na região mais indiana da Índia. Em poucos minutos desembarcaríamos na terra dos palácios nababescos, dos cortejos de elefantes, das maiores feiras de camelos do mundo, dos marajás jamais destituídos da aura de seus dias de glória.

 

Veja também:

Dicas de viagem e sugestões de hotéis nos destinos visitados

Thar: mar de areia e de estrelas

Na imensidão do Himalaia, pedidos coloridos a Buda

Segredo com cenários e cores da Tailândia

Igrejas e bacalhau na Lisboa indiana

Inesperada fusão entre Europa e Bollywood

Nova Délhi: 48 horas na frenética capital

Ajmer, a primeira parada, é o ponto de desembarque para visitar Pushkar, a 11 quilômetros de distância, uma cidadezinha bucólica às margens de um lago sagrado, com menos de 15 mil habitantes. Com seus templos e ghats (escadarias para o Rio Ganges) que acolhem peregrinos hinduístas vindos de todo o país, Pushkar é um oásis de tranquilidade durante 255 dias no ano - nos outros, enlouquece num dos festivais mais vibrantes e coloridos do mundo.

 

Fotos: Marco Pomárico/AE 

Feira de camelos em Puchkar, sadhu em plena meditação e ruela no centro histórico de Jodhpur

O que era para ser apenas a maior feira de camelos do planeta - com nada mais, nada menos que 50 mil animais - acabou por se transformar na mais excêntrica manifestação cultural de um país que já tem exotismo de sobra. Como pano de fundo, um parque de diversões mambembe e suas atrações típicas: roda-gigante, globo da morte e uma versão da Monga, a mulher que vira macaco. Num terceiro plano, sadhus meditam às margens do lago sagrado, enquanto peregrinos hinduístas se banham e acendem velas flutuantes.

De lá, um pequeno desvio nos leva a Bundi, uma cidade de fachadas em tons pastéis que floresceu durante o período rajputa. Coroada por uma imponente fortaleza erguida no século 14, Bundi guarda um dos mais encantadores palácios do Rajastão, recheado de painéis e mosaicos esculpidos nas paredes.

PERCALÇOS

Um misto de trem e ônibus nos levaria ao nosso próximo destino: Udaipur. Chegamos na estação às 9 horas - com exatos 36 minutos de antecedência para a partida. Diferentemente do que ocorre em outras regiões da Índia, comprar o bilhete foi fácil, rápido e barato (42 rupias por pessoa, ou menos de R$ 2). Difícil foi fazer o tempo passar até que o trem chegasse na plataforma, com quase duas horas de atraso.

Quando a locomotiva se aproximou, a sensação foi de alegria e tristeza. Braços para fora das janelas denunciavam o calor de dentro. Havia gente no teto, no chão, nas camas suspensas. Crianças chorando, brincando, dormindo, comendo.

Aparentemente, não havia espaço vazio (os assentos não eram marcados), mas encontramos dois lugares ao lado de uma família de Chittorgarh. Após ouvir a voz doce da mãe, uma professora de inglês, dizendo que saíram de Chennai, no sul da Índia, três dias antes, começamos a relaxar. Afinal, passaríamos só três horas ali - e eles pareciam estar bem mesmo depois daquela longa jornada.

A etapa de ônibus até Udaipur demorou outras duas horas. Mas apreciar o fim de tarde numa varanda debruçada sobre o Lago Pichola fez o sacrifício da viagem parecer nada. O sol baixou devagar por trás do Lake Palace, extravagância erguida pelo marajá Jagat Singh II, em 1746, na Ilha de Jagniwas. Tudo ganhou contornos mágicos.

CONTO DE FADAS

A mais romântica cidade indiana é formada por uma sucessão de palácios de contos de fadas. Entre eles está o maior de todo o Rajastão, com fachada de 30 metros de altura e quase 250 metros de largura. E também o maravilhoso monumento que ocupa toda a ilhota de Jagmandir - e teria servido de inspiração para o imperador Shah Jahan construir o mais que famoso Taj Mahal, em Agra.

Jodhpur, também conhecida como Cidade Azul, está a cerca de 200 quilômetros de distância e se espalha aos pés do imponente Forte de Mehrangarh, complexo de palácios erguido no topo da montanha, ainda hoje propriedade do marajá local.

O centro histórico, emaranhado de ruelas e becos onde todas as fachadas são pintadas de azul (daí o apelido da cidade), é um novelo encantador de bazares e mansões históricas. O caminho até a estação está cercado de avenidas largas. O trânsito intenso é ditado por buzinas dia e noite. De lá, o Expresso 4060 partiria pontualmente às 22 horas para o destino final: Jaipur.

CIDADE ROSA

A viagem de pouco mais de sete horas passa num segundo, embalada pelo ar-condicionado da terceira classe, onde três beliches se empilham de cada lado da estreita cabine. Ainda é noite quando o maquinista apita anunciando a chegada, mas a estação está em ebulição.

Ebulição que não termina nunca em Jaipur, ou Cidade Rosa, a capital do Rajastão, repleta de mercados, de palacetes, de caos. Uma movimentação só possível de imaginar no maior Estado de toda a Índia, onde se espremem 56 milhões de pessoas. E numa cidade como Jaipur, sem dúvida uma das mais alegres de todo o país.

MANUAL DO TURISTA

Dicas valiosas para evitar os típicos contratempos indianos e deixar você muito mais perto do nirvana:

linkReserve o hotel com antecedência. Parece regra básica, mas, no caso da Índia, desembarcar sem ter lugar certo para dormir deixa você nas mãos dos motoristas de táxi e riquixás, que vão recomendar os hotéis que pagam comissão a eles

linkNão acredite quando o motorista tentar desviar você do caminho. Desculpas como "o hotel está fechado", "em obras" ou "pegou fogo" não passam de truques para levá-lo a hotéis comissionados

linkNunca aceite um serviço sem negociar antes o preço: isso vale para riquixás, táxis, carregadores de mala e afins. Caso contrário, o preço final será sempre extorsivo

linkResolva tudo com um sorriso no rosto. Aumentar o tom de voz e ter atitudes agressivas não levam a lugar nenhum. Quando a situação chegar ao extremo, é a hora de sorrir - eles vão se desarmar e sorrir de volta. É mais forte que eles

linkBarganhe sempre. No hotel, nas compras, nos transportes... Se não quiser a mercadoria, não demonstre interesse. Caso contrário, o vendedor vai persegui-lo sem trégua

linkNão caia nos contos de aceitar flores, papéis de oração, acompanhamento de guias, rezas, etc. É tudo truque. A gentileza será cobrada em algum momento

linkNão dê esmolas. A prática está enraizada na cultura indiana e os turistas são os alvos principais

linkNunca peça "com um pouquinho de pimenta" se você realmente quiser só um pouquinho.

linkQualquer menção das palavras "chilli" ou "spicy" significa que o prato pode vir temperado além dos limites da sua tolerância

linkTenha sempre lenços de papel na bolsa, já que papel higiênico é artigo de luxo na Índia

COMO IR*

linkUS$ 2.719: 9 noites. Nova Délhi, Agra e Jaipur. Beeline (0--11-3171-1544)

linkUS$ 3.125: 12 noites. Nova Délhi, Srinagar, Kargil, Leh e outras. Latitudes (0--11-3045-7740)

linkUS$ 3.337: 8 noites. Nova Délhi, Jaipur e Agra. New Age (0--11-3138-4888)

linkUS$ 3.995: 7 noites. Nova Délhi, Agra e Jaipur. Ambiental (0--11-3818-4600)

linkUS$ 3.998: 10 noites. Dubai, Nova Délhi, Agra e Jaipur. CVC (0--11-2191-8911)

linkUS$ 4.255: 16 noites. Nova Délhi, Jaisalmer, Ranakpur, Udaipur, Pushkar, Jaipur, Agra e outras. Raidho (0--11- 3383-1200)

linkUS$ 4.315: 11 noites. Nova Délhi, Agra, Jodhpur, Goa e outras. Taks Tour (0--11-2821-8800)

linkUS$ 4.348: 11 noites. Nova Délhi, Jaipur, Agra, Khajuraho, Varanasi e Kathmandu. Designer Tours (0--11-2821-8800)

linkUS$ 4.810: 17 noites. Nova Délhi, Mandawa, Bikaner, Jaisalmer, Jodhpur, Udaipur, Pushkar, Jaipur, Fatehpur Sikri, Agra e outras. Intravel (0--11-3206-9000)

linkUS$ 5.254: 16 noites. Nova Délhi, Bikaner, Jaisalmer, Jodhpur, Udaipur, Jaipur, Agra e outras. Tereza Ferrari (0--11-3021-1699) US$ 5.535: 12 noites. Mumbai, Nova Délhi, Kathmandu Agra, Jaipur e outras. Princess Travel (0--11-3388-5288)

linkUS$ 5.608: 12 noites. Mumbai, Jaipur, Agra, Nova Délhi, Varanasi e outras. CI (0--11-3677-3600).

linkUS$ 5.750: 12 noites. Nova Délhi, Jaipur, Jodhpur e outras Teresa Perez (0--11-3799-4000)

linkUS$ 5.890: 21 noites. Nova Délhi, Jodhpur e outras. Filhos da Terra (0--11-3171-2 000)

linkUS$ 7.580: 17 noites. Amsterdã, Nova Délhi, Jaipur, Agra, Khajuhari, Varanasi, Kathmandu e Lhasa.Queensberry (0--11-3217-7100).

*Por pessoa em quarto duplo, com aéreo

Mais conteúdo sobre:
Viagem Índia

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.