Duas semanas no Peru

Envie sua pergunta para viagem.estado@estadao.com

Ricardo Freire, O Estado de S. Paulo

22 Março 2016 | 03h00

Temos 15 dias, incluindo o dia da ida e o da volta, para viajar pelo Peru em abril de 2017. Pensamos em visitar Lima, Cuzco, Puno e Arequipa. Qual é o melhor roteiro? Cibelli, São Paulo

Para quem tem 14 noites para investir no país, sugiro este roteiro intenso, porém bastante factível. A melhor época vai de abril a setembro.

Passe as três primeiras noites em Lima. Ao chegar, resolva questões práticas, como câmbio (leve dólares), chip 3G (passe num supermercado) e passagens de ônibus (a viação Cruz del Sur tem um guichê na loja Wong de Miraflores). No segundo dia, vá de táxi (use o aplicativo EasyTaxi para não negociar corridas) à Plaza de Armas e ao Museu Larco, de arte pré-inca. No terceiro dia, almoce um ceviche e caminhe pelo Malecón de Miraflores – um parque debruçado nas falésias com vista para o mar.

Pegue um ônibus para Nazca; são 7 horas de viagem (cruzdelsur.pe). Hospede-se por uma noite, já com o sobrevoo às Linhas de Nazca agendado para a manhã seguinte (aeroparacas.com). Leia mais sobre Nazca: bit.ly/vianazca.

Prossiga no ônibus das 14h30 a Arequipa (quase 11 horas de viagem). Programe duas noites na cidade. Use o dia seguinte para visitar o Mosteiro de Santa Catalina e passear pelo centro histórico encantador. 

Uma nova viagem de ônibus, desta vez de 6h30, leva a Puno. Fique duas noites. No segundo dia, faça a navegação pelo Lago Titicaca, visitando a Ilha Taquile e as ilhas flutuantes de palha. 

Se couber no seu orçamento, siga a Cuzco no trem de luxo Andean Explorer, da PeruRail (US$ 170). De ônibus, são 6h30. Passe três noites. No segundo dia, explore as atrações do centro (a Catedral, o templo Qoricancha, o Mercado de San Pedro). No terceiro dia, faça sua primeira incursão ao Vale Sagrado: vá a Pisaq e volte (pegue um tour ou vá com as vans regulares que saem da Calle Puputi).

No 12.º dia de viagem, negocie na Calle Pavitos um transfer privado a Ollantaytambo, passando por Chinchero (a igreja mais singela do Vale Sagrado), pelas salinas de Maras e pelas ruínas de Moray (eu consegui por 150 soles, algo como US$ 50).

Durma em Ollantaytambo. Na manhã seguinte, visite o sítio arqueológico do centro da cidade (belíssimo ao amanhecer). À tarde, siga de trem a Machu Picchu Pueblo (compre com antecedência em perurail.com ou inkarail.com). Programe uma noite. No dia seguinte, esteja cedinho no ponto de ônibus para Machu Picchu (compre o ingresso o quanto antes em machupicchu.gob.pe). 

Volte de trem a Cuzco e aproveite sua última noite antes de retornar ao Brasil.

Mais conteúdo sobre:
Ricardo Freire Ricardo Freire

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.