É hora de ir para a praia, de Lençóis a Jeri

O meio do ano é a melhor época para explorar esta região, com um passeio de 4x4

FÁBIO VENDRAME , ESPECIAL PARA O ESTADO, O Estado de S.Paulo

24 Maio 2012 | 03h13

A hora de desfrutar dessa paisagem única no mundo é agora. Até setembro as lagoas formadas pelas chuvas estão cheias, o sol brilha alto e a chance de você se arrepender de ir aos Lençóis Maranhenses, no Maranhão, é zero. E ainda há a possibilidade de complementar o roteiro com o Delta do Parnaíba, no Piauí, e Jericoacoara, no Ceará. Um circuito três-em-um, para ser feito de 10 a 15 dias, com toda justiça batizado de Rota das Emoções (rotadasemocoes.com.br). Imperdível.

E incomparável. Não é exagero dizer que as paisagens que você vê ao longo do caminho dos Lençóis a Jeri simplesmente não existem em outro canto. O percurso tem cerca de 430 quilômetros. O ponto de partida é Barreirinhas, cidade-base para visitar os Lençóis.

Os passeios mais concorridos levam, de barco pelo Rio Preguiças, a mangues e buritizais e, em 4x4, às lagoas do Parque Nacional dos Lençóis Maranhenses. Aproveite para nadar nas águas frescas cercadas por montanhas de areia de até 40 metros. E, claro, assista ao pôr do sol do topo de uma delas. Dunas e lagoas se estendem por cerca de 70 quilômetros na costa e avançam 50 quilômetros para dentro do continente.

Esse cenário vive em constante transformação pela ação dos ventos, que apagam e redesenham as dunas. Não vale visitá-lo quando as lagoas estão secas. O lugar vira praticamente um deserto. É passar calor sem ter as lagoas para se refrescar.

Catar caranguejo. Por falar em calor, prepare-se para a próxima etapa. Já no Piauí, o Delta do Parnaíba o espera com ilhas e igarapés em profusão. Nessa região, o sol parece mais intenso. A curtição fica a cargo de um belo passeio de barco pelo único delta das Américas em mar aberto. Experiência que inclui a cata de caranguejos em manguezais. Sim, você será convidado a enfiar o braço nos buracos em que eles se escondem e orientado a retirá-los de lá. Depois, tem caranguejada no almoço. Diferente e gostoso.

À noite, quando o calor enfim dá trégua, aproveite para passear pelas ruas de Parnaíba. No fim de junho, o município promove um animado arraial, com desfiles e barracas de comes e bebes num espaço chamado de Quadrilhódromo. Uma festa para lá de autêntica, pouco difundida para fora de lá e, por isso, surpreendente.

Desfecho estrelado. O fim da travessia pode ser impactante. Se você não conhece a cearense Jericoacoara, é possível que passe a achá-la a praia mais bela do mundo. E, para muita gente que já tem intimidade com ela, de fato é. Sua fama rodou o planeta e, com isso, a antiga vila de pescadores isolada por dunas mudou. Ganhou certo ar globalizado, demais até. Mesmo assim, preserva seu encanto.

Parte da área virou parque nacional desde 2002, o que tem ajudado a manter sua conservação. Não deixe de percorrer a trilha até a Pedra Furada (em julho, o sol se põe em seu vão), tampouco de escalar a duna que cerca a vila para apreciar o entardecer. Também alugue um buggy para curtir tanto a Lagoa Azul como a Praia de Tatajuba. À noite, descole uma espreguiçadeira (há muitas nos bares pé na areia) e deixe as estrelas se encarregarem do resto.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.