É melhor descobrir do que antever?

Sem prólogo, nem revelar seu corrente paradeiro, nosso solerte viajante nos envia a correspondência da semana:

É O HOMEM MAIS VIAJADO DO MUNDO., ELE ESTEVE EM 183 PAÍSES, 16 TERRITÓRIOS ULTRAMARINOS, O Estado de S.Paulo

06 Agosto 2013 | 02h18

Caro Mr. Miles: tenho 43 anos e, desde pequena, viajo com minha família. Naquela época pré-internet, dispúnhamos de poucas informações sobre o destino e costumávamos carregar o Guia 4 Rodas no porta-luvas. Nas viagens para fora do País, sabíamos alguns lugares que queríamos conhecer, pegávamos uma ou outra dica com conhecidos e partíamos meio que para uma "aventura". (Bem, pelo menos era assim comigo). Em tempos de Facebook e Google, percebo que as pessoas estão, cada vez mais, solicitando dicas sobre tudo. Até certo ponto acho isso legal, pois pode nos livrar de "roubadas". Mas sinto que se perde um pouco da graça do descobrimento. Nunca gostei de viagens tipo excursão, onde se vai com tudo pronto. E resisto em pegar dicas demais.... Ou será que estou resistindo a algo que pode me trazer mais vantagens do que malefícios?

Denise Noleto, por e-mail

"Well, my dear: entendo muito bem sua carta. Como tantos outros jovens de sua idade, você está sendo acometida pela dúvida entre o prazer de descobrir e a facilidade de antever. In my modest opinion, não é bem assim que devemos encarar a possibilidade de obter informações antecipadas pela internet. Embora, as you know, eu não o faça, tenho a curiosidade de verificar o que outras pessoas observam a respeito de hotéis, restaurantes e passeios que eu já conheço ou já fiz. E, of course, fico frequentemente surpreso com essas avaliações. Para começar, darling, espanta-me o talento dos fotógrafos que usam de maestria para aumentar espaços pequenos e glamourizar ambientes insossos. However, essa é uma regra que não se pode usar, porque as hospedarias mais charmosas e com melhor custo-benefício também aparecem sempre lindas em suas fotos de divulgação.

Já quando se lê a avaliação de quem esteve no lugar em epígrafe, o melhor é prestar atenção aos comentários objetivos. Quando alguém diz que o hotel fica longe ou perto das principais atrações, há, in fact, uma informação para levar em conta. Já se o viajante disser que o hotel era muito bonito ou muito feio, é evidente que se trata de juízo pessoal. Nesse caso, é preciso ter em mente que a nota foi feita por um cidadão(ã) que você não conhece e, more than this, cuja expectativa pode ter sido muito diferente da sua.

Viajar, as I use to say, é, além de tudo, uma questão de expectativa. Quem viaja com pouco dinheiro e consegue acomodações de qualidade fica sempre feliz. Já quem viaja regiamente e acaba em um hotel onde, for instance, seus sapatos são mal engraxados durante a noite, tem motivos para criticar sua escolha.

Quanto à sua colocação muito pertinente, eu não deixaria de usar os recursos modernos que nos proporcionam as redes sociais e a web. Mas, for sure, continuaria confiando mais na opinião de amigos e conhecidos. Em nenhuma dessas hipóteses, dear Denise, você deve considerar a chance de perder o prazer da descoberta. Eu mesmo, que tenho viajado por décadas e décadas e quase sempre sei onde vou me hospedar (porque estou indo de novo), jamais deixarei de me surpreender. Um mesmo lugar, com as mesmas pessoas, em uma tarde mais luminosa do que a anterior é uma prazerosa redescoberta. Só os 'idiotas da objetividade', como disse meu saudoso amigo Nelson (N. da R.: Nelson Rodrigues, escritor e dramaturgo) não entendem esse prazer. Para eles, my dear, céu é céu, mar é mar.

E como nada muda nunca, nada pode surpreender. Don't you agree?"

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.