Éfeso conta histórias de três povos

Ruínas famosas exibem contornos de prédios erguidos na Antiguidade

Natália Zonta, O Estado de S.Paulo

10 Março 2009 | 01h48

A paisagem um tanto caótica de Izmir vai ficando para trás. Seguimos por entre colinas desérticas com apenas uma nesga do Mar Egeu no horizonte. À medida que avançamos na estrada, os sinais de civilização ficam escassos. Não há casas ou vendedores de souvenirs nos acostamentos improvisados.

 

Biblioteca Celso: com fachada de mármore, local chegou a guardar mais de 12 mil pergaminhos

"Chegamos a Éfeso", anuncia a guia, inesperadamente. A areia fina da região entra na sandália - e isso parece o prenúncio de um passeio desconfortável sob o sol. Há quem questione o benefício da viagem até o sítio arqueológico. "Não teria sido melhor fazer compras em Izmir?", alguns perguntam (leia mais ao lado). Talvez não saibam o que estão prestes a ver.

 

Veja também:

linkDo muezim ao desejo de ser moderna

linkIstambul revela uma Europa de mesquitas e palácios

linkRuazinhas lotadas de tons e sabores típicos

linkA preferida do líder Atatürk

linkCenário de ficção, Capadócia oculta vida subterrânea

linkDias intensos à beira-mar na 'pérola do Egeu'

linkUm mergulho nas piscinas de Pamukkale

linkMarmaris e seu show de cores

Uma pequena multidão de turistas se aglomera na entrada. Passada a confusão surgem as ruínas de uma das mais populares cidades da Antiguidade. Acredita-se que Éfeso tenha sido fundada por Androclus, filho do rei de Codrus de Atenas, em 800 a.C. Na época, ele procurava um local para erguer um templo em homenagem à deusa Cibele (Artemis, para os gregos). Prédio que se converteu em uma das Sete Maravilhas da Antiguidade e, em 356 a.C., foi incendiado por Herostratus.

Hoje, Éfeso é um rico conjunto arqueológico que guarda vestígios deixados por jônicos, gregos e romanos. Protetor solar, água e sapatos confortáveis são itens de sobrevivência nesse passeio. Assim como uma dose de paciência com os outros visitantes, tão ansiosos quanto você para clicar cada resquício de construção. Estruturas impressionantes se sucedem. E os arqueólogos juram que não descobriram nem 15% de Éfeso.

Invasão das águas

E como uma cidade com tais dimensões pôde virar pó? A explicação é repetida o dia todo pelos guias, em pelo menos cinco línguas. Na Antiguidade, dizem, Éfeso era banhada pelo mar que hoje está a mais de sete quilômetros de distância dali. Durante o século 3 d.C., a população - algo em torno de 400 mil pessoas - não teria conseguido conter a invasão da água e abandonou o local.

Com toda a dificuldade que deve ter sido deixar para trás construções como o Ginásio e a Biblioteca Celso. A primeira é uma espécie de arena gigante onde ocorriam as provas de força e coragem, como no Coliseu. A segunda foi erguida em homenagem a um governador romano, Celsus Polemaeanus, e chegou a guardar mais de 12 mil pergaminhos. A fachada de mármore branco, adornada por estátuas, está bem conservada.

Quem quiser saber como viviam os moradores de Éfeso pode visitar a área especial, cercada por vidro, onde foram encontradas casas de nobres em perfeito estado. A entrada é paga à parte.

linkÉfeso: entrada a 20 liras turcas (R$ 28). O tíquete para ver as casas nobres custa o mesmo valor. Agências de turismo em Izmir vendem o passeio por, em média, US$ 50 (R$ 120). A corrida de táxi até lá custa cerca de 60 (R$ 180)

Lar de Maria

No topo do Monte Pion, uma pequena casa de pedra atrai peregrinos do mundo todo, católicos e muçulmanos. Acredita-se que aquele tenha sido o último lar da Virgem Maria. Éfeso, bem perto, foi uma das cidades do Império Romano que mais se aproximou do cristianismo. O apóstolo Paulo pregou na região. E João morou ali - Maria teria acompanhado essa jornada.

Por mais que a fé seja questão pessoal, é inegável a emoção de ver milhares de pessoas em silenciosa oração. Faz parte da visita entrar na residência modesta, acender uma vela e se benzer com água de uma das fontes. Muitos deixam lenços com pedidos.

A descoberta do local teve como base as indicações, em 1818, de Anna Katharina Emmerich, freira alemã beatificada pelo Vaticano. Em 1891, o padre francês Goueyt procurou e encontrou as ruínas da casa nas colinas de Éfeso. Data de 1896 a primeira grande peregrinação, com mais de 1.300 fiéis. Os papas João Paulo II e Bento XVI estiveram no local em 1979 e 2006, respectivamente. A visita é grátis e sugere-se doação de 1,50 euro (R$ 4,53).

Mais conteúdo sobre:
ViagemTurquiaÉfeso

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.