El Chaltén, a nova capital do trekking na Patagônia

Na vila de apenas 900 habitantes, paisagem de vales, montanhas e geleiras conquista adeptos da caminhada

Ariel Palacios, Correspondente de O Estado de S.Paulo

17 Março 2009 | 02h12

Dezenas de trilhas ao longo de um vale cercado por montanhas e geleiras compõem uma paisagem que dispensa qualquer retoque para os apaixonados por caminhadas. O lugar é a província de Santa Cruz, no extremo sul da Argentina, nos confins da Patagônia. E a base para estes passeios, a pequena e acolhedora El Chaltén.

 

Em movimento: trilhas são o highlight local, mas há ainda passeios a cavalo, de bicicleta e de caiaque

A cidadezinha que se tornou a capital argentina do trekking tem apenas 900 moradores e fica a duas horas de carro de El Calafate, endereço da famosa geleira Perito Moreno. Foi fundada em 1985 para marcar presença territorial em uma área que, na época, era disputada com o Chile.

 

Veja também:

linkMoldura gelada para desvendar

Todas as referências em El Chaltén colocam a natureza no centro da conversa. A vila fica na entrada do Parque Nacional Los Glaciares e é atravessada pelo Rio de las Vueltas, que nasce no norte e forma um vale paralelo à Cordilheira dos Andes. Ao norte ficam as águas azuis-turquesa do lago Viedma e sua imponente geleira.

Quem vai à cidade precisa ficar logo avisado de que algumas das facilidades da cidade grande não existem lá. Agência bancária, por exemplo. O celular não funciona e nos elegantes quartos do principal hotel, o Los Cerros, não há televisão nem telefone. Mas quem iria tão longe para ficar dentro do quarto quando lá fora, Fitz Roy, a montanha-estrela da região, exibe toda sua beleza?

Além de trilhas, outras opções de passeio colocam o visitante em contato com a exuberante paisagem. A cavalo, de bicicleta ou de caiaque, o importante é desvendar, entre geleiras e montanhas, as abundantes fauna e flora da região, cheias de particularidades. Com sorte, durante suas andanças você encontrará ñires, flores vermelhas típicas, e até huemuls, uma espécie de cervo.

Hora da fome

A comida é um capítulo à parte nesse trecho da Patagônia. Ao longo da última década a culinária local se popularizou em toda a Argentina. Motivo mais que suficiente para você aproveitar que está lá e se esbaldar.

O cordeiro patagônico, churrasco feito com um animal inteiro assado em fogo de chão, é o prato mais emblemático. Outras opções são cervo, javali, truta, salmão e até lhama.

Hóspedes do Los Cerros recebem não salgadinhos e sanduíches, mas uma vianda (marmita) gourmet para levar nos passeios. O restaurante do hotel é comandado por um dos melhores chefs da Patagônia, Juan Pablo Bonaveri. A respeito do cardápio que assina, o chef define: "Incluí tudo o que eu gostaria de comer!"

linkHotel Los Cedros: www.loscerrosdelchalten.com. Diária a partir de US$ 362 (R$ 838) por pessoa, com café

Viagem feita a convite do hotel Los Cerros e da Expierence Patagonia

Mais conteúdo sobre:
ViagemArgentina

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.