M. Junot
M. Junot

Elba Ramalho: 'Espero que possamos nos abraçar e celebrar o São João'

Figura presente nas festas juninas do Nordeste, a cantora abre os festejos virtuais de Campina Grande dia 23 de junho

Nathalia Molina, Especial para o Estado

02 de junho de 2020 | 01h25

Todo ano Elba Ramalho faz questão de se apresentar nas principais festas de São João. Estrela máxima das celebrações nordestinas, a cantora tem seus shows marcados em datas significativas dos festejos de Campina Grande, na Paraíba, e de Caruaru, em Pernambuco: por exemplo, na abertura, como seria em 2020 na cidade pernambucana, ou na véspera do Dia de São de João (24 de junho), data inicialmente marcada para seu espetáculo neste ano na Paraíba.

A cantora guarda da infância as primeiras referências musicais, do que ouvia no São João comemorado em família. "É a festa da fartura, do milho, das comidas típicas, da dança, das quadrilhas e principalmente da música, do forró e dos ritmos nordestinos.", diz Elba.

Por causa da pandemia, para evitar o avanço do coronavírus, as manifestações populares foram canceladas em várias partes do País. Com as festas juninas suspensas, o jeito foi criar uma nova forma de marcar o mês, com arraiais virtuais. Em Campina Grande, além disso, a celebração em si não foi suspensa, e sim adiada para outubro. Elba já confirmou presença na comemoração paraiabana, tanto online quanto ao vivo. "Tomara que possamos nos abraçar e celebrar o São João em outubro."

Leia abaixo o que Elba contou ao Estado sobre sua rotina na quarentena e sobre como está sendo a ideia de passar um junho sem São João.

O que significa o São João do Nordeste para você?

Para mim o São João é a grande festa da família. É a festa dos santos da tradição católica. A fogueira foi o sinal de Santa Isabel para Maria, mãe de Jesus. É a festa da fartura, do milho, das comidas típicas, da dança, das quadrilhas e principalmente da música, do forró e dos ritmos nordestinos. Definitivamente, uma festa que envolve muitos aspectos culturais e movimenta a economia de determinadas cidades durante o mês inteiro. O meu show em Caruaru abriria os festejos da cidade. Em Campina Grande seria no dia 23 de junho. A minha primeira referência musical, da minha infância, vem justamente das festas juninas. Eu e meus irmãos esperávamos o ano inteiro pelo mês de junho.

Como está sendo a ideia de junho sem festa junina?

É muito difícil sob todos os aspectos. O carnaval dura quatro dias, os festejos de São João duram o mês inteiro. O Nordeste vive e respira São João, mas a pandemia é maior que tudo no momento. É claro que vai ser diferente, mas vou fazer o meu São João do jeito que for possível e vou tentar compartilhar ao máximo. Tenho 41 anos de carreira e 35 anos de São João em Campina Grande. As nossas vidas mudaram, o mundo está mudando e a festa também vai ter de mudar.

Como você está levando a quarentena em casa? Tem cantado e ouvido muito forró? Alguma música em especial marca este seu momento?

Eu diria que estou passando por este momento de forma bastante serena. É triste constatar as mortes, os problemas financeiros e até a fome que se tornou parte da nossa realidade. Por outro lado, agradeço aos céus pela minha casa, pela minha estrutura e pela minha família saudável perto de mim. Certamente estou valorizando muito mais cada pedacinho do meu jardim, aprendendo a fazer sobremesas, conversando muito com as minhas filhas e curtindo imensamente a chegada da minha netinha. Sim, tenho cantado muito, tenho escutado muito forró e estou até gravando algumas coisinhas para o futuro. Aliás, tenho escutado música o dia inteiro, os amigos Gil, Djavan, Chico Buarque, Chico César, o disco do meu filho Luã, que é um disco lindo. Eu diria que Amanhã, do Guilhereme Arantes é uma música muito emblemática, assim como as canções de Flávio Venturini. Ai Que Saudade d''cê também ganha uma outra dimensão agora.

Pretende fazer alguma live em junho para celebrar a festa de São João?

Pretendo fazer diversas ações. Começando pelo dia 13 de junho para uma empresa. No dia 19 de junho estamos tentando viabilizar a minha live oficial. No dia 23, uma live presencial em Campina Grande e uma participação num festival mais no fim do mês. Me veio à cabeça uma música do queridíssimo Moraes Moreira. Tive a honra de gravar 17 composições dele. Esta se chama São João na Estrada. Os versos dizem o seguinte: "No mês de junho tenho Deus por testemunho, com meu violão em punho, vou fazer meu São João." Estarei num outro tipo de estrada e, quem sabe, atingindo mais gente ainda.

Você vai participar das festas adiadas como a de Campina Grande, que será realizada em outubro?

Sim, pretendo participar dos festejos em outubro. Tomara que possamos nos abraçar e celebrar o São João em outubro. Não existe Campina Grande sem São João, nem São João sem Campina Grande.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.