Em busca das cerejeiras

De visual único e vida efêmera, as delicadas flores encantam os japoneses uma vez por ano, entre março e abril

Otávio Dias, O Estado de S.Paulo

27 Janeiro 2009 | 01h33

As flores de cerejeira começam a despontar dos pequenos botões. Desabrocham com força. Chegam ao auge e caem em apenas uma semana. Essa efêmera beleza é celebrada em todo o Japão, onde milhares de pessoas se reúnem sob as árvores para conversar, fazer piquenique, observar os pássaros e festejar o verão que se aproxima.   Veja também: Kyoto em versão branca e rosa A montanha das 4 mil árvores Pernoite diferente, da cama ao café A estação da sakura - essas flores que se derramam das copas como uma cascata, tingindo-as de tons que vão do mais puro branco ao rosa intenso - dura pouco mais de um mês no arquipélago. Em geral, as flores surgem primeiro mais ao sul, onde a primavera costuma chegar antes, e nas semanas seguintes passam a colorir o centro e o norte do país.   As árvores do Castelo de Matsuyama ganham um colorido especial na época das flores   Altitude e clima também influenciam. Regiões mais baixas e mais quentes saem na frente, áreas montanhosas e mais frias ficam para o fim da florada. Com tantas variáveis, o principal desafio para quem planeja fazer uma viagem ao Japão em busca das sakuras é estar na hora e no lugar certos. E isso muda a cada ano.Em 2008, quando decidi realizar essa aventura única, as autoridades meteorológicas declararam o início oficial da estação da sakura no dia 18 de março, em Tóquio, onde foram registradas as primeiras floradas. A cada ano ocorrem variações, por isso todos ficam de olho, tentando adivinhar onde e quando o fenômeno terá início.Havia programado minha chegada ao país para 20 de março, em Fukuoka, capital de Kyushu, imaginando que, por ser mais ao sul (apenas Okinawa fica abaixo), a ilha veria as flores primeiro. Ao saber que as sakuras já podiam ser admiradas na capital do país, bem mais ao norte, no centro de Honshu, confesso que temi ter errado todo o trajeto. Afortunadamente, essas previsões trágicas não se confirmaram.Ainda fazia frio em Fukuoka, cidade de médio porte sem maiores atrativos, mas interessante como ponto de partida. Ansioso, vasculhei em vão as árvores dos parques e dos templos em busca de qualquer leve sinal de botões cor-de-rosa.No dia seguinte, a busca se estendeu para Nagasaki, que historicamente serviu de elo entre o Japão e o Ocidente (e até se parece com São Francisco, nos EUA). Chovia bastante, ventava e nem sinal da flor. Para ocupar o tempo, uma visita ao Museu da Bomba Atômica e ao epicentro da explosão nuclear que atingiu a cidade em 9 de agosto de 1945, matando quase 75 mil pessoas imediatamente.PromessasEm Kumamoto, onde fica um dos castelos medievais mais imponentes do país (embora reconstruído em concreto), surgiram as primeiras pontinhas de pétalas cor-de-rosa. Mas eram meras promessas de flor.Resolvi praticar meu lado zen. E nada melhor para acabar com a ansiedade que relaxar em um dos inúmeros rotemburos de Yufuin, vila turística situada nas montanhas e conhecida pelas piscinas fumegantes ao ar livre, alimentadas por fontes naturais de origem vulcânica. O inverno ainda estava bem presente por lá. Na falta da sakura, aproveitar a culinária local e fazer a digestão caminhando pelas estreitas trilhas que cortam os campos se revelaram ótimas alternativas. Assim como dedicar algum tempo para conhecer a arquitetura das casas de fazenda.Chegou a hora de atravessar o mar em direção a Matsuyama, na Ilha de Shikoku. O trajeto foi feito em um barco - em que não se reserva uma cadeira, mas um tatame, o que permite fazer a viagem de algumas horas confortavelmente deitado. Continuava frio e a hospedagem escolhida foi num ryokan, um dos tradicionais hotéis japoneses, a poucos passos de Dogo Onsen, o banho público mais antigo do Japão. Submergir na piscina de granito em funcionamento há mais de 3 mil anos e depois tomar chá verde no salão forrado de tatames é um ritual altamente recomendável.Enfim O dia 28 de março amanheceu ensolarado, promessa de boas notícias. O destino escolhido foi o Castelo de Matsuyama, bem preservada construção de madeira no alto de uma colina, no centro da cidade. No caminho do teleférico para o portão principal, lá estava ela: a primeira sakura carregada de grandes bolas cor-de-rosa.A árvore chamava a atenção de todos. As pessoas paravam para admirar com atenção, comentar, tirar fotos. Aliviado e feliz, cheguei perto e me surpreendi com a quantidade de pássaros nas flores.Mais acima, uma fileira de árvores de um rosa ainda mais intenso se destacava diante da muralha de pedra. Com o espírito tomado pela beleza das sakuras, visitei o castelo medieval sem reclamar das inúmeras escadas de madeira para lá de íngremes. Sete dias após o desembarque na terra do sol nascente, a tão esperada estação da sakura havia finalmente começado para mim. Site: http://www.jnto.go.jp/ COMO IR - JAPÃOVisto Quanto custa: R$ 47Quanto demora: 2 diasDocumentos necessários: reserva da passagem, RG, comprovante de renda, declaração do Imposto de Renda e documentos que comprovem a finalidade da viagem, entre outrosInformações: (0--11) 3254-0100; http://www.sp.br.emb-japan.go.jp/MoedaIene: 1 iene equivale a R$ 0,03Passagem aéreaSP-Tóquio-SP: a partir de US$ 1.584 na American Airlines (0--11-4502-4000); US$ 1.666 na United Airlines (0--11- 3145-4200); US$ 1.787 na Air Canadá (0--11-3254-6630); US$ 1.878 na Continental (0--11-2122-7500); US$ 2.046 na Japan Airlines (0--11- 3175-2270), US$ 2.110 na Delta (4003-2121) e US$ 2.170 na Korean (0--11-3525-6700). Voos com conexão.TremO Japan Rail Pass comum (2.ª classe), para sete dias, custa US$ 315 ou 28.300 ienes (preço para turistas) e dá direito a viagens ilimitadas em todos os trens, inclusive os shinkansen (trem-bala). A reserva de assento é recomendável, mas não obrigatória. Os trens são seguros, confortáveis e pontuais - quer dizer, a melhor forma de viajar pelo país. É necessário comprar os passes no Brasil. Mais informações e lista das agências credenciadas no site www.japanrail.com.PacotesUS$ 4.495: 11 noites. Osaka, Nara, Kyoto, Hiroshima, Nagasaki, Miyajima, Kumamoto, Okayama, Hakone e Tóquio. Takstour (0--11-2821-8800). Mesmo valor e roteiro na Inside (0--11-4508-8010), 15 noitesUS$ 5.496: 6 noites. Tóquio, Hakone, Kyoto e Osaka. Soft Travel (0--11-3017-9999)US$ 4.592: 5 noites. Tóquio, Kyoto e Hakone.Top Brasil (0--11-3926-8000) US$ 4.985: 13 noites. Tóquio, Osaka, Kyoto, Hiroshima, Miyajima, Nagasaki e Hakone. Sem Fronteiras (0--11-2091-3595)US$ 5.390: 11 noites. Osaka, Kobe, Hiroshima, Miyajima, Kyoto,Shirakawago, Takayama, Nagoya, Hakone, Tóquio, Kamakura. Century Travel (0--11-3207-2644) US$ 5.399: 9 noites. Tóquio, Hakone e Kyoto. Riviera (0--11-5533-6889)US$ 5.520: 10 noites. Tóquio, Hakone, Toba e Kyoto. Designer (0--11-2181-2900)US$ 5.950: 10 noites. Tóquio, Hakone, Takayama, Shirakawago, Kyoto, Hiroshima e Osaka. Tereza Ferrari (0--11-3021-1699)US$ 6.286: 10 noites. Tóquio, Kyoto, Miyajima e Osaka. Natural Mar (0--11-3236-4949)US$ 7.996: 10 noites. Tóquio, Hakone, Takayama, Kyoto, Hiroshima e Osaka. Intravel (0--11-3206-9000)US$ 9.822: 15 noites. Dubai, Nagoya, Tóquio, Hakone, Takayama e Kyoto. Queensberry (0--11-3217-7100)US$ 12.070: 7 noites. Tóquio, Hakone e Kyoto. Interpoint (0--11-3087-9400)US$ 15.204,73: 9 noites. Tóquio,Kyoto, Miyajima e Osaka. Princess Travel (0--11-3388-5288). *Preço por pessoa em quarto duplo, com passagem aérea

Mais conteúdo sobre:
Japãocerejeirasviagem

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.