Em grupo, sem perder a individualidade

Para quem não se sente à vontade o suficiente para viajar totalmente desacompanhado, grupos podem ser a solução naquelas situações em que ninguém mais - nenhum amigo, namorada, marido, irmão - sai de férias na mesma época ou tem interesse no mesmo destino.

O Estado de S.Paulo

11 Setembro 2012 | 03h09

Como estratégia de marketing e para aparecer em melhor posição nas buscas pela internet, agências que organizam grupos de turistas desacompanhados costumam falar em "viagem para solteiros". Não se deixe intimidar. A maioria dos tours, inclusive, nada têm a ver com paquera.

"Recebo muitos telefonemas, principalmente de mulheres que querem ter certeza de que o clima não é esse. Claro que pode acontecer de as pessoas se conhecerem e se interessarem umas pelas outras, mas o foco é mesmo turismo. Não somos agência de encontros", diz o sócio da Keep Company Viagens Para Solteiros, Eduardo Martins.

Instrutor de alpinismo e escalada, Martins decidiu mudar o foco da sua então agência de ecoturismo há dois anos. Desde então, já organizou cerca de 100 viagens, de passeios de fim de semana até roteiros pelo exterior. Em outubro, levará 40 viajantes solo à Turquia. A maioria com idades entre 30 e 55 anos.

Foi por ter percebido que seus passageiros desacompanhados se sentiam prejudicados ao pagar quase o dobro pelos pacotes que Yolanda de Olivera, proprietária da Terrazul Viagens, montou o programa Just For Singles. Isso há 15 anos. Mas o que era para ser apenas mais produto, uma opção, acabou virando a razão de existir da agência.

Nos passeios que organiza pelo mundo todo, Yolanda dá ao passageiro a opção de dividir quarto ou pagar cerca de 30% a mais no valor total do pacote para ficar em quarto single. "Quando a pessoa quer compartilhar, procuramos perfis semelhantes em relação à faixa etária, horário em que está acostumado a ir dormir, hábitos como fumo", diz. A faixa etária de seu público vai dos 35 aos 55 anos.

De toda parte. Viajantes desacompanhados mais jovens devem encontrar sua turma nos programas do Contiki. Trata-se de um modelo de viajar pelo mundo que consiste em se juntar a um grupo multinacional, com idades entre 18 e 35 anos, no ponto onde começa o roteiro.

A hospedagem costuma ser em hotéis econômicos e em quarto duplo. E, quanto aos passeios, o turista decide se quer fazê-los com o guia e os outros integrantes ou por conta própria, munido de todas as dicas. Na prática, é um jeito de viajar acompanhado, mas sozinho. Ou o contrário.

Entre os roteiros mais procurados do Contiki está o de 14 dias pela Europa. Por US$ 1.755, sem aéreo, mais taxa de R$ 100, passa por Reino Unido, Bélgica, Holanda, Alemanha, Áustria, Itália, Suíça e França. O preço inclui 11 noites de hospedagem e 17 refeições. Com a STB. / M.N.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.