Em Londres, no rastro das autênticas receitas indianas

Há quinze anos surgiram em Londres os primeiros restaurantes indianos, digamos, refinados. Caso do agora famoso Tamarind (tamarindrestaurant.com), em Mayfair. A ocasião foi propícia: na cidade cheia de casas movidas a curry, esta se aprumou e ousou aspirar uma estrela Michelin. É eclética, cara e bem sucedida - e sim, tem sua estrela. O local segue popular e lotado, mas nem disso eu posso reclamar.

MARK BITTMAN / LONDRES , THE NEW YORK TIMES, O Estado de S.Paulo

06 Março 2012 | 03h08

Ainda assim, não é exatamente o que procuro quando vou a Londres. O grande barato dos restaurantes indianos de lá é que você pode encontrá-los em cada bairro. E com produtos genuínos. Confira quatro exemplos de endereços informais, mas que primam por carnes e legumes da mais alta qualidade.

Cafe Spice Namaste. Intrigante, delicioso e despretensioso. Localizado em East End, tem ares dos anos 1970, com cores equilibradas e atendentes uniformizados. Aparência à parte, é um ótimo restaurante.

Entre meus favoritos ficaram o cheera wada, ervilhas amarelas combinadas com espinafre e camarões, com molho açucarado de tamarindo. De acompanhamento, missal pao, cogumelos e grão-de-bico em molho curry com coco, servido com noodles.

Além dos ótimos ingredientes (carne britânica, quando é boa, é muito boa), o menu inclui pratos de Goa, região que por muito tempo foi colônia portuguesa. Por isso, iguarias tão típicas no Brasil, como a feijoada, estão lá. Quanto à sobremesa, opte por outra delícia de Goa: uma edificação de panquecas sabor coco.

New Tayyabs. Também serve comida paquistanesa e pode-se dizer que é o paraíso das carnes. A grande chance de provar um magnífico kebab de cordeiro ou as melhores costeletas tandoori que você encontrará por ali. Finas, marinadas com iogurte e grelhadas até ficarem crocantes, para comer com as mãos.

E há mais. Não perca a carne seca com curry - assim chamada porque o molho é cozido tempo suficiente para que o preparo fique quase seco, e os temperos tão concentrados que você sente o sabor do cordeiro surpreendentemente intenso, sem falar na maciez. O local é concorrido, geralmente lotado, sobretudo de banqueiros acompanhados por mulheres vestindo hijabs.

Sitaaray. Em pleno Covent Garden, fiquei chocado quando o garçom trouxe o menu e disse: "Na verdade, você não pode pedir nada, porque vamos trazer tudo". E então fui brindado com uma versão kitsch das churrascarias brasileiras.

Primeiro, um dahi batata puri - batatas e grão-de-bico fritos com iogurte e tamarindo - e kebab com hortelã e pimenta. Em seguida, peixe grelhado também com hortelã e logo outro peixe, crocante, especialidade de Punjabi. No total, foram quatro pratos de frango e três kebabs - o melhor foi o recheado com carne de cordeiro picante, e o mais curioso, o de carne moída.

Chor Bizarre. Um chor bazar é o que chamamos de mercado de pulgas, e o restaurante, cujo nome é um trocadilho óbvio, mais parece uma loja de antiguidades onde tudo pode ser comprado.

O espaço não se leva muito a sério, mas a comida é muito, muito boa. O restaurante serve o mais delicioso dal - tradicional guisado à base de grãos que é a alma (ou parte dela) da culinária indiana. O dal makhni, cremoso, de lentilhas pretas com tomate, vai faz você flutuar; e o pindi chhole, apimentado, com grão-de-bico e tempero à base de manga desidratada, é viciante.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.