Em outros tempos, a elegante rota Rio-SP

Trem Santa Cruz (depois de Prata) fazia trajeto em 9 horas: conforto

Julia Contier, O Estado de S.Paulo

10 Junho 2008 | 03h08

Antes do Great Brazil Express, uma outra rota alimentou gerações de apaixonados por viagens com algum conforto sobre trilhos. Apesar de não ser exclusivo para turistas e servir a viajantes em geral, o antigo trem Santa Cruz começou a circular no trecho Rio-São Paulo em março de 1950. Equipado com o que havia de mais moderno no mundo para o transporte de passageiros, tinha capacidade para 240 pessoas, e o percurso levava nove horas. O trem contava com 5 carros-dormitório, 12 cabines duplas e 1 simples, vagão-restaurante, carro para bagagem, poltronas-leito e ar-refrigerado. A linha acabou tendo de ser desativada em 1991, por causa do alto custo de operação. Com o luxo de um hotel cinco-estrelas e investimento de R$ 4 milhões - fruto de um consórcio entre a Rede Ferroviária Federal, a Útil Transportadora Interestadual de Luxo e o Hotel Portobello -, o Santa Cruz foi relançado como Trem de Prata, em 1994. Nessa nova fase, a composição comportava até 133 passageiros. O trem tinha 10 carros no total; 7 deles funcionavam como vagão-dormitório, cada um com 10 cabines: 7 duplas, 1 simples e 2 suítes. Bagagens, restaurante e cozinha-bar ficavam em vagões separados. A decoração era feita com material antifogo e antialérgico. E todas as cabines estavam equipadas com ar-refrigerado, som ambiente e televisão. Além de água quente nos banheiros. O trem, porém, sofria com a concorrência da ponte aérea. Os atrasos freqüentes, em virtude de obras de manutenção nos trilhos ou do descarrilamento de outras locomotivas, afastaram os passageiros. Em 1998, o Trem de Prata encerrou suas operações. ALTERNATIVA Muito menos pelo romantismo e mais pela praticidade, o governo brasileiro decidiu investir novamente na linha ferroviária entre Rio e São Paulo - e incluiu Campinas na rota. Mais do que um trem de luxo, o projeto orçado em US$ 11 bilhões prevê a construção de um trem-bala capaz de fazer o trajeto entre as capitais em apenas 80 minutos - tempo inferior ao gasto pelo avião. A viagem de Campinas a São Paulo levaria 24 minutos. Na opção com seis paradas em várias cidades pelo caminho, o trajeto completo duraria pouco mais de duas horas. O trem terá capacidade para transportar 3 mil pessoas por hora. A licitação do projeto está prevista para outubro. Um grupo de empresários japoneses já apresentou proposta.

Mais conteúdo sobre:
trem de luxo rota rio-sp

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.