Divulgação
Divulgação

Embarque em um cruzeiro à la carte

No Norwegian Epic você escolhe a hora de fazer as refeições, o restaurante e a programação de atividades a bordo

Renato Machado / ROATÁN,

05 Janeiro 2011 | 13h00

Os turistas circulam das piscinas de águas mornas para as espreguiçadeiras, que contam com pequenos toldos acoplados para garantir dose extra de privacidade. E olha que não precisava. O movimento na Private Courtyard, como o nome indica, é restrito. Nem parece que os hóspedes dividem o terceiro maior navio do mundo com cerca de outras 4.100 pessoas.

 

Lançamento mais aguardado pelo setor no ano passado, o Norwegian Epic tem de acomodações grandes e luxuosas, com acesso a áreas exclusivas, a estúdios próprios para solteiros. Em tamanho e capacidade, o Epic só fica atrás do Oasis e do Allure of the Seas - da Royal Caribbean e com capacidade para 5.400 pessoas.

 

Mas se diferencia pelo sistema freestyle, pelo qual os passageiros podem escolher horário e onde fazer as refeições, além dos eventos que querem participar. E também ganha pontos pela variedade de estilo de cabines.

 

As chamadas villas, as maiores suítes disponíveis, estão entre as novidades do Epic. Os 54 quartos ficam em dois deques privativos no alto do navio - o acesso é feito por uma portaria especial. Cada uma dessas suítes têm uma grande área para casal e outro espaço para crianças, além de hidromassagem de frente para o mar e sala de jantar. A área privativa conta, ainda, com clube noturno, piano bar e academia.

 

As acomodações para solteiros também se destacam. São 128 estúdios bem decorados, com pouco mais de 10 metros quadrados. Eles ficam na parte interna do navio, outra vez em ala restrita, e são servidos por um bar próprio.

 

Quando se cansarem do roteiro sol-piscina-hidromassagem, os hóspedes só precisam eleger um entre os mais de 20 restaurantes do navio. Em alguns, os passageiros têm de desembolsar uma taxa de reserva, que varia entre US$ 10 e US$ 25. Pode-se optar entre o Le Bistrô, francês com escargot entre as opções de entrada; o japonês Teppanyaki, onde o chefe fica na sua frente, fazendo malabarismos com a comida; uma típica cantina e até uma churrascaria brasileira, se você fizer mesmo questão.

 

Outra razão para o sucesso do Epic é a quantidade de atrações culturais e de entretenimento a bordo. Há grupos de blues, baladas (como a do Ice Bar), leilões de arte e shows descolados. Como o do Blue Man Group, que se apresenta praticamente todas as noites - convém reservar para não ficar de fora. O grupo Cirque Dreams, por sua vez, faz sua performance durante o jantar no Spiegel Tent.

 

Os passageiros também podem ver sósias de Elvis, Madonna e Tina Turner no show Legends in Concert. No mesmo deque, os humoristas do Chicago Second City capricham no improviso. Em determinado momento, simulam um assassinato no navio - e pedem ajuda da plateia para tentar descobrir quem foi o autor. Essas opções são atrativos particulares do Epic. Mas sempre há piscinas com toboáguas, cassino, spa...

 

Veja também:

link No maior do mundo, dá para passar dias sem ver o mar

blog  Blog. Dicas e bastidores das viagens da nossa equipe

blog Twitter. Notícias em tempo real do mundo turístico

Mais conteúdo sobre:
viagem Gigante Allure cruzeiro navio

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.