Camila Anauate/AE - 27/9/2008
Camila Anauate/AE - 27/9/2008

Encontro com o passado do outro lado da Ponte Vecchio

Casas e praças autênticas sobrevivem no residencial bairro de Oltrarno

Camila Anauate, O Estado de S.Paulo

07 Abril 2009 | 02h46

É preciso passar à outra margem do Rio Arno para reencontrar a Florença de outrora. Aquela que nasceu em 59 a.C., foi colônia romana e, durante a Idade Média, já como cidade-Estado independente, dominou o comércio de tecidos na região.

Para cruzar o rio, escolha sem pensar a Ponte Vecchio, símbolo máximo de Florença. É a mais antiga da cidade, construída em 1345, e única sobrevivente das atrocidades da 2ª Guerra Mundial.

As casinhas coloridas sobre a ponte, em contraste com as águas escuras e tranquilas do rio, formam uma paisagem que parece existir apenas nas telas dos renomados pintores italianos. Esses pequenos e pitorescos espaços já foram ocupados por açougues, ferrarias e curtumes, mas, hoje, abrigam antiquários e joalherias chiques à espera de turistas. Atravesse a ponte sem pressa.

 

Veja também:

linkPrazeres da ensolarada Toscana 

linkO clima medieval de San Gimignano 

linkFlorença, a mais perfeita obra renascentista da Europa 

linkAnimação ao redor do câmpus 

linkCurvas das montanhas ocultam vilas pitorescas 

linkNas garrafas, o melhor da paisagem 

linkReceitas simples para saborear com os amigos 

linkEscolha um roteiro para descobrir a região  

NA OUTRA MARGEM

Do outro lado está o simpático Oltrarno, bairro mais residencial, repleto de casas pequenas e praças tranquilas. Aqui, sim, há um bom número de restaurantes autênticos, ateliês escondidos em becos e lojas de antiguidades autênticas.

A cada passo, uma surpresa. Ande, procure, descubra. Mas não deixe de ver duas atrações básicas. A Igreja Santo Spirito e o Palazzo Pitti, de 1458. O palácio tornou-se, a partir de 1550, residência principal dos governantes de Florença. Durante a visita, o turista pode ver os nobres aposentos, além de uma rica coleção de arte que inclui Caravaggio, Rafael e Ticiano.

Antes de se despedir de Florença, suba a colina onde está a Piazzale Michelangelo, com cópias de esculturas assinadas pelo artista. No fim da tarde, o sol reflete nas águas do Rio Arno até se esconder nas colinas toscanas. Quando você voltar para casa, alguém ainda vai dizer que essa foto, sim, é montagem.

linkPalazzo Pitti: www.palazzopitti.it. Entrada: 8,50 euros (R$ 26)

Mais conteúdo sobre:
ViagemItáliaFlorença

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.